terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

"Continuamos a correr pela Analice"





As palavras adiantam pouco. Há imagens e, sobretudo, uma partilha invulgar de um sentimento de homenagem para quem nos deixou há um ano e que continua bem viva entre nós.
Vejam neste evento do FB.

domingo, 11 de fevereiro de 2018

3ª Prova de 2018 : 2ª Montepio Meia Maratona de Cascais




Na manhã seguinte à noite gloriosa em que Portugal se consagra, pela primeira vez,  campeão europeu de Futsal, frente à fortíssima selecção de Espanha, realizou-se a 2ª Edição da Montepio Meia Maratona de Cascais, para mim, a 1ª Meia do ano. Os treinos foram as provas anteriores, mas não podia faltar a esta grande  prova, a herdeira dos 20 Km de Cascais, de riquíssimo historial. Mas era assim que estava predestinado e assim merecerá a nosso respeito e a nossa presença fiel, tanto mais que a Organização, a cargo da HMS, é um símbolo de garantia de qualidade.
Fiz uma prova tranquila e, mesmo assim, consegui fazer 1.51.36, de tempo de chip, o que, sem estar a fazer nada por isso,  representa uma melhoria de um minuto e meio em relação a 2017.
Em 2102 atletas chegados, classifiquei-me em 1069 (30º do meu escalão). Todos os resultados  no site da prova. Esta está feita. Venha a próxima.



quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Parabéns, Egas

Egas Branco
O Egas. Conheci-o num belo dia em que a malta dos blogues de corrida fez o seu 3º Encontro, na Costa da Caparica, por ocasião da 2ª Meia Maratona na Areia. Estávamos em 2010.
Embora os contactos pessoais sejam escassos, limitando-se a fugazes encontros numa ou noutra prova, graças à “Grande Rede”, conheço dele o pensamento, a sua forma de ver o Mundo,  o seu ideal de sociedade. 
You may say I´m a dreamer / But I´m not the only one.”
Ouço isto e lembro-me do Egas, com a certeza de que, se mais Egas houvesse, muito mais igualdade, justiça e respeito pelo semelhante teríamos no Mundo. Um Mundo em que, como na Maratona, todos partem como iguais e terminam como vencedores!
Amigo Egas, chegar aos 80 com a sua juventude é uma bênção. Muitos Parabéns e tudo de bom para si e para os que o rodeiam.

Um Abraço Fraterno.

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

2ª Prova de 2018: 6ª Corrida Rota da Fonte da Pipa






Eis uma prova simpática que recomendo vivamente. São 12, 3km disputados numa paisagem rural de Torres Vedras, que inclui asfalto e terra batida. A organização está a cargo da Casa do Benfica em Torres Vedras e soube bem dar conta do recado sem que se registassem quaisquer ocorrências negativas. Está, pois, de parabéns, a rapaziada de Torres Vedras a quem desejo que continue motivada a manter de pé uma Prova que já vai fazendo história.
A minha prestação, como era de prever, foi modesta, mas prazerosa, tendo feito menos um minuto que na edição anterior.
Sai-se de Torres Vedras com muito boas sensações não só pela agradável corrida, mas pela forma como ali somos recebidos. Para a próxima, lá estarei, de novo, "caído". Haja saúde.
Todos os resultados aqui.
...E vejam a excelente reportagem fotográfica do Luis Duarte Clara.

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

"Dificilmente haverá prova mais bonita" - o Slogan

Já só faltam 200m (Foto da Cristina M.Caldeira)
Foto da Organização


Esta é a frase de apresentação da clássica Corrida do Fim da Europa, que se disputa na Serra de Sintra, entre a Vila e o Cabo da Roca, “onde a terra acaba e o mar começa”.
É um dos mais bem conseguidos slogans pois concilia a modéstia, demonstrando respeito pelas outras ao admitir não ter a exclusividade do que é belo, com a grandiosidade de quem sabe estar entre os mais bonitos percursos.

Digno, verdadeiro e respeitador:

 “Dificilmente haverá prova mais bonita”.

