segunda-feira, 27 de abril de 2009

32ª Maratona de Madrid

O dia amanheceu cinzentão ! Estava encoberto, com períodos de chuvisco e um frio que não vinha nada a calhar. As previsões assim o diziam, mas eu, preferi acreditar naqueles dias primaveris das vésperas e... senti-me enganado pelo meu sentido de adivinhação com base nas aparências. É para ver se aprendo. Na maratona também as coisas acontecem assim.

Com um polo mais “descartável” sobre o meu equipamento (Açoreana Clube Banif) e em passo de aquecimento, eu e o meu amigo Faísca fomos para a zona de partida, onde chegámos cerca das 8,30. Fomo-nos chegando o mais possível para a linha de partida, até que, a compactação progressiva dos corredores, nos retirou a mobilidade por alguns minutos.

Sinto um “toque” nas minhas costas e ouvi uma voz conhecida que dizia : "marcação cerrada! " Era o nosso amigo Nuno Kabeça (acompanhado do Carlos Ferreira) que só um milagre (se calhar do Nuno Álvares Pereira, que ia ser canonizado neste dia,eheheh –“...O Nuno fero que fez ao rei e ao reino um tal serviço...) naquele mar de gente, e sem nada combinado, permitiu que saíssemos juntos.

Desta vez, e dadas as condições atmosféricas, não houve paraquedistas a saltar.

O speacker deseja boa prova a todos, ouviu-se um tiro e em marcha, pelo Passeo de la Castelhana acima, iniciava-se a 32ª Maratona Popular de Madrid, com perto de 10000 corredores (acho eu).

Cerca de um minuto e meio, foi o tempo que demorámos a iniciar a contagem no arco da “Salida”.

Cada um fica, então, entregue a si mesmo, correndo conforme o espaço que tem à sua frente, avaliando a reacção respiratória e a vontade de progressão “sustentada”. Nessa altura, andávamos ainda à procura do andamento. A chuva ia engrossando e as mãos e braços iam gelando. A partir dos 5km já ninguém me “estorvava” para ir mais depressa, a não ser eu próprio. O Faísca, que tinha um ritmo mais rápido que o meu, estava constantemente a olhar para trás e a abrandar , até que lhe disse para ir no ritmo dele, pois seria mau para os dois que ele continuasse naquelas mudanças de ritmo. E foi à sua vida. De facto – a menos que se vá fazer uma maratona mesmo na “desbunda”- é errado “copiar-se” o andamento dos outros. O nosso desempenho obedece a "cálculos", cujas “variáveis” são avaliadas por cada um a cada momento.
Parou de chover, ia perto dos 12km. Nessa altura alcanço o balão das 3,45! Sabendo eu que estava a andar entre 4,55 e 5,05 por km e que apenas tinha demorado minuto e meio a passar na linha de partida, havia qualquer coisa que não estava bem.

Cerca dos 16, alcanço o balão das 3,30 (eram dois, um “guiado” por uma rapariga e outro por um rapaz)! Um pelotão compacto reunia um grande número de candidatos àquele tempo. Como é que em 3 ou 4 km conseguia “anular” um déficite de 15 minutos no tempo final ? Bom...Pensei em aguentar-me ali, pois tratava-se de uma passada confortável e eu não deveria meter-me em aventuras.

Os corredores dos transportes públicos (que eram delimitados por um material plástico de côr azul e que “apareciam e desapareciam”) obrigavam a uma atenção redobrada por parte daqueles que corriam em pelotão compacto. Passámos nas Puertas del Sol onde os incentivos constantes do público se tornavam arrepiantes, o mesmo acontecendo frente ao Palácio Real.
A pouco e pouco reparei que o “bloco” das 3,30 se “dissipou” e os próprios balões estavam a atrasar-se, pois eu continuava a andar na casa dos 5 ‘/km. Cerca da Meia Maratona (1,43) percebi que havia razão para que o balão tivesse abrandado. Mas se eu me sentia bem, ia procurando manter-me no ritmo. Aos 22km avisto o João Hébil e fui-me aproximando dele. Talvez inconscientemente tenha acelerado para o “apanhar” e, como estávamos a descer e eu continuava bem, apenas o cumprimentei e segui no meu andamento, na esperança de me manter defendido da “crise”.
25 km- Tudo fino. 30km: igual; 37 km idem idem. Olhava para o relógio (atento apenas aos segundos para não estar a fazer muitas contas, pois tendo 5’/km como referência era fácil saber se estava em aceleração-pouco provável- se em quebra –muito mais provável.) e tudo me indicava que me estava a portar à altura. Olho para trás e não avisto o balão das 3,30!

“Devo estar a fazer uma prova do caneco!” – pensei eu !

38,5km : oiço um “vamos, senhor!ânimo!” Era a rapariga do balão!!!! Não foi propriamente um “susto” que apanhei. Foi pior! Aquele “efeito surpresa” arrasou-me psicologicamente, pois eu pensei que o malfadado balão tivesse ficado lá bem para trás.

“Travaram-se-me” as pernas e , mesmo sabendo que já estava a contornar o Parque do Retiro dos Jerónimos, onde estava instalada a meta (mas que é bem grande) não consegui ultrapassar este “baque”. Sabia que o que tinha a fazer era ir “aguentando o barco” até entrar no último km quase todo dentro do Parque e pensar que o ambiente daquela chegada far-me-ia esquecer estes 3 últimos km que são mesmo para esquecer (ou melhor, para lembrar!).
Tempo final líquido : 3,31,33 !
Depois, dão-nos a medalha, um resguardo de plástico para nos proteger do frio (e muito jeito me deu), sumos, cerveja, água, fruta . Desta vez não havia melancia, pelo que fui eu que fiquei com o “melão” eheh.

Há mais a dizer sobre esta Maratona, mas este apontamento já vai longo. Voltarei ao tema.

25 comentários:

grupobbb disse...

O ano passado também lá estive.
O meu balão era o das 4h, mais modesto.
Quando o perdi aos 37 km foi duro.
Acabei por teimosia

Foi lindo

Artur Marona Beja

luis mota disse...

Olá Fernando!
Terminar mais uma Maratona é de enaltecer. Muitos parabéns!
Luís Mota

Que política em Campolide disse...

Afinal os últimos 2195 metros não são a subir, o “gás” é que se acabou…

Nem para ti és bom: 3h41??? 3h31m33s… Excelente!!!

Um Abraço

Orlando Duarte

Fernando Andrade. disse...

Amigo Artur
Obrigado pela visita e, conhecendo a Maratona de Madrid, é-lhe mais fácil entender o que tentei relatar.
Abraço.

Caro Luis Mota
Obrigado pelas felicitações e aconselho-o vivamente a experimentar esta Prova.
Abraço

Grande Orlando

Obrigado pelos teus comentários e pela correcção que fizeste (era só para ver se estavas com atenção,eheheh). Agora a sério: olha que os dois últimos km não eram totalmente a subir, mas tinha aí 1,5 à vontade. Os 800m finais é que eram planos . Mas não deixas de ter razão : o "gás" acabou-se mesmo.
Grande abraço

PS -já rectifiquei o tempo.

MPaiva disse...

Fernando,

Na maratona nunca se sabe quando vamos entrar em quebra. Estas lições são muito importantes para futuras experiências!
De qualquer forma foi um excelente tempo! Parabéns!

abraço
MPaiva

Otília disse...

Olá Fernando!
Parabéns por mais esta Maratona com um excelente tempo,é um grande prazer ler o seu testemunho. Adorei também ler a sua entrevista, está mesmo a ficar Famoso, é espantosa a sua experiência nas corridas, o que me faz RIR de mim própria, mas enfim cada um faz o que pode....eheheh
Boa prova nas Areias ....essa não me convence.
Até à próxima!
Otília leal

João Meixedo disse...

novato nestas coisas, nunca tinha ouvido falar no balão, mas já percebi como é que a coisa funciona.
Belo relato e belo tempo . Essa é uma das que gostaria de fazer um dia.
Um grande abraço.

Fernando Andrade. disse...

Caro Miguel

De facto, na maratona, a quebra surge sempre depois dos 28/30 km. Mesmo com alguma prudência, nunca devemos excluir a possibilidade repentina de nos aparecer o famoso "muro" pela frente. Ao virar de uma esquina qualquer, ele aí está! e pode ser físico ou psicológico como foi neste caso. Achava que ia bem e, a "surpresa" deitou-me a baixo completamente. Não consegui "dar a volta por cima" como mandam as regras. E senti-me "atordoado". Ao mesmo tempo, fiquei contente por serem apenas 3km de um "gostoso calvário"(gostaste desta?).
Qualquer dia hás-de lá ir.
Abraço.
FA

Olá Otília
Obrigado pelas felicitações da maratona e da entrevista. Ser "famoso" é bom,eheheh. Mas é um bom prenúncio começar a haver quem dê voz ao corredor anónimo e que pode ser qualquer de nós, pois o que está em causa é a vivência da corrida enquanto modalidade acessível e saudável. Os atletas de elite, esses terão o seu merecido espaço em órgãos de comunicação mais abrangentes que, no entanto, devem passar a dar mais atenção à Corrida que ao corredor.
Beijinho.

