terça-feira, 29 de março de 2011

UMA boa proposta



"A Tertúlia do Raide congemina
Uns planos para treinos fabulosos
Que merecendo a intervenção divina
Darão uns resultados milagrosos.
Com massagens, poções e vitaminas
E até mesmo feitiços duvidosos…
Tudo isto mais uma mochila cheia
E muitas horas a correr na areia."

(in Melíadas, p.39)

E não é que, da Divisão de Desporto da Câmara M. de Grândola, e com vista à próxima edição da Ultra Maratona Atlântica Melides-Troia, agendada para 17 de Julho, surgiu uma proposta que reza o seguinte:

“Estamos com vontade de promover um treino organizado numa praia, seguido de uma pequena sessão de esclarecimentos entre os próprios atletas que queiram colocar questões uns aos outros sobre a UMA e entre os atletas e a organização que poderá esclarecer algumas dúvidas relacionadas com o Regulamento. Poderiamos convidar um ou outro atleta com mais experiência nestas andanças, que não se importasse de estar presente, mesmo que não esteja a pensar fazer a Prova este ano (e portanto, que não quisesse treinar nesse dia).


Por um lado parece-nos ser uma ocasião interessante de proporcionar aos menos experientes, um contacto directo com a Prova, por outro, uma forma de enriquecer a componente de convívio que já faz parte desta Prova.


Seria uma coisa muito simples, sem compromissos, com um percurso de ida e volta, deforma a que as viaturas fiquem no mesmo local, por exemplo entre Carvalhal e Comporta, totalizando cerca de 17 km. E algumas horas após o início do treino, depois de todos terem concluído e recuperado do esforço, definíamos um local apropriado (ríiamos ver com os Restaurantes ou mesmo com as Freguesias locais) e sentávamo-nos um pouco para conversar (em ultimo caso, seria mesmo na areia da praia).”

Ora, perante uma proposta destas, só podia vir pôr a “boca no trombone” pois parece-me uma iniciativa bastante aliciante e capaz de mobilizar todos os que estão tentados a entrar no maravilhoso mundo das areias.

Sendo certo que os Treinos Lunares do amigo Paulo Pires, já muito contribuem para um “calcar areia” indispensável para uma boa preparação visando o Raide, perdão, a UMA, esta iniciativa de um treino seguido de uma “Tertúlia” (profetizada nas Melíadas) proporciona também um contacto directo com a Organização que, numa atitude exemplar, pretende “comungar” com os participantes e com os mais experientes nestas andanças, recolhendo contributos para um aperfeiçoamento de uma Prova que já pouco terá para aperfeiçoar. Mas que me parece uma excelente sugestão, não tenho dúvidas.

A ideia está lançada. Avanço com a data de 7 de Maio, 10 da manhã.

Que vos parece?

segunda-feira, 21 de março de 2011

21ª Meia Maratona de Lisboa

Foto AMMA (Carlos Viana R.)
“A Ponte é Alegria, Camaradas…”


Bem sei que há quem prefira o prazer de um treino calmo na natureza ao bulício de participar na maior manifestação desportiva que se realiza em Portugal. A Ponte, que liga o Sul ao Norte de um Portugal que, por vezes, sucumbe à tontaria da “guerra Norte-Sul”, com este evento, faz uma pausa no trânsito automóvel e “oferece” o seu tabuleiro à “pacificação” de milhares e milhares de pessoas vindas de todos os pontos do País e de muitos outros Países.

Embora reconheça que a grande multidão que esta Prova mobiliza, pode prejudicar aqueles que tenham maior espírito competitivo, temos de reconhecer que é a grande festa da Corrida, uma “celebração” que apadrinhou muitos dos que passaram a praticar regularmente a Corrida.

Se pode ser visto como um sacrifício ter de ir cedo e esperar longo tempo, sem espaço para grandes movimentações, enquanto se aguarda pela hora da partida, também isso pode ser encarado como a antecipação de um convívio mais prolongado, que tantas vezes nos escapa nas outras provas. E é bom estar em amena cavaqueira, em dois ou três metros quadrados partilhados com meia dúzia de companheiros.

Estar lá, no meio de toda aquela gente que se move, é um privilégio. É uma forma única de observar a Corrida. É senti-la.

Independentemente de correr mais depressa ou mais devagar (este ano, para mim, até foi bem mais devagar que em 2010) é sempre com grande prazer e alegria que lá estarei, contemplando o gigantesco espectáculo que a Corrida pode constituir e imaginando o trabalho titânico de uma Organização deste calibre.

