quarta-feira, 11 de abril de 2018

Pelo Trilho das Lampas




Encavalitados em paredes de pedra solta e salpicando a paisagem campestre por onde passa o Trilho das Lampas, abundam estes tanques feitos por cinco lajes de pedra quadradas, unidas por “gatos” de arame e massa de cimento. À sua volta, onde antes floresciam vinhas bem cuidadas há, agora, matagal de certa forma, desolador.
Nestes tanques era feita a calda bordalesa (água, sulfato de cobre e cal) que, com a ajuda de canecos, enchiam os pulverizadores manuais transportados às costas e aplicada nas cepas para prevenir as “moléstias” da uva.
De duas em duas semanas, desde que se vislumbrava o cacho até que começava a pintar o bago, era operação que se repetia, num afã competitivo em que se exibia um certo orgulho nos bons resultados e, ao invés, crueldade na chacota de quem não cuidasse bem da vinha. Competia-se nos campos e confraternizava-se nas adegas.
À paisagem que hoje vemos - que não deixa de ser bela pela vegetação autóctone que apresenta - falta-lhe os sinais desses tempos não muito distantes, em que os campos eram “habitados” e produziam aquilo que hoje se obtém de modo muito mais simples, mas menos genuíno, nas prateleiras dos supermercados.
Que sejam as centenas de atletas que por ali correrão, a humanizar esses campos que o progresso desertificou e que, aqui ou acolá, vejam nestes velhos tanques, testemunhos de respeito por aqueles que lhes deram uso.

Sem comentários: