domingo, 27 de dezembro de 2015

Dez anos é muito tempo, mas...passou depressa


No princípio -Maratona de Lisboa 2005









UT Freita 2010






No Fim -Dezembro de 2015 (MM Descobrimentos)


Cumpriram-se 10 anos desde o dia em que, na Maratona de Lisboa, em Dezembro de 2005 fui convidado pelo meu amigo Jorge Serra, que conhecera recentemente,  para vestir a camisola da Açoreana Seguros, nessa Prova. Fi-lo sem hesitação e, a partir daí, passei a integrar a equipa em todas as provas em que participei. Não foram muitas mas, a uma média de 20 provas por ano, terão sido cerca de 200 as vezes que enverguei com satisfação a camisola da Açoreana e depois, Açoreana Clube Banif : ACB, uma das maiores equipas de Corrida que o pelotão nacional conheceu. Integrá-lo, foi uma honra e um motivo de grande orgulho, pois isso deu-me o enorme privilégio de ter conhecido um excelente e numeroso grupo de amigos que há-de perdurar para além de uma marca.
Por razões alheias aos que corriam em seu nome, o projecto Banif esfumou-se e com ele, a equipa de atletismo cuja camisola, durante uma década repleta de grandes momentos, vesti .
Guardarei na memória estes 10 anos como um riquíssimo período da minha vida desportiva e, mesmo sem saber ainda se este fantástico grupo se mantém ou se desmembra, quero deixar claro que, pela minha parte e enquanto puder, permaneço fiel a quem me acolheu e por quem me senti sempre tão bem tratado.
A amizade e o gosto pela corrida  estão acima da designação que a equipa possa ter, mas tenho a certeza  que será notada a falta das camisolas brancas estampadas a roxo com o emblema do centauro e “A força de acreditar”, com que salpicávamos o pelotão por esse País fora.

A todos o meu muito obrigado.

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

10 Km de Tagarro-2015

Com Nelson Mota, Francisco Pereira e Ana Pípio

Nos metros finais
Estive em Tagarro e, mais uma vez, gostei de tudo. Ver uma aldeia mobilizada para a Festa da Corrida é qualquer coisa que nos enche o ego. Tudo estava pensado ao pormenor logo desde o estacionamento. Uma entrega de dorsais expedita e um “saco de prendas” fabuloso. Um livrinho da Prova fazendo justiça a quem a tornou possível  e…simpatia. Muita simpatia por parte dos muitos colaboradores que, nos diferentes postos, cumpriam a sua função. Muita juventude, a fazer acreditar que estamos perante um evento que, já tendo um passado de respeito, tem também a garantia de continuidade no futuro.
Foram duas voltas de légua, disputadas a alta temperatura, mas com 3 abastecimentos bem colocados, o que contribuiu para amenizar a canícula.
Terminada a prova, foi a ida ao carro trocar de roupa e ir um bocadinho até ao convívio no Largo da Igreja, onde havia folclore e animação da Bandinha dos Amigos da Música, enquanto se petiscava uma sandes de porco no espeto, um copo de bom vinho e uma fatia de melão. Juntando a isto, dois dedos de conversa com amigos e assistir à alegria contagiante da Manuela Machado, Madrinha da Prova, caiu a noite e nem dei por isso.
Era tempo da entrega dos prémios e, como, por norma,  é coisa em que não estou envolvido, assisti apenas à homenagem à Manuela Machado, felicitei com toda a justiça, o Director da Prova, Rui Vieira pelo enorme sucesso alcançado e regressei a casa.
Foi com tristeza que vim a saber que as classificações não saíram, impedindo uma normal entrega dos prémios, manchando a Prova mas não manchando a Organização, o que, infelizmente nem todos entendem.
Sendo certo que compete à Organização fazer as opções que considere mais correctas, no que respeita à contratação dos serviços técnicos, também é verdade que o sucesso do evento fica dependente da eficiência do serviço contratado. A opção foi Xistarca, empresa que tem atrás de si, um currículo de uma longa experiência que vem do tempo em que era a única empresa no País a prestar serviços de classificações nas Provas de atletismo. Muitas vezes ouvi ser criticada, coisa que não alimentei, achando até que, muitas vezes as críticas não eram justas.
Mas o que aconteceu em Tagarro, já não tem razões para existir nos dias de hoje. Falou-se em problemas com baterias mas essa justificação não tranquiliza ninguém, pois é dever de quem presta um serviço, estar preparado para essa eventualidade.
Não sei em que termos foi feito o contrato, nem isso é matéria que diga respeito ao comum dos corredores, mas quando ocorrências destas penalizam duramente uma Organização perfeita, faz-nos pensar quão dependentes estão de serviços alheios aqueles que se entregam de alma e coração a um projecto (e que tudo fizeram de forma irrepreensível), mas que acabam por ficar na mão de quem não sentiu a responsabilidade de fazer bem feito o que se tinha comprometido fazer.

Não sou muito de alimentar polémicas ou de “bater no ceguinho” mas desta vez vou dar uma valente assobiadela à Xistarca por não ter dado o brilho merecido à Organização destes 10Km de Tagarro.

domingo, 9 de agosto de 2015

VII UTNLO - O "Casal em Questão"

Foto do Blogue da Isa "Um dia descobri que adoro correr"
Trai-lai-lai, felizes vão
Correndo nesta jornada
Bem dispostos, no pelotão,
Não lhes importa mais nada
Para o Casal em Questão.

Tinham prestado atenção
Que a distância anunciada
Seria um grande serão
Pois a sua duração
Não estaria limitada.

Trai-lai-lai, felizes vão
Numa tranquila passada
E saboreiam bom melão
Que em cada mesa abastada
Serviam de refeição.

Zero de preocupação
Quanto à hora da chegada!
Que apesar da lentidão
Viam mais gente atrasada,
- Sinais do “vassoura” não.

Trai-lai-lai, felizes vão.
Chegam à praia dourada
Onde estaria instalada
A mesinha do melão.
P’ra sua satisfação.