Mas há uma coisa que eu digo sempre: - “chora-me o coração de ver tanto desperdício de bebida isotónica! Se eu pudesse contar apenas com 5% do que é desperdiçado, eu teria powerade para dar em todos os abastecimentos da Meia de S. João das Lampas.

Quanto à minha marca… foi fraquita : 1,47,12, mas isso pouco importa, face à enorme satisfação de ter podido fazer, mais uma vez, a grande ”Meia da Ponte”.

As classificações completas estão aqui.

sábado, 19 de março de 2011

"Renuncio à Renúncia"

"Habemos Mota"

Reuniu a Assembleia Geral da Federação Portuguesa de Atletismo tendo como ponto único da ordem de trabalhos, uma tomada de posição face à renúncia do Presidente Fernando Mota, em consequência de um erro na inscrição da Atleta Sara Moreira, nos últimos Europeus de Pista Coberta realizados em Paris no início do mês.


A requerimento da Associação de Atletismo de Lisboa, foram suspensos os trabalhos por um período de 30 minutos, a fim das Associações Distritais e Regionais e Associados Extraordinários (AAAC, ANAV, ANJA e APOPA) submeterem à mesa, uma proposta conjunta, que veio a ser aprovada por unanimidade e aclamação e que reza o seguinte:


PROPOSTA

1. O Prof. Fernando Mota, na sequência de um erro cometido, aquando da inscrição de atletas para os recentes Campeonatos Europeus de Pista Coberta, entendeu renunciar ao cargo para que foi eleito em 25 de Abril de 2009.

2. Não pretendemos questionar a decisão do Presidente, decorrente do seu foro íntimo, nem valorá-la em função da gravidade do erro, o que, em duas décadas, jamais ocorrera.

3. A nossa função é organizar, promover, dirigir e estimular a prática do atletismo, em articulação com a FPA.

4. Nesse sentido, estamos todos cientes do trabalho desenvolvido pela FPA desde que o Prof. Fernando Mota é Presidente, trabalho que coloca a nossa Federação, dizemo-lo com orgulho, no topo das que mais têm prestigiado o País.

5. Trata-se de um trabalho duro e apaixonante, incompreendido por vezes, para o qual todos os agentes –Atletas, Técnicos, Clubes, Associações e Federação têm contribuído, adentro de uma relação de coordenação que nos apraz registar.

6. Considerando que :

a) Estamos a cerca de 15 meses dos Jogos Olímpicos de Londres, para os quais se estabeleceu um programa quadrienal de preparação;

b) Uma orientação, eventualmente diferente, poderá por em causa todo o trabalho em curso e que tem sido relevante;

c) Levam tempo a adaptação e ajustamentos a outros métodos de trabalho;

d) O património de conhecimentos que o Prof. Fernando Mota adquiriu ao longo de duas décadas, junto do Governo, Autarquias e outras Instituições Públicas e o prestígio então granjeado, têm aberto portas em momentos delicados e difíceis;

e) Sopesando as vantagens e desvantagens de uma alteração brusca no comando da FPA, particularmente nesta conjuntura de crise que atravessamos, pode não ser recomendável para uma situação de estabilidade que vem fluindo normalmente já que todos sabemos “quem é quem”.


Assim, as Associações Distritais e Regionais, bem como os Associados Extraordinários AAAC, ANAV, ANJA e APOPA, abaixo assinados, por intermédio dos seus legítimos representantes, propõem que o Prof. Fernando Mota, independentemente dos efeitos que o acto de renúncia suscita, nos termos estatutários, CONTINUE como Presidente da Federação Portuguesa de Atletismo, cumprindo, assim os termos de mandato para que foi eleito.



(seguem as assinaturas)

_________

Recomeçados os trabalhos, foi ouvido o Prof Fernando Mota, que justificou a sua atitude, reafirmando as suas declarações públicas. Sublinhou no entanto, que a tomada de posição da Associação de Atletas de Alta Competição na passada quarta Feira em Conferência de Imprensa, em que também esteve presente Sara Moreira, em que lhe foi solicitado para continuar no comando da FPA, o fez repensar o seu acto, não por apego ao lugar, mas porque poderia criar uma situação pouco conveniente. Mostrou-se, igualmente, sensibilizado pela solidariedade demonstrada na proposta das Associações, acabada de aprovar por unanimidade e aclamação, pelo não via forma de recusar o apelo que era feito, pelo que, a convite do Presidente da Mesa, Dr. Vítor Manjerão, declarou de viva voz e a que se seguiu um forte aplauso :

- “ RENUNCIO À RENÚNCIA”.

quinta-feira, 10 de março de 2011

Lembrete



IV Encontro Blogger


Are you sleeping?
Are you sleeping?
Oh Romão
Oh Romão
Já é quase Abril
Já é quase Abril
Dling dim dão
Dling dim dão.


