sábado, 15 de junho de 2019

Marcha de S. João 2019

Marcha S.João das Lampas (Foto de Lino Paulo)



Eu vi a marcha de S. João
Como ia linda, com tão alegres marchantes
Em cada arco, um coração
Para  lembrar os namoricos como dantes

Com versos da Florinda e da Sabina
E do Félix Heleno
Guarda-roupa da Tânia e da Cristina
P’ró grande e p´ro pequeno.

Passavam a cantar
E também a sorrir
Iam beijos para o ar
Para alguém atingir.

O Carlos e o Marco
E muita dedicação
Puseram em cada arco
O seu coração.

Esperavam-nos, no Largo,  a multidão
E o S. Valentim
P´ra ver os passos com a coordenação
Da Marisa Crispim.

Marcha de S. João
Que aqui exalto
Teve  na conclusão
Os corações ao alto.

Marcha de S. João

Que aqui exalto
Teve  na conclusão
Os corações ao alto.

Desculpem qualquer coisinha. Deu-me para isto, pronto.

quarta-feira, 5 de junho de 2019

8ª Corrida do Ano - 9ª Corrida de Santo António



Tranquilos

"Concentrados" para a partida

Et voilà 

"QUE COMECEM AS FESTAS DE LISBOA! "  
Disseram lá de cima e o Povo ouviu,
E será, certamente, coisa boa,

P'ra juntar aos milhares, no Rossio.


9 Edições realizadas. Tive a sorte de poder estar em todas. É uma Corrida de 10 Km, que gosto muito de fazer e que tem uma Organização experiente, de top, que pensa em todos os pormenores e que, mais uma vez, está de Parabéns. 
Desta vez não fui a tempo de concorrer para a quadra do manjerico. Fiquei com pena, mas pronto, fica para a próxima.
Quanto à minha prova, foi um bocado desastrosa. Parti nos sub-50 e "consegui " correr rápido  até ao retorno, por volta dos 5Km. Claro que a brincadeira saiu cara e acabou-se o gás para o regresso.
Os resultados completos estão aqui.

domingo, 5 de maio de 2019

quinta-feira, 2 de maio de 2019

Há dez anos,neste blogue..

28ª Corrida Internacional do 1º de Maio

Participei, esta manhã na 28ª Corrida do 1º de Maio, em Lisboa.
É uma prova que gosto de fazer, pelo ambiente que a envolve e pelo dia primaveril em que sempre tem calhado (pelo menos as edições que contaram comigo).

Chegaram ao fim oitocentos e tal atletas, tendo eu ficado na 218ª posição, com o tempo de 1.05.01 (menos 7 ou 8 segundos de tempo real).

Os resultados completos estão em :

http://www.revistaatletismo.com/Resultados/res_1maio09_geral.txt

quarta-feira, 1 de maio de 2019

7ª Corrida do Ano – 38ª Corrida 1º de Maio –Lisboa

Aos 13Km, pela lente do Zé Gaspar









Não podia faltar a esta prova quer pelo simbolismo da data, quer pelo percurso que ela tem, quanto a mim, um dos que melhor mostra a cidade e faz lembrar a antiga Maratona de Lisboa, antes do Rock n´Roll –que já se foi embora –lhe ter pegado e transformado num percurso rectilíneo que complica a vida à rapaziada. Mas isso é outra estória.
São 15 Km excelentes. Com apenas dois dias de intervalo da Maratona de Aveiro, a ideia era mesmo passear, pelo que arranquei cá de trás e fui com calma.
O dia estava muito bom e foi agradável fazer parte do pelotão que teve mais de mil atletas à chegada.
Fiz o tempo de 1,18,03 (1.18.36) chegando na posição 465 entre 1039, e 27º do escalão, entre 73.
Resultados completos aqui.


