segunda-feira, 18 de novembro de 2013

V Treino Nocturno das Lampas

Cartaz e foto de Duarte Andrade, numa composição de Nuno Marques


GALERIA DOS VENCEDORES



I - 2009

II - 2010
III-2011
IV - 2012

V -2013


CAMPEÕES,
CAMPEÕES, 
NÓS SOMOS CAMPEÕES !



A tendência  de crescimento vai-se mantendo e esta Nocturna das Lampas, onde todos começam e acabam em 1º, onde se pode correr 21km, 13km ou 6km,  começa a ter de ser encarada com mais seriedade. Não que lhe queiramos retirar qualquer das características que a têm tornado "apetecível", mas porque temos de juntar a tudo isso segurança.
Do que se passou no dia 15 de Novembro, recebemos os mais simpáticos comentários, e estamos muito gratos pela apreciação que foi feita.
Da parte que nos toca, há questões que precisam ser afinadas, mas foi muito gratificante assistir à adesão voluntária de gente amiga, pronta a arregaçar as mangas para proporcionar a quem nos visitou, um agradável convívio. Isso dá-nos esperança. 
Foi também muito gratificante receber 200 corredores e corredoras que gostam de estar connosco a darem corpo à iniciativa que lhes é destinada.
Muito obrigado a todos.
Como diziam os Gato Fedorento : A próxima é que vai ser gira!


quinta-feira, 14 de novembro de 2013

V Treino Nocturno das Lampas



Está a chegar a hora de mais uma “Nocturna das Lampas” e sentimo-nos bastante satisfeitos com a adesão que se verificou a este evento. Como foi dito, por uma questão de maior controlo estatístico, as inscrições foram feitas através da plataforma Wevent, tendo ultrapassado as 250.
Porém, também sabemos que muitos houve que apenas disseram “vou” e ficaram convencidos que, tratando-se de um treino, isso seria suficiente. E, de facto, para que é que havemos de estar a complicar? Feita a comparação de ambas as listagens verificámos que 95 apenas disseram “vou”. É claro que iremos considerar todos, embora saibamos que alguns apenas pretendiam mostrar que estariam connosco partilhando a ideia.
Assim sendo, são mais de 300, um número que nos deixa muito felizes.
Há os que vêm para caminhar –e podem utilizar o percurso da mini-caminhada de 5 ou de 6 Km, à escolha;
Há os que vêm correr 12,5km, correspondente à 1ª parte da MMSJL e há os que virão correr os 21097m, que são a grande maioria.
Sairemos às 21h , mas antes, todos têm à disposição um chazinho e uns biscoitos, para confortar o estômago durante a “viagem”.
Haverá pelo menos 2 abastecimentos com água (em garrafas).
Como sabem, trata-se de um evento não competitivo e “espontâneo”, que reuniu um grupo grande de amigos que vão treinar.
Como não há controlo do trânsito – que se espera ser pouco – aconselha-se a que cada um de nós tenha em mente que devemos estar bem visíveis (com frontal e colete reflector) e facilitar a circulação das viaturas, correndo pela berma da estrada.
Procuraremos ter o percurso sinalizado por forma a não haver enganos e sugerimos que se agrupem aqueles que têm andamentos semelhantes.
Não adianta exibir grandes performances neste evento que visa, acima de tudo, o são convívio entre aqueles e aquelas que têm a paixão pela Corrida.
No final, quem quiser, poderá tomar banho nas instalações da Sociedade ou nos balneários do Coreto embora com água …fria, pronto!
Será feito um compasso de espera para que cheguem todos e depois, no salão da Sociedade, confraternizaremos, partilhando os “farnéis” que forem postos nas mesas para acompanharem a nossa sopinha.
No exterior dispomos de grelhadores acesos e prontos para a função.
Com a boa disposição de todos, achamos que haverá condições para desfrutarmos de uma noite bem passada. Assim o esperamos.

O nosso Grande Abraço a todos os que corresponderam ao nosso convite. 

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

E os teus pratinhos, Nazaré?!

Foto de Leonor Duarte

O fim de uma longa tradição, deixa sempre alguma mágoa. Quero referir-me ao simpático pratinho de louça com que a Organização brindava os atletas que terminavam a Meia da Nazaré. Em sua substituição, deram-nos uma medalha, um símbolo respeitável, mas que, quebrando uma continuidade de muitos anos, deixou-nos algo insatisfeitos.
Tenho-os guardados, religiosamente, junto das medalhas. E já são muitos.
Há uns anos,  brincando com um conhecido soneto do poeta brasileiro, Antônio Roberto Fernandes (que estraguei) dizia eu:


Os pratos do Vovô

Eu vou guardando, com muita alegria
Muitos pratos, lindíssimos de louça
Que ganhei como prémio pela “coça”
Que levei sempre que a “Mãe” por lá me via.

É que era a minha idade, ainda moça
Quando a “Mãe” me chamou, num belo dia
Para saber se a Meia aguentaria
Ou se eu iria fazer asneira grossa.

Corri. E desde então, pela Corrida
Faço a visita anual bem merecida
A quem lançou a ideia... ainda pirata.

Trinta anos passaram! Uma vida
Contada em tantos pratos, colorida,
E que à Corrida há-de estar sempre grata.