Eis que lhes cai tudo ao chão
Num momento inesperado
Quando a Organização
(Ou  Belzebu disfarçado)
Lhes diz sem contemplação:

"-Não passareis daqui, não!”
Que o tempo já está esgotado;
Se quiserdes, pois que vão
Mas a Organização
Já não vos presta cuidado”.

“-Ai não?!? Pois então que vão
P’ra um sítio determinado!
Não  é norma. È invenção!
Pois com esta decisão
Tendes o caldo entornado.”

E na determinação
De cumprir o estipulado
Vai o Casal em Questão,
Em completa solidão,
Correr mais um bom bocado.

Trai-lai-lai, danados vão
Com o dia já instalado.
Será o Castelo ou não?
Quando com a aproximação
Ficou tudo confirmado.

Eis que o Casal em Questão
Dá por finda esta jornada
Passa a “Porta da Traição”
E p’la sua própria mão
A passagem é registada.

Da grande satisfação
De tudo ter superado
Sente a mágoa, a rejeição
De uma Organização
Que o deixou abandonado.

Pode o Casal em Questão
Depois de recuperado
Conceder o tal perdão
Quando a Organização
O tiver solicitado ?

Pode! ( e agora, deixemo-nos da brincadeira das rimas). Tenho sempre dito que guardo o maior apreço, admiração e amizade pelos organizadores do UTNLO. Pôr de pé este evento não é coisa fácil. Dá um enorme trabalho. Desgasta. Tenho também a maior consideração pela Isa e pelo Vitor e admiro muito a sua postura enquanto atletas e o seu exemplo de saber estar na vida desportiva. E sei também que, muitas vezes, surgem grandes amizades que tiveram como ponto de partida situações “azedas” que foram inteligentemente resolvidas.  Daria por tão bem empregada esta hora e meia que estive de volta disto, se o “Casal em Questão” aceitasse ser convidado da Organização do VIII  UTNLO !!!
Que me dizem?  Hum…hum?









quarta-feira, 5 de agosto de 2015

VII UTNLO - 3ª Parte (Conclusão)




Para concluir os meus apontamentos sobre o VII UTNLO, falta-me falar no que teria feito de diferente,  caso  pertencesse à Organização. Mas que fique claro, desde já, que reconheço muito mais saber e competência aos experimentados elementos da Organização, do que o saber e competência com que eu me possa sentir capaz.
Sendo a data da Prova, a da Feira Medieval, seria importante ajustar o horário para que um público não interferisse com o outro. Mas faz todo o sentido que o interior da Vila esteja incluído no percurso. Arrisco até, a dizer que os atletas poderiam entrar e sair da Vila em plena prova ( com meia dúzia de km já feitos) e com menos pessoas a circular.
Para a Partida, talvez o largo da Igreja de Santa Maria (onde foi da 1ª vez) ou mesmo cá fora, junto ao Senhor da Pedra. Poderia haver algumas implicações com estrada e policiamento, mas nada de muito complicado. A chegada, lá em cima, no Jogo da Bola, parece-me bem.
Distância da Prova – Fiquei com curiosidade pelo facto de não se ter declarado, com exactidão, a distância da Prova. Estava regulamentado 55 Km, mas já se sabia que andaria pelos 58 ou 59 Km.
O sistema de marcação com reflectores é o ideal, mas numa prova tão longa, os últimos 10Km deverão ser assinalados com fitas como reforço, pois a luz do dia, retira a possibilidade de se vislumbrarem as marcas nocturnas.
Segurança – Bem sei que será difícil mobilizar alguém que se disponha a passar umas boas horas, na madrugada, junto às arribas, mas os perigos que ali espreitam, justificam alguns cuidados preventivos e que mostrem ao atleta que alguém está atento.
Tempo limite (intermédio e final) – Acho que não se justifica. Justifica-se, sim, quando numa prova, se vai entrar numa zona mais perigosa, com a visibilidade a diminuir. Ora, não é o caso, pois a zona perigosa já tinha sido passada e, a partir do abastecimento da Praia (onde se fez  barramento) havia 20Km sem qualquer perigo, num percurso plano e para os mais atrasados, o dia iria começar a clarear. Ora, se, por um lado, os atletas mais atrasados levam a que se adie a “desmontagem” da prova, por outro, fazer estes 4 km em mais de uma hora, agravará, ainda mais a situação. Ou seja, o atleta é responsável porque é lento e a organização é responsável porque tornou mais moroso o percurso e a duração da prova.
Assim, de repente, parece-me que estes seriam os pontos  que merecem alguma reflexão. Mas de uma coisa tenho a certeza: a Organização, certamente, será a primeira a desejar que todos os atletas saiam satisfeitos da Prova e também não tenho dúvidas de que fez os possíveis por isso. Pode errar. Mas quem se propõe a realizar uma prova destas merece os nossos aplausos e agradecimentos. E àqueles que se sentiram injustiçados, peço que não julguem o todo pela parte e que não deixem de vir a Óbidos por causa disso. O que esta Organização nos proporcionou é muito, muito difícil de fazer e teve sempre a humildade de nos pedir as críticas que ajudem a melhorar o seu trabalho. E sei que está atenta.

Parabéns, Serrazina, Nunes, Miranda e todos os voluntários envolvidos. É verdade que também andei chateado, perdido lá pelos descampados e pelos penhascos e disse “cobras e lagartos” do percurso escolhido. Mas já estou com saudades. Venha o VIII UTNLO.

terça-feira, 4 de agosto de 2015

VII UTNLO - 2ª parte


 

Não me canso de dizer que Óbidos tem muito de especial para mim. Já tinha por esta Vila um enorme afecto e, logo que aqui surgiu a primeira prova de atletismo de que tive conhecimento, não hesitei. Estávamos em 2009. Era uma prova de Trail, coisa que eu nunca tinha feito e, ainda por cima, à noite.  Tranquilo. Bora lá.
Estive em todas as que se seguiram, registei as experiências de cada uma das edições, mas o que interessa agora, é falar sobre este VII UTNLO. 

