domingo, 9 de outubro de 2011

Os trilhos da cabritinha



Depois de ler o formidável relato da aventura do Tor des Géants, feito pelo nosso amigo Jorge Serrazina, não resisti a brincar um bocadinho. Oh Jorge, não leves a mal que te ponha a cantarolar .


Onde eu nasci a terra não tinha subidas

E eu sabia que a subir é que era belo

Por isso fui p’ra de terras desconhecidas

Que aqui a mais divertida

É a subida ao castelo.



Eu gosto é de trepar

Nos trilhos da cabritinha

Eu gosto é de trepar

nos trilhos da cabritinha

Eu gosto é de trepar

nos trilhos da cabritinha

Pena não ter destes trilhos

nas terras da Salgueirinha.



Juntei amigos que alinharam na aventura

E rumo aos Alpes, lá fomos com a tralha às costas

Preparadinhos p’ra correr prova tão dura

Com gigantes à mistura

Que é disto que a gente gosta.



Por onde andámos poucos lá tinham passado:

Pedras despidas, estreitos trilhos, muito frio,

Montanhas altas, donde o mundo é dominado

E após tê-las conquistado

Ganhámos o desafio.


Eu gosto é de trepar


Nos trilhos da cabritinha

Eu gosto é de trepar

nos trilhos da cabritinha

Eu gosto é de trepar

nos trilhos da cabritinha

Pena não ter destes trilhos

nas terras da Salgueirinha.