Amigo Meixedo
quem acaba de experimentar o sonho de Boston e da mais antiga Maratona do Mundo já tem um padrão de referência muito exigente. Se apenas conhecesse as nossas, as caseiras, ia dizer-lhe que Madrid tem uma Maratona de nos fazer inveja. Mas assim, não sei que lhe diga, a não ser que esta está bem mais acessível que Boston. Já sabe, último Domingo de Abril de 2010. Haverá muitas outras que o são, mas Madrid, pela proximidade, ponho-lhe o "carimbo" de RECOMENDADA.
Grande Abraço.
FA

José Capela disse...

Boas, Fernando...

Parabéns por mais uma maratona e também pelo resultado!

Bem certinho...a experiência conta muito! O meu amigo 'papa as maratonas' mas sempre com um sabor muito adocicado!

Belo relato.

Abraço

José Capela

miguel disse...

Caro Fernado:

Por coincidência, vim consigo no avião , de regresso a Lisboa ( você estava na 1ª fila ).

Corri apenas 15 km - fui acompanhar os meus amigos do clube do Stress - mas deu para ver quão acolhedores são os espanhóis e deu também para ficar cheio de vontade de fazer esta maratona. Recomendo-a vivamente !

abraço

Miguel Leal

Fernando Andrade. disse...

Olá, Miguel
fico feliz por ter sido reconhecido (isto de ter a fronha escarrapachada no blogue, é o que dá,eheh).Teria tido todo o gosto em conversar consigo, mas haverá outras oportunidades, certamente.
Para a próxima, em vez de ir ver os amigos, vai ver que será melhor "acompanhá-los" na prova. As coisas são vistas de outra maneira. E Madrid vale a pena.
Grande abraço.
FA

Fernando Andrade. disse...

Amigo Capela

Não posso dizer que as maratonas que faço, exijam muito de mim, pois não tenho muito para dar. Faço-as a uma velocidade de acordo com as condições que consegui reunir e às vezes acontece que, fazendo menos tempo, nos esforçamos menos.Mas a grande verdade é que treinar para menos de 3 horas exige um rigor (e uma condição física) que quem vai para 3,30/4,00h.
Desejo-lhe uma boa prova a 10 de Maio.
Grande abraço.
FA

JP disse...

Parabéns. Mais uma. Já vão quantas??...

António Almeida disse...

Parabéns Fernando por mais uma maratona corrida, a 3ª do ano e só estamos em Abril...
Deduzo que o Faísca terá feito um bom tempo.
Boa recuperação.
Abraço.

JOSÉ LOPES disse...

Parabéns por mais uma Maratona.
(escrito parece fácil)
A descrição dos diversos momentos da maratona estão excelentes.

Boa recuperação

Um leitor do Blog
J.Lopes

Fernando Andrade. disse...

Amigo JP
Obrigado pelas felicitações por "mais uma", a 3ª do ano em terras de Espanha (Badajoz, Sevilha e Madrid); faltam agora as lusas de Porto e depois Lisboa, não esquecendo o Raide Melides-Tróia em Julho.
Como diz o Nuno K, lá pus "mais um risco no cinto". Acho que são 31 mais 4 Raides (sujeito a confirmação).
Desejo-lhe é uma rápida recuperação para poder "saborear" o mundo das grandes distâncias (que com as ultra que p'raí andam, já se tornaram obsoletas).
Grande abraço.
FA

Fernando Andrade. disse...

Amigo José Lopes

Obrigado por ser seguidor do "cidadão" e pelas felicitações.
"Escrito parece fácil" ! Na verdade, não é muito difícil. Não sei se conhece a distância, mas se conseguirmos controlar o esforço para que retardemos ao máximo a "martelada", não é assim tão difícil.
Gostar de correr dá a predisposição necessária para correr durante muito tempo.
Grande abraço.
FA

Fernando Andrade. disse...

Amigo António Almeida

Agradeço-lhe os comentários pela minha prestação que, apesar de tudo - e passe uma certa vaidade - não considero que tenha sido má de todo ( há dois anos foi bem pior).
Pois o Faísca fez menos 50'' que eu, pois quando eu ia a passar pelo arco dos 42km, ouvi o speaker dizer. "- acaba de chegar Manuel Faísca, de Portugal"!. Se soubesse que estava tão perto dele "arrebitava" e "caçava-o", mas assim...
Para 2010, amigo Almeida, aponte as baterias para Madrid, que vai gostar. E depois, os voos até são em conta. A estadia é que é pior, mas...
Grande abraço.
FA

joaquim adelino disse...