No texto anterior já  me referi à minha prestação. Neste, pretendo referir-me à apreciação que fiz da prova, nos parâmetros que tive oportunidade de avaliar. Mas, atenção, que tudo o que disser é de quem está por fora e que tem de reconhecer que, “quem está no convento é que sabe o que lá vai dentro”. Mesmo assim, e sabendo que a Organização não me vai levar a mal, aí vai:
Entrega dos Dorsais : Nota máxima. Decorreu lá num recanto, sossegado, com tendas de exposição de material que é familiar à modalidade. A entrega foi expedita e proporcionou o encontro com muita gente amiga. Bom ambiente.
Partidas : O Jogo da Bola, lá no alto, embora seja o local de eleição, não tem capacidade para receber em simultâneo,  os participantes nas 3 provas. Sabíamos que aquela partida era apenas simbólica, que apenas pretendia fazer desfilar o pelotão pela principal artéria da vila, até à saída do Castelo. Porém, o elevado número de turistas ali presentes, estreita ainda mais a já estreita Rua Direita. O percurso, ao ser feito a passo e não a trote como chegou a ser, perde bastante a sua espectacularidade.  Cá fora, a existência de dois pórticos, definia com clareza os locais onde cada um deveria posicionar-se. No entanto, não me pareceu estar devidamente acautelada a proibição de estacionamento nos primeiros 300m (o que se compreende dada a enorme pressão com tantos turistas presentes na Feira Medieval).
Data da Prova – A Feira Medieval, só por si, é suficiente para congestionar a Vila. Juntarmos a isto o UTNLO, TNLO e Caminhada, com mais de um milhar de participantes, torna tudo muito mais complicado. Sem dúvida que sabe bem aos acompanhantes (e aos próprios atletas) terem a possibilidade de visitar a Feira, mas será um factor a ponderar.
Distância -55Km? – Não percebo porque não foi assumida a distância real de 58 Km ! Tentando colmatar a diferença, a organização optou por colocar placas de 2 em 2 km, informando o que faltava e não o que tinha sido percorrido. Claro que os primeiros Kms foram enormes, para compensar.
Abastecimentos – Impecáveis. Nota máxima também. Nos sítios anunciados, muito bem compostos com alimentos e líquidos que apeteciam.
Marcações – Aqui, principalmente depois do último abastecimento, as coisas poderiam ter sido melhores. Bem sei, que a distracção é sempre um factor a ter em conta nos casos em que nos perdemos. Mas há que ver o seguinte: há rotas comuns e há rotas improváveis. Os avisos estavam reforçados é certo, mas depois de 50 km feitos, o discernimento não é o mesmo e também as marcações reflectoras deixam de ser visíveis com a luz do amanhecer. Enquanto à noite, mesmo com o frontal a incidir de lado nas marcas, nos chama a atenção, de dia, isso já não acontece e somos levados para fora da rota.
Segurança – Quem quer aventura, tem que ter consciência da sua forma física e já sabe que não pode contar com grandes medidas de segurança. Porém não nos podemos esquecer que foram introduzidos num circuito idealizado pela Organização, centenas de atletas. Ora, a não ser nos abastecimentos, não vi elementos da organização ao longo do percurso, principalmente nas partes mais perigosas, nomeadamente junto ao mar, onde nas dunas consolidadas e muito inclinadas, se escorregava com facilidade e o perigo de queda era grande. Sentir a presença de alguém disposto a apoiar, numa altura em que era grande a probabilidade de se estar sozinho, seria de grande importância.
Tempo limite – O barramento dos atletas com mais de 7 horas no abastecimento dos 39 Km pareceu-me uma medida, talvez, desnecessária e, até violenta. Vim a saber que houve casos em que foram impedidos de prosseguir ou então que o fizessem por sua conta e risco. Mas quem chega aos 39 e está em boas condições para prosseguir e se sente determinado a fazê-lo, não vislumbro a mais valia desta medida. Recomendação sim. Proibição não. É verdade que as pessoas têm mais que fazer e não podem estar à espera de quem for mais lento. Mas, quando foi aumentada a distância, por certo a Organização teria em mente que a Prova demoraria mais tempo a ser concluída por todos. Quanto a mim, não foi uma medida feliz.
Os últimos 4 Km – Sinceramente, também não vejo qualquer mais valia em fazer-nos subir e descer repetidamente aquelas encostas ingremes, antes da subida final para o Castelo. Mas quem sou eu para opinar face ao saber e experiência dos grandes mestres do trail que compõem a Organização!? Se trail é assim, vamos a ele assim como é.
Sei que os meus amigos do CAOB não me levam a mal estas considerações e entendem bem que as faço com o sentido construtivo de quem sente a prova como sua, pois enquanto puder contar com as pernas que o Criador me deu, farei questão de estar em Óbidos a correr. Seja de noite, seja de dia, seja fácil ou seja difícil.


E agora o que é que eu me atreveria a modificar (mesmo que me acusem de querer ensinar a missa ao vigário)? Isso fica para outro apontamento. 

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

VII UTNLO



Lá fui ao VII UTNLO, uma Prova em que o cenário medieval nos envolve à partida e à chegada e, entre uma e outra, nos entranhamos, noite fora, pelos penhascos, pelas dunas consolidadas (umas sim outras não), pelos pomares de pêra rocha (ainda não apanhadoira), pelos eucaliptais de folhagem reflectora, quais estrelas de prata num festival “luminotécnico” , pelo charco da Lagoa (e de alguns dos seus braços), pelos passadiços de madeira da praia, ora trepámos com o auxílio de cordas ora descemos com o das “nalgas” e dos cotovelos.  E a festa durou até ser dia.
Chegada a Óbidos .Encaminho-me para o local da entrega dos dorsais, onde decorria exposição de material adequado à modalidade. Ainda pensei em comprar um frontal, mas pensando bem, ponderando os preços por um lado e a qualidade do atleta por outro, o que tinha comigo haveria de dar luz suficiente para iluminar o caminho. Fica para outra altura. Muita gente conhecida, muita gente amiga, cumprimentos da praxe, conversas de circunstância e….estava na hora de comer qualquer coisa que servisse de jantar fora das horas habituais.
Equipo-me : calções,singlete sobre camisola de manga comprida, peúgas de compressão (ou meia compressão) sapatos todo-o-terreno (ou meio todo-o-terreno) e o tal frontal (ou meio…bom, já chega). E o que levar mais, que não encontrasse nos abastecimentos e que me fizesse falta? OK, um cinto com dois boiões de água e uma bolsa para pôr o telemóvel, lenços de papel e coisas que já estava mesmo a ver que não ia utilizar: uma barra energética e géis, mas lá fui carregado com aquilo, pois nunca se consegue prever com exactidão o que lá vem.
Chego ao Jogo  da Bola, local da partida simbólica. Já havia muita gente. Nem consegui encontrar o pessoal da minha equipa para a foto. Lá estava o Sabino, no mesmo sítio do ano passado  e o Fonseca (e os filhos, que estão a seguir as passadas do pai) também no mesmo sítio do ano passado e a Paula, sua esposa , que ainda captou esses momentos.
Homenagem – Após as recomendações dadas pela organização, foi prestada homenagem ao João Marinho, cujo corpo foi encontrado poucas horas antes lá nos Picos da Europa, onde desaparecera em Novembro. Ele, que adorava os desportos de aventura, tal como todos aqueles que ali estavam para correr em Óbidos. Um momento merecido e sentido pelos presentes.
Entre partidas– Olha o Rui Vieira, o homem forte de Tagarro! Lá fomos conversando. Dantes, o pelotão, embora a trote, ainda podia ir correndo ao longo da histórica Rua Direita. Isso deixou de ser possível, pois é grande o número de atletas, grande o número de turistas e estreita a rua. Esse trajecto teve que ser feito a passo, sem a espectacularidade de outros tempos. Mas já lá vamos.
Partidas – Junto à porta principal do Castelo havia dois pórticos: um correspondia à partida dos 55Km (diziam eles) e  dos 10Km, outro dos 25 Km. Olha a malta da ACB : Nuno Sabino, Pedro Burguete, Paulo Saramago e Sérgio Cajado. “Fernando, vamos para 10 horas!, queres vir connosco?” –pergunta-me o Pedro . Resposta :”-Eh pá, isso também me parece muito, tenho que me despachar mais cedo!” Mal sabia eu…
Começo – Necessariamente calmo, com prudência, pois  sabia que as dores na canela esquerda, que me tinham surgido há 3 dias, apesar do repouso e do voltaren que apliquei, poderiam acordar e obrigar-me a abandonar.  Felizmente, não me atormentou o que me tornou mais confiante. Pode ser que tenha passado.
Primeiros Kms – Ainda com os atletas muito aglomerados, chegam os primeiros obstáculos difíceis de transpor e que obrigam a uma grande acumulação, pois só passava um de cada vez e… a subir.  Aqui, aqueles que tencionavam correr em grupo, tiveram dificuldade em não se dispersar, com paragens lá mais à frente, para reagrupamento. Assim fizeram os amigos dos Run4Fun, cuja numerosa equipa alcançou excelentes resultados no final (e chegou junta).
O percurso foi “tramado”! Ainda há quem diga que esta prova é muito “corrível”, mas eu digo que é mais “trepável” . Dos 55 Km (diziam eles!) talvez 20 fossem adequados à corrida. Estou a lembrar-me do 1º Km e da parte que envolve a Lagoa, entre os dois últimos abastecimentos. As outras partes em que, eventualmente corri, ficaram “abafadas” com o “trauma” das escarpas que, se não fossem as benditas cordas, ia ser o bom e o bonito.
Os abastecimentos estiveram irrepreensíveis. Cumpriram integralmente o prometido. Líquidos onde era para ser líquidos, líquidos e sólidos onde era para ser líquidos e sólidos. E quando havia sólidos, oh-lá-lá…bolachinhas de baunilha, biscoitinhos doces e salgados, batatas fritas, peras cortadas em quartos, laranjas, tomate com sal, melão, melancia! MELANCIA!!! Ahhhh que bem sabia. Havia ainda mais coisas, mas eu só via a MELANCIA . O meu receio era empanturrar-me e ficar com o estômago às voltas (o que é muito fácil). Vá, comi também duas bolachinhas de baunilha) em cada abastecimento e caíram-me bem. Aproveitava e voltava a encher os boiões: um com água e outro com coca-cola. Eu, que no dia-a-dia tenho andado abstémio em relação à coca-cola, nestas provas fico completamente obcecado com ela. E sabe-me bem. Se faz bem, isso já não sei.  
