sábado, 29 de abril de 2017

Prova nº 8 - 40ª Maratona de Madrid


A foto surpresa do meu amigo Bráulio Hernandez, que encontrei por acaso, por volta do Km 19.




Era a 40ª Edição da Maratona de Madrid. Tinha de lá ir para participar nesta grande festa, apesar de uma constipação que arranjei 2 semanas antes e me impediu de correr desde então. (As desculpas do costume).
Sem estar com grandes divagações, devo dizer que, comparada com a edição de 2012, esta pareceu-me que ficou um bocadinho aquém, sem, no entanto, perder a sua grandiosidade.
A prova disputou-se debaixo de algum calor (falava-se em 26º) e nem por isso os abastecimentos foram reforçados. Chuveiros (e lembro-me bem que foi em Madrid que, pela 1ª vez vi chuveiros que “pulverizavam” a água, refrescando os atletas sem os molhar demasiado) desta vez, nem um havia. Mas a presença de um público entusiasta permanece e dá-nos um alento enorme para não nos deixarmos ir abaixo (E se eu fui, não foi por falta de apoio do público).
Fui bem até aos 32 Km (mesmo tendo feito paragens estratégicas nos abastecimentos a partir dos 20. Mas aos 30Km tomo um 2º gel que me estragou tudo. Fiquei nauseado e aquilo demorou a passar. Fui a passo algum tempo, à espera que a vontade de correr voltasse.  Recomecei, mas nunca mais foi a mesma coisa.  E como não estava numa de forçar (pois a preparação foi muito fraquinha) pus na ideia que só queria chegar sem problemas.  Assim foi.
Chego com o tempo oficial de 4;18;43 e líquido de 4;13;07. 6055º em 10 378 chegados. Mas no escalão fui 88º entre 215 (ia indo ao pódio,eheh).
Façamos agora uma retrospectiva dos meus resultados na Maratona de Madrid:
2002      -              3,26,07
2005      -              3,16,09
2006      -              3,26,50
2007      -              3,44,07
2009      -              3,31,33
2010      -              3,40,34
2011      -              3,34,47
2012      -              3,40,38

2017      -              4,13,07
Será que ainda posso pensar nas sub 4h ? Prefiro pensar mais na distância e menos no tempo gasto em percorrê-la.

domingo, 2 de abril de 2017

Prova nº 7 - 35ª Corrida dos Sinos



Mais um sino para o meu carrilhão.
Aos 12 Km

Esta é de presença obrigatória. Porque é clássica, porque é perto de casa, porque é bem organizada, porque é uma Festa da Corrida. E porque colecciono aqueles troféus que dão o nome à Prova.
Estava uma boa manhã para correr: Céu limpo, mas corria um vento a atirar para o fresquinho que, só depois de iniciada a Prova, fui deixando de sentir.
Ora, se em 2016 fui só para marcar presença, este ano, queria mais. Queria uma marca que, sem ser especial, estivesse na média das que fiz nas várias edições em que participei, ou seja, abaixo de 1,20. Isto, se o corpo não se queixasse do esforço.
Coloquei-me a cerca de 15 metros da linha de partida e esperei pelo sinal. Vamos embora !
O pessoal dos Sininhos partiu ao mesmo tempo, da faixa esquerda da estrada. Pareceu-me boa ideia, mas, às tantas, estava tudo misturado, com pessoas a andar (queriam despachar aquilo cedo) numa altura em que todos deveriam estar a correr. Mas isso, vai fazendo parte. Infelizmente.
Vou progredindo conforme posso, estimulado pelos Gaiteiros junto ao auditório Beatriz Costa e, depois de contornar o palácio, pela Banda que cantava "Oh Laurindinha, estás à janela" e, lá vamos nós para a Paz, Salgados, Sobreiro (...e quem será o pai da criança? eu sei lá, sei lá...) e Achada (ou lá perto), onde deveria fazer-se o retorno, por volta dos 9 Km. Havia que reservar algumas energias porque para cá era a subir ligeiramente.
Aguentei-me. Moderei um pouco a passada, para voltar a acelerar só nos 3 km finais.
Entro no Estádio para dar o quarto de volta à pista e terminar. O cronómetro da meta marcava 1;14,25. O meu, 1:13,52!
E como corri mais depressa que em 2015 (menos 20 minutos!), vou armar-me em "mete-nojo" e perguntar à Organização porque é que não havia tempo de chip ? É claro que estou a brincar e isso não teve importância nenhuma. Os Amigos de Atletismo de Mafra, nossos experientes vizinhos, voltam a estar de Parabéns por manterem a Corrida dos Sinos com uma invejável qualidade e uma forte participação, com 1650 atletas à chegada. O 1º a chegar foi José Gaspar, da Odimarc, com 46,53 e a 1ª Atleta Feminina foi a jovem Inês Marques, da UF Comércio e Indústria, com 57,27.  Os resultados completos podem ser vistos aqui.