Prova nº 6 - 1ª Maratona Cidade de Aveiro


O fantástico "coração" da Maratona
Com amigos (José Sousa, Carlos Santo e João Paulo Félix)

Após o pequeno almoço com o Rodrigo G.Silva
Com o Carlos Fonseca( prontinhos para a viagem)



Tranquilos

E no fim, fica-se com esta cara...



Maratona em Abril

Saúdo o regresso de uma Maratona em Abril, depois daquela que deixou saudades em 2004, em Lisboa, para ser substituída por outra que acabou por ser “só fumaça” que durou 3 anos e que, apesar da força do nome de Carlos Lopes, não resistiu.
Logo que esta Prova foi anunciada, já no último trimestre de 2018, se, por um lado fiquei contente pela data e pelo local, deixou-me alguma “urticária” o nome que lhe foi dado: “Maratona da Europa”! A Europa é enorme! E Aveiro tem valor intrínseco que lhe dispensaria o uso, ainda que legítimo (ou não), da grandeza do continente.  Não nos esqueçamos que, na Europa, já existem as Maratonas de Berlim, Paris, Londres (esta, curiosamente, disputou-se neste mesmo dia 28 de Abril) para enumerar  apenas 3 de referência e ninguém terá dúvidas que, qualquer delas atingiu um estatuto de “orgulho europeu”. Por outro lado, julgo que seria da esfera de acção da EA – como acontece com os campeonatos da Europa – definir qual das Maratonas que se realizam na Europa, poderia usar o seu nome e, muito provavelmente, tal título mudaria  de cidade, de ano para ano. Em suma, a pretendida projecção internacional desta Maratona, poderia ser  conseguida, nunca numa primeira edição, mas nas seguintes, projectando o nome da Cidade de Aveiro, com tudo o que tem de belo e pitoresco e sem puxar de galões que ainda não tem autoridade para exibir. Que mal teria chamar-se-lhe “1ª Maratona Cidade de Aveiro” ?
Feito este “à parte”, que a sinceridade me obriga a fazer, quero, desde já, endereçar os Parabéns a toda esta organização da GlobalSport, liderada pelo amigo Paulo Costa (que sei não levar a mal esta minha observação) pela qualidade do trabalho realizado no terreno e cuja apreciação deixarei em meia dúzia de pontos.
Local da Partida e Chegada – de excelência ! Um enorme jardim junto ao Centro dos Congressos, onde funcionou o Secretariado . Um local espaçoso e de rara beleza. A partida e chegada ao mesmo local, representam sempre uma enorme mais-valia para qualquer prova, ainda mais, de uma maratona.
Secretariado e Feira do Corredor – Do que vi, notei agilidade no levantamento do dorsal e na entrega do kit do corredor. Já a Feira pareceu-me fraquita. Também ouvi algumas críticas pelo facto de o levantamento do dorsal no dia da prova não dar direito ao kit (que nem por isso  torna o processo muito mais moroso).
Partida- Foram instaladas boxes de partida, de acordo com os tempos. Tudo muito certo. Mas também havia uma Meia Maratona e uma Prova de 10 Km. Aconteceu que – e isso é que considero novidade - na mesma box, entravam tanto os atletas da maratona, como os da meia, como os dos 10Km ! Percebo que a moldura humana que é preciso apresentar aos patrocinadores, tenha levado a esta opção, mas parece-me mais equilibrado que se façam partidas desfasadas para cada prova. É que só a partir dos 9Km é que se separaram os dos 10 Km e a partir dos 15Km é que se separaram os da Meia e ficaram apenas os da Maratona. Partidas com 5 minutos que fossem, de diferença, entre as provas, dar-lhe ia mais verdade desportiva.
Percurso – Com toda a certeza, foi o possível. A organização terá ponderado as alternativas e encontrou esta solução, com partes mais bonitas que outras, ora com empedrado, ora com asfalto, ora subindo, ora descendo (seus malandros! disseram que era um percurso plano…), mas aí, nada a apontar. Km bem marcados e bem visíveis.
Abastecimentos – Cumpriu-se o que estava definido: Abastecimento de 5 em 5 Km. Parece-me, no entanto, que principalmente na 2ª Meia, se justificaria ser de 2,5 em 2,5Km, tanto mais que a temperatura começou a subir (com o dissipar do nevoeiro) e a necessidade de hidratação aumentava.
Chegada – Muito boa, se bem que a recta da meta seja curta, mas fazer-se os últimos 500 metros naquele jardim, aplaudido por tanto público, é muito gratificante. Corta-se a meta, o speacker vai dizendo umas palavras que nos fazem sentir importantes, põe-nos a medalha ao pescoço,  recebemos ovos moles,  refrescamento com cervejinha para quem quisesse –eu quis e soube pela vida – e a sandes de porco preto (para comer mais tarde, que o estômago ainda não aceitava bem)e que me serviu de almoço antes de me pôr ao caminho de regresso.
A minha Prova – Como fiquei hospedado a cerca de 500m, depois do pequeno almoço, vou andando até ao local e, como sempre, encontro vários amigos e os meus colegas de equipa para a foto das praxe. Éramos poucos, 8 (e 2 deles iam fazer apenas a Meia).
Os objectivos eram modestos. Sem treinos não há milagres. Se a coisa der para as 4 horas já devo ficar satisfeito. Arrancámos. O pacer das 4h ficou para trás e vejo-me a acompanhar o das 3,45. Diz-me o meu colega e amigo Jorge Serra, que aquele andamento ia muito certinho. Respondi-lhe que sim, mas não podia deixar-me ir no engodo, de forma que, por volta dos 8Km deixei-me ficar um pouco mais lento. Mesmo assim, andava a rondar os 5,30/KM  e continuava a ver a cerca de 100 m a bandeirinha. Entra-se no empedrado para cá e para lá, no Centro da cidade. Sabia que tinha de estar atento aos sinais do meu organismo e era só ele o meu orientador da Corrida. Uns vão mais rápido, outros mais lentos mas a minha opção era seguir um passo confortável.
Surpreendeu-me o público! Muito público a aplaudir…na Gafanha, na Barra …
Por volta dos 29Km, vinha no viaduto da Barra, o sol começou a apertar e vejo que o calor poderia complicar as coisas. Mas aguentou-se mais ou menos.
No abastecimento dos 40km apeteceu-me parar e andar um bocado. Foi quando notei a maior quebra. Mas que raio? Faltam 2km! Vamos lá mais um bocadinho. Corre-se mais devagar, mas corre-se. Último Km.  Agora era só entrar no jardim. O público numeroso e incentivador ladeava o passadiço de cimento colocado na relva e não se cansava de nos dizer as coisas que gostamos de ouvir naquele momento. Sentimo-nos os “maiores”! Faço a última curva à direita. Mais 100m. A passadeira azul está ali à espera para nos receber e o pórtico mostra o relógio imparável. Faltam 20 segundos para as 4;00H! Vale a pena acelerar? Ou será que dá? Deixo-me ir  para não esforçar. E por 1 malvado segundo escaparam as 4 horas! Mas sabia que o tempo de chip seria menos: 3,59,32. Todos os resultados aqui.
E foi assim a minha participação na 1ª Maratona Cidade de Aveiro (como lhe quero chamar). Gostei e quero voltar à 2ª Edição, já anunciada para 26 de Abril de 2020.
…E vão 83, das quais 66 em estrada.


Mais uma vez, Parabéns à Organização. Ter 1122 atletas à chegada na primeira edição de uma Maratona é um excelente e prometedor começo. Se alguns dos reparos forem tidos em conta, na minha modesta opinião, será positivo. Se não forem -porque há aspectos a ter em conta, que certamente me escapam, não será por isso que deixarei de recomendar esta Grande Maratona.