Talvez seja estratégico, o silêncio que se verifica relativamente ao IV Encontro Blogger que ficou agendado para Constância, a 23 de Abril, quando do tradicional Grande Prémio da Páscoa que se realiza na Vila Poema.

A “chave” ficou bem entregue ao Nuno Romão que, certamente, estará a preparar como bem entender, mais uma reunião da blogosfera corredora, promovido pelo “Corridas e Patuscadas” que está a precisar de uma “assopradela”.

Não é querer estar a meter-me ao barulho ou a pôr em causa o trabalho do Nuno, mas pretendo, com esta mensagem, despertar o pessoal para mais um grande momento de confraternização.

E, como estamos em altura dos Censos, também aqui é importante sabermos quantos somos, de onde vimos, o que queremos !?

domingo, 6 de março de 2011

28ª Edição dos Vinte Km de Cascais

 
Já no retorno (14km) apanhado pelo amigo Luis Parro

No dia em que o ouro do Obikwello fez subir a bandeira e ouvir o hino e a prata da Naide ficou a um mísero cm de ter igual efeito, também eu trouxe “metal” para casa, ganho na 28ª Edição dos Vinte Km de Cascais. Um grande medalhão rectangular, esmaltado com logo da prova e com a letra “I”, a penúltima de uma sequência destinada escrever a palavra “CASCAIS”. Estive a ver a caixinha das medalhas desta Prova e vi que, embora esta seja a 12ª, só tenho um “C” e um “I”, pois tenho uma série de faltas, em virtude da coincidência de datas com as da Maratona de Sevilha, que me tem sido irresistível. Este ano, felizmente, deu para fazer as duas.

Entre as 9 e as 10h (hora da partida) chovia e bem, obrigando o pessoal a abrigar-se no alpendre do Hotel Baía, à espera de uma aberta.

Às 10h não chovia e os corredores aguardavam pelo tiro da partida que foi retardado cerca de 3 minutos. A Rapidinha seria 5 minutos depois.

Tudo estava a correr bem, quando, por volta dos 4 km sinto uma “pontada” no joelho direito, que me obrigou a abrandar. Mau, mau… o que é esta m…(?) –pensei eu. Aos 7 a mesma coisa… e eu comecei a ficar assustado, não estivesse eu a arranjar alguma. O ritmo mais cauteloso que fui obrigado a seguir, talvez tenha “segurado” a situação. Depois do retorno, por volta dos 12,5km comecei a aumentar de velocidade e, principalmente, depois dos 14, ganhei muitas das posições que tinha perdido durante o período mau. Terminei na casa da 1,32 (t.chip) e 1,33 (t.oficial).

Parece que houve um azar com o hard ware e os resultados só amanhã é que estarão disponíveis no site da Xistarca, pelo que não faço ideia do lugar em que cheguei.

Uma palavra também para todos aqueles que usaram indumentária carnavalesca, que faziam soltar sorrisos a toda a gente que corria, por mais cansada que estivesse.

Quanto à Organização: excelente ! Dadas as condições climatéricas que dificultaram aqueles “retoques” que é sempre preciso ultimar, não se podia exigir muito mais. Parabéns para todos os que estiveram envolvidos nesta Prova.

sexta-feira, 4 de março de 2011

Xeque ao “ rei”


Ouvi, há pouco, a notícia de que a Federação Portuguesa De Futebol, recebeu um ultimato da FIFA : “ .Ou adapta os seus estatutos à Lei de Bases do Sistema Desportivo e Regime jurídico das Federações , ou fica vedado o acesso dos clubes portugueses às competições internacionais”.

Não deixa de ser estranho, como é que a poderosíssima FPF deixou arrastar tanto esta questão, quando todas as outras federações reformularam, atempadamente, os seus estatutos à nova realidade .

Honra seja feita à FPA, que foi das primeiras federações a pôr a papelada em ordem, tendo aprovado os novos estatutos em Fevereiro de 2009! Mas, se no cumprimento das regras temos dois anos de avanço, o Atletismo é ainda visto com séculos de atraso.

quinta-feira, 3 de março de 2011

Demissão ou...sinal do tempo?

No final da última Assembleia Geral , em Lamego, em Nov.2010, com Artur Domingos e Fernando Mota
Não escondo alguma desilusão com esta saída surpreendente do Prof. Fernando Mota, do leme da FPA, após 18 anos de liderança e depois de tantos sucessos alcançados pela modalidade.