E já agora, gostava de referir que a carga simbólica que envolve a  Meia Maratona da Nazaré é um dos principais factores que tem contribuído para a preservar no tempo. Todos a chamam, carinhosamente, "Mãe" e associam essa condição aos pequenos objectos que lhe estão ligados. Se a Organização entende retirar importância às pequenas coisas, não me parece escolher o melhor caminho. Então, é ou não verdade que aquela broa de mel que nos adoça o boca após a prova, aquela "doce tradição" , é como que uma bênção que nos cai do céu?  E os pratinhos, Nazaré? Que lhe fizeste?

domingo, 10 de novembro de 2013

39ª Meia Maratona Internacional da Nazaré



Algures, no meio desta multidão, estarei eu, a marcar presença junto da "Mãe".
Num dia muito bonito, desenrolou-se a prova, a última das edições trinta.
Como sempre, gostei de lá estar. Fiz uma prova tranquila, pois durante a semana não fiz qualquer treino pois não me apetecia mesmo.
Acho que consegui manter um ritmo que me permitiu um resultado até melhor do que esperava : 1,45,20.
Obrigado malta da Nazaré, por continuarem empenhados, e Parabéns pela 39ª. Venha a "ternura das 40", ou melhor, a 40ª, já que a cantiga caíu em desgraça.


quarta-feira, 6 de novembro de 2013

10ª Maratona do Porto

A minha grande equipa ,ACB, sempre presente na Maratona do Porto
(foto de Sporting C. Casaínhos)

Com Ana Pereira e Aurora Cunha (Foto de.António Melro,  pai da Ana, que a acompanha sempre nas Corridas)
Adicionar legenda (Com Fernando Ferreira, José Capela e Luis Sousa Pires,
que ia fazer a  sua 100º maratona)-Foto de Leonor Duarte

Com Ana Pereira, João Hébil e Fernando Sousa (foto de António Melro)

Com Amélia e Xavier, Filipe Fidalgo, Ana Pereira, Vitor Veloso e Aurora Cunha (foto de António Merlro)

Com o Bráulio Hernandez, Ana Pereira, João Hébil e "meio" Fernando Sousa (foto de António Melro)
O nosso fotógrafo e amigo, António Melro, todo vaidoso com a filha

A Caminho da Afurada, quando o Paulo Pires já vinha de lá (a foto é dele)

A descer a Boavista com o amigo António Franco (foto do José Sousa)

Missão cumprida, com o Cláudio e o Tigre (foto do José Sousa)

Com o José Sousa e o "Comandante" Jorge Teixeira (foto da máquina do Sousa)

 Mui Nobre Sempre Leal e Invicta Cidade do Porto.  Gosto  muito desta  terra e do Douro “do vinho famoso”.  Do mar, da gente simpática e acolhedora.
E quando é dia de Maratona, então, tudo se intensifica e ganha poder sobre nós. E nós também ganhamos poder sobre a Cidade, pois gostamos que saibam que pertencemos ao número ainda reduzido de pessoas que enfrentam os 42 km.
Não vou escrever muito, pois em 10 edições, já muito disse sobre a Maratona do Porto  e estar a repetir…não vale. É que se adivinha o que não é dito perante a exuberância daquilo que se vê.  A Maratona do Porto é a MARATONA DO PORTO.  Bonita, grandiosa, afectuosa. E tem requinte. Quem lá vai não fica indiferente ao seu brilhantismo e conta aos amigos o que é que aconteceu no Porto. E quantos já perderam o medo da distância ao ouvirem relatos ou a verem as imagens? É a Festa.
E depois, até nos vêm buscar a Lisboa! E trazer! Mimados desta forma, só podemos estar muito gratos à Organização, pela forma como nos tem tratado.
A Runporto.com está de Parabéns por todo o trabalho e competência que tem tido e aplicado nesta Maratona que começou por ser sonhada e passou a ser uma Maratona de sonho.
Quanto à minha prestação, foi o que eu esperava. Quando há um mês, em Lisboa, fiz 3,52, prometi fazer no Porto menos 10 minutos. E fiz. 3,42. Sem relógio. Só sabia que os marcadores das 3,30 iam à frente e os das 3,45 iam atrás. Objectivo (que não era prioridade) cumprido.
Concluída a Prova, fiquei por ali, na zona de descompressão, um bom bocado, a desfrutar, a ver amigos e amigas que vinham chegando; a partilhar as emoções, a ver as expressões de felicidade de muitos estreantes,  expressões  que só se vêm atrás da Meta de uma Maratona. A “Meta”, que  é também uma porta de entrada no mundo fascinante e belo que acaba de ser descoberto.

Longa Vida à Maratona do Porto ( e a nós também, para que a possamos correr muitas vezes!)

terça-feira, 5 de novembro de 2013

10ª Maratona do Porto



Está tudo a postos. O locutor vai dando as últimas indicações. O director da Prova olha para todos os lados, mas só ele sabe o que está a ver, atento a tudo o que estrategicamente não pode falhar. Lá no ar, um "pássaro mecânico" sobrevoava a zona para depois nos mostrar o que via. Últimos minutos. A música, que até ali tinha sido de animação, muda. Passa a ser épica e acompanha os últimos momentos de concentração dos atletas. Vai subindo de volume e entra na alma transportando consigo toda a mística da Maratona do Porto. A emoção vai sendo cada vez mais forte. O som continua a subir e coloca-nos noutra dimensão. Subitamente pára. Ouve-se o tiro de uma uma pistola e a cidade transforma-se no palco da melhor Maratona que temos. Sonhada há 10 anos e que se transformou na realidade que é hoje. Parabéns runporto.com.