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

1ª Prova de 2018 : 28ª Corrida Fim da Europa


Eh subida do catano !!!

O certificado oficial

Com o meu amigo "conjurado" Nuno Marques

Esta é daquelas Provas que considero imperdíveis. Tudo nela é belo porque nos mostra muito do melhor que Sintra tem.

A partida é dada no coração de Sintra, na Volta do Duche e o tempo de espera passa rápido, pois enquanto se conversa com amigos, rodeia-nos um ambiente encantador em que de um lado temos a serra a espreitar por cima dos muros de suporte e do outro um enorme vale que nos deixa a descoberto o imponente Paço Real à frente do qual passamos assim que fizermos os primeiros 300 metros da Corrida. O João Caravaca, do ginásio Splad, como vem sendo hábito, trata de pôr os atletas a fazerem o aquecimento e fá-lo de uma forma bastante entusiástica, que põe a malta a mexer.
Às 10 horas é dada a partida para o primeiro grupo. Um quarto de hora de pois, sairia o segundo, com cerca de 3000 a preencherem o asfalto, Rampa da Pena acima e depois, pela crista da Serra até à Peninha, descendo-se os últimos 6Km até ao Cabo da Roca.
Estava um bocadinho de frio, mas pouco depois de iniciada a corrida, a coisa compôs-se. O importante era ir controlando a respiração para que houvesse algum conforto na subida. Nunca olhei para o relógio, nem mesmo quando passava pelas placas dos Km. Aguentei-me sempre em passo de corrida, mesmo que em momentos (a temível subida da Peninha, aos 10 Km) esse passo de corrida progredisse tanto como o de marcha. Na descida também não me deixei entusiasmar muito, pois estava pouco confiante. Cheguei com 1,32,43 (tempo de chip) e vim a saber que os sexagenários estão a andar muito, pois chegaram 16 à minha frente!
Todos os resultados aqui.
Quanto à Organização, esteve perfeita, não tendo falhado em nada do que se comprometeu garantir, mas ainda assim, atrevo-me a fazer algumas observações, que gostaria fossem vistas unicamente com fins construtivos:
1-     Duas Partidas. Será necessário mesmo duas partidas? Se é por causa do “volume” de atletas, tudo se resolveria se se fizessem “caixas de tempos” e se, ainda assim, fosse insuficiente, seria importante impedir o estacionamento (que retira metade da largura da via) entre o Largo da Vila e o Largo do Vitor.
Além disso, parte-se do princípio que os candidatos a vencedores saem na 1ª partida, mas acontece que, se alguém que saia na segunda fizer melhor tempo que algum dos melhores três da primeira, fica arredado do pódio, como aconteceu na geral feminina.
2-     Premiação. Compreende-se que seja muito mais rápida a cerimónia protocolar com entrega dos prémios apenas aos 3 primeiros da geral M e F, mas uma vez que são considerados escalões etários, não seria justo premiá-los também?
3-     Medalha. Se há provas que justificam uma medalha, esta não pode ficar-lhes atrás. Então, quem chega ao ponto mais ocidental do continente europeu, não merecerá essa recordação, certificando o feito?

Independentemente destas 3 observações, a Organização está de Parabéns. Apesar dos pontos que referi, “dificilmente haverá Prova mais bonita”. Quem a faz, não visita, apenas, Sintra. Visita e corre em Sintra, num cenário belo e inspirador que rapidamente deixa saudade e vontade de voltar.

Quando disse que só havia 3 lugares no pódio, era mentira. Afinal o pódio era livre e só não foi lá quem não quis. E os meus amigos Runlovers convidaram-me para este registo e fazermos companhia ao Leonardo Coelho (o que está mais alto) este sim, classificado em 2º lugar da geral. Parabéns Leonardo.
Muitas fotos fantásticas do Luis Duarte Clara, aqui: (Album 1, Album 2)

segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

O balanço de 2017


Assim terminei a última das 21 Provas que fiz em 2017 que transpus para o quadro abaixo.


Como será 2018 ?
Feliz Ano Novo para todos, com a Saúde à cabeça dos desejos.