Não fazia a menor ideia dos sítios por onde andava. Mesmo as localidades que atravessávamos, não tinham toponímia à vista (pois não lembraria ao diabo colocar placas a quem aparecesse dos fundos do descampado.)  É claro que se tivesse o mapa na ponta da língua, ou aqueles tracks xpto saberia, mas eu tenho a mania de me guiar pelas estrelas mesmo sem perceber nada de astronomia.
Noite fora fui progredindo, sem saber que tempo tinha de prova (nem perguntei  a ninguém para não me desanimar ou me iludir).
Logo após o terceiro abastecimento, ao entrar na zona costeira, encontro a Analice que lá ia, sozinha, com a sua disposição de sempre, passada  bem ritmada com o movimento dos braços e pensei que teria ali uma boa referência para cumprir o resto da prova. Ao mesmo tempo, sabia que iria entrar numa zona mais complicada do percurso em que qualquer atleta em solitário, àquelas horas da noite, não se sentiria muito à vontade. Falo por mim, obviamente. Impressionantemente, a Analice parecia estar mais à vontade que eu a ultrapassar os obstáculos que a zona de arenito nos colocava pela frente. Lá fomos, correndo quando podíamos correr, andando quando só podíamos andar. Depois de passarmos a primeira parte da dita zona de arenitos, atento às marcações, víamos que nos levavam para uma pequena praia. Só que a maré tinha enchido e a marcação indicava que deveríamos contornar a outra margem ! Com as ondas ali a bater…ná. Tratámos de arranjar outro acesso e encontrar as marcas que nos permitiam prosseguir em segurança. Mais rochas, mais saltos e soube, então , (a Analice tinha relógio) que faltava meia hora para sermos barrados (com 7h de prova) no abastecimento dos 39Km. Não nos podíamos descuidar muito. Sabíamos que seria pouca a distância, mas não sabíamos qual a dificuldade que nos esperava até lá. Tanto podíamos demorar 6 minutos a fazer um Km, como 20. Finalmente surge o longo passadiço de madeira a que se seguiria o tal abastecimento decisivo. Faltavam ainda 6 minutos para o termo da tolerância.  Outra preocupação era a do tempo limite para concluir a prova. Falava-se em 10h, mas eu não tinha essa noção. Por sorte, encontrámos ali o grande Jorge Serrazina, Director da Prova, que nos tranquilizou dizendo que não havia problema em ultrapassar as 10 horas. Abastecemos com calma e, quando retomávamos o caminho, chega o Saramago e o Cajado, da ACB,  dizendo que o Pedro tinha optado por abandonar e que tiveram que se esforçar para não ultrapassar as 7h neste local.
Agora era a parte “corrível” e coloco-me no ritmo da Analice, que sei ser um ritmo “certeiro”. Sair da praia contornando a Lagoa. Para muitos é a parte chata, por ser plana, mas para nós foi o melhor período da jornada. Disse para a  Analice que a continuar assim, bastariam 9,30h para completar a prova. Passámos por muitos que, saturados, iam a passo. Atravessámos o charco, recomeçámos em terra firme e lá atingimos o abastecimento do Miradouro. O último. Quando lá nos dizem “bom dia” com a noite ainda tão escura, temos uma sensação estranha. Abastecemos. Faltavam 8 Km, que vieram a revelar-se demolidores. Mas o problema maior que encontrámos, foi a luz do dia, que nos escondeu as marcações só visíveis quando a fraca luz dos frontais incidia neles. Quando vem a luz solar, as marcações ficaram às escuras. E nós desnorteados.  Chegámos a uma estrada asfaltada. O aviso estava lá, com a indicação para a direita. Que bem que sabia agora corrermos pelo alcatrão. Do lado esquerdo uma encosta escarpada, à direita, uma vinha, só podia ser em frente. Marcas não se viam, por mais que abanássemos a cabeça, na esperança de que uma réstia de luz do frontal descobrisse uma marca. Nada.  Mas se era para a direita, tinha que ser por ali. Connosco vinha um colega, João Almeida,  que tinha confiado no meu “instinto” de guia. A estrada bifurca-se e marcas…nada! Vai de telefonar. Tinha o número do Eduardo Santos, do Mundo da Corrida e ele pôs-me em contacto com o Jorge Serrazina:  “Eh pá…era lá atrás, ao pé de um pinheiro grande; era só atravessar a estrada” –diz-me ele. Voltámos para trás e lá estava a marca. Por alguma razão nem sequer tinha olhado para lá. É que nos encaminhava para um “paredão” enorme, coberto de vegetação, uma das mais improváveis rotas que nos poderiam dar a seguir. Com cordas lá pelo meio! Trepámos. À nossa frente já iam atletas que há 2 km atrás, estavam a 2 ou 3 km atrasados em relação a nós. Marca indicando que faltavam 4Km, quando o sino da igreja dava as 7 badaladas. Segue-se uma sequência de zigues a subir e zagues a descer e, dali a pouco, lá estávamos fora do traçado novamente. Irra. E as mesmas 3 alminhas perdidas mais uma vez. Encontro uma marca, mas não vejo jeitos de ali ter passado alguém. Pudera, era uma marca de 2014. Telefone de novo. Desta vez foi para o Orlando Duarte, que me tinha ligado pouco antes de nos perdermos. Lá retomámos o rumo certo e reparo que vinha um elemento vestido de amarelo. Era da Organização. Vim a saber que, afinal era o atleta-vassoura, eheheh. Aparece o Serrazina, pronto para ajudar, mas já tudo estava sob controlo. Agora era abordar o Castelo            e  subir aquela escadaria. Depois, entrar na “porta da traição” ao lado da lendária Analice e entrar no castelo encantado, ao cabo de 10,45h de prova, num momento que o Orlando Duarte captou com mestria e que é um dos melhores troféus que já recebi.