Olá amigo Fernando.
Como sempre juntas uma boa corrida a uma bonita história, levar um bloco de apontamentos e uma caneta sempre ajuda a transpôr os 42 e tais mais facilmente, penso eu, tal foram os detalhes aqui contados, a minha experiência é com a máquina fotográfica, mas numa Maratona acho que não ia resultar, tanto mais que até as nossas próprias "misérias" atrapalham e muito durante o nosso esforço.
Fiquei muito contente por teres feito mais uma Maratona e saído de lá são e salvo, agora vamos a recuperar para a Meia da Areia e pouco depois o Raid.
Um abraço.

José Alberto disse...

Amigo Fernando:

Só ontem à noite cheguei de Madrid, pelo que ainda não tive oportunidade de escrever nada sobre esta prova.

Irei escrever algo brevemente.

Mais uma vez os meus parabéns pela excelente marca.

Felizmente que o destino quis que nos encontrássemos em terras de Espanha. Tive muito gosto em conhecê-lo pessoalmente.

Abraço
José Alberto

Fernando Andrade. disse...

Amigo Adelino
Obrigado pelo comentário. Essa do "bloco e caneta" durante a corrida, se fosse prático, era "limpinho" que os levava, tal é o rol de emoções e de pensamentos que nos ocorrem durante aqueles loooongos kms. Mas depois as coisas vão-se escapando e quando queremos contá-las, lembramo-nos apenas de uma pequena fracção. (Talvez se trate de um mecanismo de defesa de quem teria de levar com contos intermináveis,eheheh). Mas era giro termos uma forma de gravar o que nos vai "passando pela mona" .
Nas Areias, se não for antes, lá nos encontraremos.
Grande abraço.
FA

Amigo José Alberto

Inesperadamente, e quando eu já desatinava com tando deambular pelo Parque à procura do meu amigo Faísca,( que não estava onde tínhamos combinado - e já passava mais de uma hora de ambos termos chegado à meta)houve um momento feliz, em que o José Alberto, simpaticamente, se deu a conhecer.
Obrigado Amigo. Foi um grande prazer, ainda maior pela improbabilidade de isso acontecer naquele local, "minado" de gente.
Eu ainda não acabei o meu relato, mas fico à espera do seu.
Grande Abraço.
FA

Fábio Pio Dias disse...

Olá Fernando!

Quero felicitar-lhe pelo brilhante tempo, que saliento não estar ao alcançe de um atleta(cidadão) comum!
Gosto de seguir o seu blogue, pela maneira clara e fácil como descreve as emoções e narra as corridas além dos conselhos práticos, proveniente da sua experiência.

Um abraço e continuação de boas corridas!

Mark Velhote disse...

Olá Fernando

Parabéns por acrescentar mais uma ao currículo!
Acho que ficava bem ali na barra lateral uma lista de todas as maratonas realizadas por ti!É só uma sugestão deste teu fan!Se bem que ia ser uma longa listagem...

Grande Abraço

Fernando Andrade. disse...

Caro Fábio

Muito obrigado por ser um seguidor atento deste blogue (que só faz sentido se houver alguém que o leia) e pelas amáveis palavras que aqui deixou. O tempo feito na maratona não é muito importante, embora não negue que nos dê uma satisfação maior obter uma boa marca. Só que isso deve ser sempre encarado como secundário (e consequente) a uma corrida feita em equilíbrio e prazenteira. Mas, na maratona "todos partem como iguais e todos terminam como vencedores".É com este espírito que encaro a distância e talvez seja com este espírito que me sinto tão fascinado por ela.
Grande abraço.
FA


Amigo Mark

obrigado pelas felicitações e pela sugestão. É uma boa ideia, mas o problema é pô-la em prática. Gostava, realmente de pôr na barra lateral, o meu "palmarés maratónico", mas... eu sei lá fazer isso...!!! Nisto de blogues sou do mais elementar que há. Sei algumas funções, mas muitas das "habilidades" dos nossos colegas são apenas "miragem" para mim. É questão de ir tentando...
Grande abraço.
FA

...tuttA... disse...

Mais um belíssimo relato Fernando.
Parabéns por mais uma maratona completada.
Vc fez um excelente tempo.
Abraços.

...tutta...
ubiratã-pr.
www.correndocorridas.blogspot.com