sexta-feira, 19 de setembro de 2014

38ªMMSJL - Reflexões







Fotos que falam por si (de Miguel Baptista , AMMA, Leonor Duarte, e Domingos Fernandes)



Agora, mais calmamente, gostaria de deixar algumas respostas a comentários sobre a 38ª Meia Maratona de S. João das Lampas. Felizmente, na sua generalidade, foram comentários bons ou muito bons, que nos ajudam a prosseguir com a nossa entrega a esta Meia quase quarentona. Houve também comentários com alguma crítica construtiva, que também agradecemos e é, particularmente a esses que pretendo dirigir-me neste apontamento.

1-               T-shirt dada no início ou no fim da Prova ? Tem sido uma questão bastante debatida. Por tradição, temo-la dado no final, constituindo o prémio de “finisher”. Tem, no entanto, vários inconvenientes, que se repetem, ano após ano e que, por mais que expliquemos essas razões, há sempre quem não se convença e, mesmo sem finalizar a prova, faça questão de a receber, porque pagaram a inscrição e a ela têm direito. Não pensamos assim. Achamos que pagar a inscrição é pagar um direito a participar na Prova. Não é a mesma coisa que ir às compras. Por outro lado, era a t-shirt o único prémio que tínhamos para dar aos atletas. Então que fosse no final. Desta vez tínhamos medalhas. Logo, entendemos que poderíamos dar as t-shirts juntamente com os dorsais, ficando as medalhas para os que finalizassem a prova.
2-               Anarquia na entrega dos prémios – Esta achamos forte. Sabemos que não foi perfeita, mas dizerem-nos que “não deveríamos ceder a pressões para sermos rápidos na cerimónia, devendo esperar pelo último a chegar à meta, para não haver escalões “partidos”, não é uma afirmação bem pensada. E passo a explicar porquê. A cerimónia, salvo algum atraso involuntário, inicia-se por norma, às 19,30H, ou seja, 2,30 após o tiro da partida que é também o tempo limite para a chegada do último atleta. Não foi por pressão de ninguém, pois estava definido. Acontece que não notámos que, na listagem inicial dos atletas do pódio, não reparámos que o escalão F-50 não estava ainda completa e, por distracção, foram chamadas ao pódio as que constavam. Lamentamos, obviamente, mas logo que alertados, procedemos à correcção do erro e voltámos a chamar todas as atletas, embora só tenham comparecido algumas.
3-               Não afixação dos resultados. Esta sim, entendemo-la como a mais pertinente das críticas e que está directamente relacionada com a anterior. Foi uma falha que seria muito fácil evitar e, humildemente, temos que carregar com a culpa de o não termos feito. Por vezes a hierarquização dos problemas, faz com que se descure alguns dos mais simples.
4-               Morosidade na cerimónia de entrega dos prémios – Também aceitamos esta crítica e entendemos que poderemos encurtá-la substancialmente. Basta que em vez de premiarmos 5, passemos a premiar apenas 3 de cada escalão.

Para a esmagadora maioria, trata-se de pormenores que pouco ou nada contam para a avaliação geral do evento. E mesmo para os que tiveram a frontalidade de os apontar, acreditamos que o fizeram com a melhor das intenções. Poderíamos “ouvir e calar” ou ignorar, mas como sempre temos dito, para que haja empatia entre ambas as partes, se ouvirmos, temos mais probabilidades de sermos ouvidos. A todos estamos muito gratos por terem escolhido participar na 38ªMMSJL e a todos queremos deixar a promessa que faremos o nosso melhor para que na 39ª possamos voltar a contar convosco.


4 comentários:

Anónimo disse...

Caro Fernando,

A oferta da camisola nunca foi determinante para ir correr a lado nenhum. Aliás, se assim não fosse não tinha participado nos 2º Trilhos das Lampas… Por isso, tanto faz que me entreguem no início como no fim como prémio de Finalizador…
Todavia, posso dizer que já me aconteceu desistir numa prova, na Meia da Nazaré, no fim da volta inicial, e alguém da organização viu-me sair para o passeio, veio ter comigo e disse-me para passar no funil e levantar o saco…

Assisti a toda a cerimónia protocolar da entrega dos prémios e não achei que houvesse anarquia, nem sequer pressões de qualquer ordem que não fossem a normal pressão que qualquer organizador sente por não querer ser maçudo…
Contudo, confesso que a fluidez e sequência da entrega, do meu ponto de vista, não foi a melhor… e não são menos dois prémios que vão tornar a cerimónia mais célere…
Neste caso, também do meu ponto de vista, o melhor método é fazer a primeira chamada dos cinco premiados e de imediato fazer uma chamada de atenção aos cinco seguintes, de modo a que eles se desloquem para junto das escadas de acesso e que, ao saírem uns entrem outros e assim sucessivamente…

Também andei à procura se havia resultados afixados algures, mas foi em vão… curiosamente nem era por mim, mas há sempre um ou outro amigo(a) que gostamos de saber como lhe correu a prova…. E com a tecnologia actual…

Mas não são estes três ou quatro casos que retiram o brilho das cinco estrelas que esta prova ostenta muito justamente!

Um forte Abraço!

Orlando Duarte

JoaoLima disse...

Caro Fernando, para mim estes 4 pontos são zero.
Então se compararmos com TUDO de bom que houve...

Força para uma 39ª ainda melhor! (a fasquia está cada vez mais alta...)

Um grande abraço

Jorge Branco disse...

Não gosto de ler nada do que se escreve sobre esta prova quando não pude alinhar na mesma porque sinto uma tristeza imensa em não ter participado.
Praticamente já quase não faço prova mas sempre que o esqueleto der (e cada vez dá menos) e a logística mo permitir estarei nas Lampas!

Corro, logo Existo disse...

Caro Fernando,

há já algum tempo que teria ter aqui escrito a minha opinião sobre a Meia de S. João das Lampas.

Infelizmente não pude fazer a distância da Meia, como há muito tinha planeado, mas não quis faltar e fui fazer a Mini.

É uma prova dura, mas é esse mesmo o seu encanto, e a sua organização foi do melhor que vi até agora, pois o lucro não é o principal objetivo (como noutras) e sabem mimar os atletas como ninguém o faz.

As grandes empresas de eventos teriam muito a aprender aqui. Foi uma prova fabulosa e faço tenção de voltar para o ano, desta vez para a Meia.

O pormenor da rosa para as atletas femininas é delicioso, e elas bem o merecem.

Já quanto ao kit entregue no final da prova, e tendo eu feito a Mini, nem imagina como soube bem aqueles bolos/biscoitos tradicionais, bem melhores que gelados da Olá.

Quanto ao facto dos atletas da Mini não terem tido direito a melância e a Medalha, isso não interessa nada, pois quem os mereceu foram os HERÓIS que terminaram a meia, pois bem o mereceram.

Os meus PARABÉNS e muitas provas fossem como a Meia de S.João das Lampas.

Abraço,

Fernando Varela