Por agora, fico-me por aqui. Mas também quero dar uns “palpites” sobre este fantástico VII UTNLO.

segunda-feira, 20 de julho de 2015

UMA 2015

Com amigos, antes da partida (foto André Noronha)
Na partida (foto Duarte Andrade)

Aos 32Km (foto Nelson Mota)



A chegada (fotos Correr Lisboa)


O que é que esta UMA tem?
Tem …muita areia para percorrer, muito sol a dar nas costas, muita areia para correr, muito sol a dar nas costas…
Mas tem o fascínio que não há noutras provas!  
                                         
Fui de carro para Melides, de boleia com o meu amigo João Casquilho e com o meu filho Duarte. Chegámos pouco depois das 8. Rapidamente e ainda no parque de estacionamento, equipei-me, pus o protector em abundância, o cinto com dois boiões de água e uma bolsa para colocar umas coisitas para a viagem. Chapéu na cabeça e lá vou, passadiço abaixo, para levantar o dorsal. Ao lado da lista dos inscritos, e para assinalar que estávamos presentes, colocámos um tripé com o cartaz da 39ª Meia Maratona de S. João das Lampas.
A primeira surpresa que tive foi saber da redução, para mais de metade, do número de inscritos na edição de 2014 em que, dadas as condições do piso, desistiram muitos atletas ( e , talvez, tenham ficado desmotivados).  Outra das razões prende-se, certamente, com a sobreposição de outras provas ultra, como é o caso das Caldas e de Sintra. Outra ainda é a realização de uma prova curta nos 15Km finais do percurso da UMA. Penso que o desejo da quantidade de atletas não deve ser conseguido à conta da redução de atletas na prova principal. Se a própria organização diz ao atleta : -“veja lá, se não está disposto a fazer a prova grande, propomos-lhe outra mais suave, menos esforçada…” , está a retirar o próprio sustento à UMA e a toda a mística que lhe está associada. Mas adiante.
Umas fotos com amigos, cumprimentos aos muitos que encontrei , ouvimos, atentos, uma breve apresentação da prova e estava a ficar na hora de nos encaminharmos para a partida, que foi dada às 9 em ponto.
 O Sol já escaldava, em Melides e a coisa prometia a quem se tivesse esquecido de dar uso ao protector solar, principalmente nas zonas do corpo expostas à retaguarda  e à direita, por onde o “impiedoso” iria atacar-nos.
Toca a sirene e lá vamos, “amassando” aquela areia que se afundava a cada passada. Aqui, tenho de reconhecer que a experiência tida das edições anteriores contou bastante. Seriam, talvez uns 10Km naquelas condições e seria suicida tentar lutar contra a areia mole. E, embora visse alguns a escolherem o piso plano, de areia seca , fui decidido para junto da água, onde, apesar de tudo, era onde a areia estava menos má. Procurava pisar as pegadas dos atletas precedentes, onde a areia já estava calcada e afundaria menos. Mas isto era incerto e, ainda antes dos 5 Km, começava a sentir dores nos quadris e pensei que o melhor seria pôr-me a passo um bocadinho, antes que aquilo me causasse mal estar e impaciência. Se fizesse isto há uns anos, nunca interpretaria essa opção como estratégica, mas como um sinal claro de incapacidade de atingir o objectivo. Volto a corricar: passos curtos,  o menos esforçados possível, convicto de que tudo seria uma questão de paciência e saber esperar pela melhoria do piso, onde poderia aplicar as energias poupadas naquele calvário inicial.
Como não levava mp3, mp4 ou qualquer coisa com música, ia eu mesmo a cantarolar cá para dentro, muito ao género daqueles dias em que nos levantamos com uma cantiga na cabeça e ela nunca mais nos larga, mesmo que procuremos “mudar a agulha”. Pois bem, a música que me calhou na rifa foi aquela do Miguel Araújo “Toda a gente sabe que os homens são feios…”. Até mais de meio da Prova, o meu universo musical, ficou-se por aqui. Não vou prometer que não voltarei a ouvir a cantiga, mas por uns tempos fiquei tratado.
Passam por mim a Marta Andrade e o Daniel, cada um com o seu pequeno moinho a girar, numa alegoria perfeita de que,  afinal todos nos sentíamos a lutar contra moinhos de vento.
Conforme previa, o piso começa a melhorar, mas seria ainda muito cedo para me sentir seguro a correr. Vamos com calma e caminhar mais um bocadinho. A água que levava, parecia caldo, para além de ganhar o desagradável sabor do plástico, mas era a que tinha. Tomo um gel e bebo uns goles, pois devia estar na hora do almoço. (Claro que não sabia quanto tempo de prova levava-pois não levo relógio- nem quis perguntar). Dou duas ou três trincas numa sandes de presunto, mas achei melhor ficar por aí, antes que o estômago começasse às voltas. Estendo os olhos para o longe e avista-se o desenho do areal que contorna o mar, descrevendo uma curva para a esquerda, na direcção da Serra da Arrábida. Notava o areal sim, mas nele apenas via os atletas que iam à minha frente. Nada mais quebrava a continuidade daquela linha branco amarelado. E pensei : “mas ali deveria ser a Praia do Carvalhal, aos 28!?” Vou-me aproximando e vejo então umas “formigas” lá, nessa tal curva! E o que foi preciso correr para que essas “formigas” pudessem ser identificadas como pessoas! “-Daqui a 20 minutos devo lá estar”!  Não sei quanto tempo terei demorado, mas terá sido 3 ou 4 vezes o palpite que dei!
Controlo dos 28Km (Carvalhal) : somos obrigados  a sair da linha da água e subir ao tapete do controlo electrónico e receber, então, as duas únicas garrafas de 0,5 litros que a Organização fornecia. Sentado, como que na esplanada, lá estava o Tigre, descontraidamente, a recuperar as energias. O Heitor Gomes chegou também logo atrás de mim e prosseguiu. Com a água fresquinha, enchi os boiões e deixei as embalagens no saco do lixo ( desagrada muito continuarmos a ver embalagens de gel jogadas pelo areal!) . Tinha os pés cheios de areia e achei melhor ir à água para a tirar. A água até estava límpida, mas desta vez, não me puxou para o mergulho. Andei ali a fazer equilíbrio, ao pé-cochinho, tentando calçar as peúgas de novo, mas sem sucesso, até que o Tigre sugere que me sentasse na água e me calçasse à vontade e sempre refrescava. Assim fiz ( é bom haver alguém que pense, eheh) e fomos, depois, os dois, na palheta, a passo. Um pouco à frente, e vendo que vínhamos a andar, o João Casquilho e o Duarte, que estavam à espera que passasse, resolveram brincar, desenhando na areia, um corredor especial para a “caminhada” eheh. Meio “envergonhados” pusemo-nos a correr. Lá vem a Marta, novamente, com o seu moinho em punho, triste por ter deixado o Daniel  mais para trás, e que não se sentia bem. O Tigre, que estava com mais pujança que eu, foi com ela e cedo desapareceram de vista.  Pouco depois, passa também o Daniel que, afinal, me parecia ir bem.
“-Bom…vou andar mais um bocadinho, que o que eu disse é que vinha FAZER a UMA e não que a ia CORRER! “– disse cá para comigo. Mas procurei usar uma marcha ritmada, para não me deixar cair num relaxe exagerado.  Olha a Carla Lemos da Silva! Corremos juntos um bocadinho e voltámos a caminhar. Passa a dupla Paulo Mota e Jorge Pereira, que nos lança o desafio:  “-toca a correr, agora a andar!! Todo roto ando eu e vou a correr” -dizia o Jorge. Bem, lá teria que ser. Acompanhámo-los 100 ou 200 metros e…foi a vez deles porem-se a passo, enquanto que nós fomos correndo até onde desse. Parecia-me que a Carla ia melhor que eu, pois impunha uma passada mais forte e lá nos fomos aproximando da última curva, após a qual deveríamos avistar o pórtico. Lá estava ele, o gajo: era amarelo, mas pequeniiiiino.  Sem que eu me tivesse apercebido, a Carla baixou o andamento e eu já só me preocupava em ver o tamanho do pórtico “aumentar”: olhava para o chão, procurava distrair-me um bocadinho, levantava a cabeça e o raio do pórtico estava na mesma. E foi assim até lá chegar. Os últimos 50 metros de areia seca e ...lá está o arco da glória, com um cronómetro na base a indicar 6h10m. Uns aplausos sempre saborosos, de quem nos aguardava e feliz por me sentir em boas condições (nem náuseas tive, como tantas vezes me acontece). Medalha ao pescoço, um saco da Câmara de Grândola, uma cola fresquinha e a gostosa melancia.
O caricato vem a seguir: Então não é que vejo o José Gaspar, que conheço das suas vitórias no Trilho e na Meia das Lampas, vou cumprimentá-lo e ele, amavelmente perguntou-me como é que tinha corrido a prova. Contei-lhe e ele diz-me que o importante, de facto, é chegar em boas condições. Deu-me os parabéns por isso e que eu, obviamente, agradeci.
Caíu-me tudo ao chão, foi quando vim a saber que ele tinha ganhado a Prova, com 2,58 (ainda eu vinha lá para o Pinheiro da Cruz, talvez)! Quer-se dizer: ele deu-me os parabéns por eu ter feito 6,10 e eu…fiquei caladinho pelas brilhantes 2h58 que ele fez. Desculpa lá Zé Gaspar, mas os merecidíssimos parabéns, só tos posso dar agora.  Mas acho que me fica mal a cara-de-pau de fanfarrão, a receber parabéns do grande vencedor  e não ter, ao menos retribuído. Figuras tristes de quem se sente ” insuflado” e se esquece que há quem seja grande, MESMO.

E vão ONZE. 

segunda-feira, 2 de março de 2015

Um brinde a Sicó


Tchim-tchim - Um brinde ao sucesso



Se é justo um elogio a quem correu
Por terras de Sicó, uma tal extensão,
Justo será um louvor a quem lhes deu
Apoio e segurança nesta acção.
E quem acompanhou se apercebeu
Do árduo empenho desta Organização
Que com tal desafio vê garantida

A qualidade de O Mundo da Corrida.

domingo, 1 de março de 2015

Titãs no Sicó

3 admiráveis amigos (dois titãs e um ajudante) Jorge Serrazina,Paulo Pires e Orlando Duarte

O serrote


Qual gente!? Eram titãs, lá no Sicó,
Naqueles belos montes de calcário,
Que apelaram às forças, sem ter dó
Naquele 111 imaginário.
Tantas horas seguidas sem "ó-ó",
Só  sendo semi-deus ou temerário
Que a Corrida assim, sem ironia,

Já é domínio da Mitologia.

sábado, 28 de fevereiro de 2015

3º Trilho das Lampas


A 70 dias do evento estão praticamente esgotadas as 700 inscrições previstas, terminando hoje, à meia noite, o período mais económico. Lá para a Páscoa, iremos fazer um reconhecimento oficial. Estejam atentos que em breve sairá informação sobre o assunto. Deixo-vos com algumas imagens, mas as que  mais se salientam, são aquelas que se obtêm do contacto com a realidade, ouvindo os sons, sentindo o vento, sentindo os cheiros. 9 de Maio, 19,30, para que a maioria dos atletas possa assistir ao por-do-sol nos 3 Km de orla marítima. Isto, se o céu estiver limpo, bem entendido.







ACB - A minha equipa das corridas


27.Fev.2015


Nos 20Km de Cascais 2015


Mais uma vez, o Café Império, na esquina da Alameda com a Almirante Reis, em Lisboa, foi palco da Gala da Época, da Açoreana Clube Banif, o grande grupo de amigos que corre e marca presença assídua nas provas (de atletismo, de trail e de triatlo)  e a que, cada vez mais, me orgulho de pertencer.
Esta gala é, no fundo, um agradável convívio e um momento de justa homenagem aos que mais se destacaram ao longo do ano, quer pelo número de provas em que participaram, quer pelo número de quilómetros que percorreram, quer pelos resultados que obtiveram, pelas funções que desempenharam. Mas, acima de tudo, foi um momento de comunhão em que foi claramente dito que, mais do que a busca de resultados, importava à ACB promover a prática saudável da Corrida, marcando uma presença alegre nos eventos e cimentando amizades.
E não ficou esquecida uma palavra de reconhecimento para aqueles que representaram com determinação a ACB  no passado, alguns com responsabilidade na fundação da equipa e que, após um “Verão quente” que, pessoalmente, muito lamento, deixaram de vestir as suas cores.
Sem perceber nada do mundo empresarial nem de finanças, tenho uma enorme admiração pela Companhia de Seguros Açoreana e pelo Banif, nem que seja pelo facto de terem tido a sensibilidade para perceber que, sem que se seja atleta de topo, no meio do pelotão também se podem fazer notar “pequenas peças” carregadas de valores humanos e com um intenso espírito de equipa.


quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

7 Anos



Sete.
Gosto deste número (mas se não gostasse, ele teria a mesma importância que tem na contagem das coisas).
Hoje, o sete representa o número de anos de vida que o Cidadão de Corrida acaba de completar.
Foi um ano fraquito este último (talvez o mais fraco de sempre) na publicação de textos. Falta de assuntos, falta de vontade de escrever, dispersão por outras áreas da net…a verdade é que a pasmaceira se instalou no Cidadão, afinal, a mesma moléstia de que me queixei exactamente há um ano.
O “livro das caras” tem sido maroto. Absorve-me a atenção, gasta-me o tempo, esvazia-me o blogue.
Cidadão de Corrida. Um nome que, mesmo sem querer, veio a revelar-se pretensioso já que, para mim, o exercício da cidadania resultou em qualquer coisa de diferente daquilo que eu imaginava e deixou-me algum “amargo de boca”.
Já em relação à Corrida, vai-se girando enquanto a saúde e os deveres o permitem. Muito menos provas do que as que gostaria de fazer. Como corredor da treta, continuo integrado naquele grande grupo de amigos que representa a Açoreana Clube Banif e onde me sinto tão bem; como organizador da MMSL e do TL, continuo empenhado em não decepcionar os meus colegas da organização, as entidades que nos apoiam e, sobretudo, os atletas que confiam no trabalho que temos feito; como “blogger” sinto-me em falta. Mesmo muito em falta!
Não sei é se adianta prometer que daqui para a frente vai ser melhor.
Por último, quero deixar um agradecimento muito sincero a todos quantos vêm visitar este espaço onde, só de longe em longe aparece um ou outro apontamento.
Sete anos já passaram. Muito obrigado a todos quantos, com a sua visita, me ajudaram a manter vivo o Cidadão de Corrida. Bem hajam.