Estou solidário com ele, pois acho-o uma pessoa competente, simpática e empenhado no cargo que ocupava.

Conforme veio a público, esta renúncia ao cargo terá sido justificada por um erro cometido pela Federação, relativamente à inscrição da Sara Moreira nos Europeus de Pista Coberta que este fim de semana terão lugar em Paris.

Como responsável máximo pela FPA, chamou a si o erro e demitiu-se, numa atitude de grande dignidade mas que me permito considerar desproporcionada. É verdade que assim sai por vontade própria e não pela disposição legal que lhe limita o número de mandatos.

Mas… acaso terá sido esta a única vez que a FPA falhou ? certamente que não e não há história de que alguém se tenha demitido, a não ser por divergências e não propriamente por erros.

No sentido de ser feita uma análise desta situação, foi hoje convocada uma Assembleia Geral Extraordinária para o próximo dia 19 de Março.

É grande a expectativa .

terça-feira, 1 de março de 2011

Comunicado FPA


Fernando Mota renuncia ao cargo de Presidente da Federação

A direcção da Federação Portuguesa de Atletismo (FPA) lamenta informar, que devido a um erro administrativo, a atleta Sara Moreira foi inscrita na prova de 1500 metros e não na de 3000 metros dos Campeonatos da Europa de Pista Coberta, que se realizarão em Paris de 4 a 6 de Março.

O prazo para inscrições na competição terminou no dia 27 de Fevereiro, às 23 horas de Lisboa, não admitindo os regulamentos da European Athletics (EA) qualquer alteração posterior ao encerramento.

A FPA processou as inscrições logo após o término da última jornada dos Campeonatos de Portugal de Pista Coberta, ou seja, muito próximo do prazo limite, pelo que não foi possível detectar o erro a tempo de efectuar qualquer alteração.

No entanto, e apesar de conhecedores dos Regulamentos da EA, a direcção da FPA tudo fez para que a atleta Sara Moreira ainda fosse inscrita nos 3000 metros, tendo a EA, através de um dos Delegados Técnicos da competição, informado que tal não seria possível, consequência dos regulamentos já referidos.

O Presidente da Federação Portuguesa de Atletismo, Prof. Fernando Mota, entende que deve assumir as responsabilidades pelo ocorrido, renunciando ao cargo que ocupa na Federação.


Este, o teor do comunicado emitido hoje pela FPA, que, por certo vai dar que falar.

O Exemplo

Pedro Caetano, Abutres - A figura da Prova (foto O Mundo da Corrida)

O “caso” que manchou esta excelente 2ª Edição do Trail Terras de Sicó - Conímbriga ( a alteração repugnante do posicionamento das fitas que assinalavam o percurso, com o intuito claro de enganar os atletas) , dá para fazer a seguinte leitura : ao “desnorte” e indignação do grupo da frente, que foi crescendo com os que iam chegando ao local do “apagão”, seguiu-se uma enorme demonstração do espírito de amizade e entreajuda que reina entre os “trailers”.

Na busca do rumo certo, não pode passar despercebida a nobreza da atitude do atleta dos Abutres, Pedro Caetano, que, tendo descoberto o rumo a seguir, voltou atrás para avisar o grupo que se tinha formado e colocar, de forma correcta, as fitas, para que mais ninguém tivesse dúvidas do caminho a seguir. Não conheço o Pedro Caetano, mas muito me apraz registar esta atitude, com a qual ele perdeu largos minutos do seu tempo de prova, mas ganhou o grande prémio que é a gratidão e reconhecimento de todos os companheiros de jornada e da própria Organização. Quando passei pelo local, não tive a mínima noção do tormento porque tinham passado os 30 primeiros. Isso só foi possível graças à percepção que o Pedro teve e ao grande companheirismo que evidenciou. Para ti, Pedro, a minha sincera admiração e agradecimento.

E tudo isto ficou registado no fabuloso vídeo do Jorge Serrazina, para quem vai um grande abraço.

Quanto à Organização, a cargo de O Mundo da Corrida, esteve ao mais alto nível, com a criação de um ambiente festivo, partida bem animada, percurso bem sinalizado, Km marcados de 5 em 5, abastecimentos de sonho servidos pelas habituais colaboradores de OMDC que já nos habituaram a grandes momentos de boa disposição, banho quente, almoço convívio, etc,etc.. Para todos os envolvidos, vão os meus Parabéns pela excelência do trabalho efectuado e o meu forte desejo de estar presente na próxima edição.

O incidente ocorrido, embora se lamente, em nada penaliza a Organização. Antes, serviu para reforçar as vontades. Bem hajam.