domingo, 25 de janeiro de 2015

Corrida do Fim da Europa 2015

Aguentei mais uma
Com o Tiago, Carlex e Tigre, minutos antes da partida


Mais uma vez. não podia deixar de estar presente na Corrida do Fim da Europa. Uma Prova imperdível, quer quando as condições climatéricas não ajudam (porque lhe intensificam a mística) quer quando o ar está calmo e o céu límpido (porque lhe desvendam os cenários do "Eden Terrestre" a cujos encantos o grande Byron se rendeu e não se cansou de pintar).
Quase 3000 inscritos correram 17 Km subindo a serra, percorrendo a sua "crista" e descendo até já não terem mais terra para pisar, no Cabo da Roca. 
Nas edições anteriores, já tive oportunidade de me referir a esta Prova, com um carinho muito especial e fico imensamente feliz quando vejo a edilidade sintrense a tomar nota do seu imenso potencial turístico-desportivo. E deixo também uma nota de desagrado pelo facto de, em 2012, o então Presidente Fernando Seara, ter achado  que um evento que se realizava há mais de 20 anos (sendo que nos últimos, se apresentara ao mais alto nível), que não faria qualquer diferença que não se realizasse! Mas como a entidade organizadora é apenas uma parte da Corrida, a outra parte -os corredores- entenderam que também tinham uma palavra a dizer e, num acto de auto-gestão, mobilizaram-se e fizeram-na. Não "contou para o totobola" mas serviu para demonstrar alguma coisa.
2015 - 25ª Edição.No meu ponto de vista, a Prova esteve irrepreensível e, por isso, felicito, com a devida vénia, toda a Organização e o grande número de voluntários envolvido. E diga-se que, é uma Prova com uma logística muito complicada, em que é fácil falhar alguma coisa, o que não foi o caso.Houve grande competência. Tudo esteve perfeito. Parabéns. 

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

O primeiro do ano

Cá está um “selfie” marado,
Próprio de quem não se ajeita,
Pois tinha de ter rodado
Mais 30º p’rà direita.

E as “My leggs”, mostruário
De tanta perna bonita
Têm como adversário
Este pèzinho catita.

Na tarde de ontem, 4 de Janeiro, resolvi aproveitar os raios de sol para ir fazer o meu primeiro treino do ano. Devagarinho, lá fui eu, por caminhos velhos até à Praia da Samarra. E é sempre com um enorme prazer que, mesmo  em solitário,  contemplo o pôr-do-sol  naquele local. Depois de uma pausa, o regresso. Do lado oposto, a  Lua erguia-se e chego a casa, uma hora e meia depois, já noite cerrada. Soube bem.



quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Balanço de 2014

A Família ACB, que represento, com orgulho, apesar de ser modesto o meu contributo.
Concluído 2014, fui ao caderninho  para fazer um balanço e partilhá-lo convosco que, muito naturalmente, se estarão borrifando para o facto de eu ter feito mais ou menos quilómetros, mais ou menos provas  que em 2013. Mas,  como o faço mais para consumo próprio do que pelo interesse que esta “estatística” vos desperta, aqui vai:
        
      Janeiro-      Grande Prémio Fim da Europa -17Km                          -1,31,48:
Fevereiro - Maratona de Sevilha -42 Km                                         -3,41,40;
Março -      20 Km de Cascais (que foram 21)                                 -1,42,04;
Março-        Meia Maratona de Lisboa (21 Km)                              -1,44,14:
Abril-          Corrida dos Sinos –Mafra (15Km)                               -1,13,10;
Maio-          Corrida do 1º de Maio (15Km)                                     -1,21,00;
Junho-         Meia Maratona na Areia (21Km)                                 -2,02,00;
Junho-         Corrida Santo António Lx (10Km)                                  -47,13;
Junho-         Eco Maratona-Lisboa (42Km)                                      -4,52,00;
Junho-         Corrida das Fogueiras-Peniche (15Km)                       -1,11,15;
Julho-          UMA –Melides Tróia (43Km)                                      -7,55,00;
Agosto-       UTNLO –Óbidos (50Km)                                             -8.04,30;
Setembro-   10Km de Tagarro (10Km)                                                -48,50;
Outubro-     Maratona de Lisboa (42Km)                                          -4,04,29;
Novembro-  Maratona do Porto (42Km)                                           -4,05,55;
Novembro-  Corrida do Cent.Aviação Militar  (10Km)                       -50,08;
Dezembro-   S.Silvestre de Lisboa (10Km)                                          -48,58;
Dezembro-   S.Silvestre dos Olivais (8,9Km)                                       -41,38;


Em resumo: 4 Maratonas (sendo uma de Trilho); 2 Ultras;2 Meias Maratonas (sendo uma na areia); 1 de 20Km que foram 21); 1 de 17Km; 3 de 15Km; 4 de 10Km; 1 de 8,9Km.  Tudo somado dá 434Km em 18 provas.
Saliento que fiz 2 estreias (Eco Maratona e Aviação Militar) mas faltei às Meias da Nazaré e dos Descobrimentos, que estavam programadas.

Mas fico contente pelo facto de não ter havido um mês sem que tenha feito, pelo menos, uma corridinha. E isso já foi muito bom. Vamos agora atacar 2015 na esperança de que não seja pior.

Feliz Ano Novo para quem vai acompanhando as minhas passadas.