quarta-feira, 4 de agosto de 2010

UMA 2010 - sempre a aprender

Com o Alexander e o Pedro Amorim

Dito o que me ocorreu quando me pus a escrever sobre a UMA 2010, ficou por dizer ainda muito.
Fico feliz quando vejo que, cada vez mais gente se rende à mística desta Prova e quer fazer parte dela. Tenho pena que sejam ainda tão poucos os que, neste País, se aventurem numa jornada que marca qualquer um, independentemente dos objectivos que tracem. Sinto um certo orgulho em saber que os meus relatos influenciaram alguns amigos participantes que vieram a ficar “apanhados” por esta Prova diferente de todas as outras. Diferente até de si mesmo. Surpreendente. Só quem a faz e tem presente a emoção que ela transmite, perceberá onde quero chegar.
Estamos sempre a aprender e o que pretendo fazer agora é registar os erros (para não voltar a cometê-los) ou princípios que tenho que ter sempre presentes, em seis pontos :

1- A semana que antecedeu a Prova, foi bastante agitada (envolvi-me num outro evento realizado na véspera -Um Concurso Hípico, imaginem(!)- e acabei por não ter tido tempo de seleccionar o material que me faria falta). Como tal, à pressa, e com medo de que me viesse a faltar alguma coisa, fui pondo tralha e mais tralha, esquecendo-me que o carro ficaria em Setúbal . 1ª LIÇÃO – Não deixar para a última hora a selecção do material a transportar.
2- O tempo estava completamente encoberto em Melides e não lembrava a ninguém que o protector solar fizesse grande falta. Porém, era provável que o sol abrisse ao longo da manhã e causasse grandes danos na pele dos corredores, como veio a acontecer. Usei um bom protector (factor 50) que apliquei em todas as zonas expostas. Não tive qualquer problema de queimadura, como tive, por exemplo, em 2006. 2ª LIÇÃO - Nunca esquecer o protector solar, mesmo que esteja a chover.
3- A mochila de hidratação (que também dá para pôr outras coisas) se bem que nos dê alguma segurança, constitui um peso acrescido que nos penaliza. Juntar esse peso, às condições da areia, obriga-nos a um grande esforço que pode levar a dores lombares. 3ª LIÇÃO – Hidratar sim, mas sem a mochila. É preferível usar cinto ou simplesmente levar uma garrafa de 0,5L em cada mão (que chega até aos 28,5km, altura em que a Organização nos abastece com mais 1L.); uma bolsinha à cintura, com uns pacotinhos de gel ou outros alimentos de absorção rápida, será suficiente.
4- Já tinha experimentado correr descalço, numa edição anterior, quando me tive de descalçar diversas vezes para tirar a areia dos pés. Desta vez, tirei apenas os ténis após cerca de 10km de prova, mas fiquei com as peúgas calçadas. Dei-me bem com a experiência e acho que não vou querer outra coisa. 4ª LIÇÃO : Correr, logo de início, com peúgas (nada de preocupação com impermeabilização), que tenham uma certa espessura na sola para amaciar o impacto com a areia.
5- Escusado será dizer que é preciso gerir bem o esforço ao longo dos 43km de areal. No entanto, há que ter presente que, por norma o 1º terço é mau, o 2º pode ser bom ou pode ser mau e o 3º, também por norma, é bom. Logo, o que de mais frustrante nos pode acontecer é chegar à parte boa e já não termos pernas para correr, como me aconteceu em anos anteriores. 5ª LIÇÃO – Não travar grande luta contra a areia mole para não nos desgastarmos antecipadamente. É verdade que temos que a ultrapassar, mas procurando fazê-lo com “margem” para depois podermos correr quando o piso melhorar.
6- A distância mais curta entre dois pontos é um segmento de recta. Vi vários atletas que iam na zona de rebentação a fazerem um trajecto em zigue-zague para fugir à água. Para além das mudanças de ritmo (arranques) que essa fuga à rebentação provocava e o consequente desgaste, obrigava a percorrer uma distância muito maior (lembrem-se do teorema de Pitágoras). Portanto, 6ª LIÇÃO – Pés molhados, mas correr sempre a direito.

...Há mais.

8 comentários:

elis disse...

oi, fernando!

você vai rir, mas acredite, anotei todas as lições em meu caderninho hehehehehehehe

adorei!
estou lendo (na verdade, estudando rsrsrsrs) vários relatos de participações em corridas na areia para que ver as lições que posso aproveitar para a minha estreia em uma maratona na praia, agora em agosto!

já estou pronta para a próxima lição: lápis e caderneta nas mãos;
bjs

luis mota disse...

Olá Fernando
Boas reflexões que nos ensinam a todos.
Para a primeira participação visionei o vídeo da edição anterior e vi algumas fotos dos atletas, para ver quais as opções dos atletas.
A conclusão foi simples:
- Peso + sucesso
Felizmente tracei vários planos para a prova e antes de me deitar ainda não tinha decidido o que utilizar.
Após reflexão a opção foi roupa leve, cinto com “granadas” e sapatilhas de boa tracção. De costas para o Sol prescindi de óculos e boné. Tudo correu bem, fiquei satisfeito com a escolha!
Grande abraço,
Luís mota

Filipe Fidalgo disse...

Olá, Fernando.
As aprendizagens fazem o indíviduo ser melhor, o conhecimento torna o ser mais sábio, ms a UMA torna o Cidadão mais completo.
Grande Prova, enorme feito.
Obrigado por partilhar o seu "Know-How", certamente influenciará em muito aqueles que ambicionam um dia fazer a Mítica prova, eu sou um deles.

Um grande Abraço

Mark Velhote disse...

Viva Fernando,

Este seu post e o outro que há-de vir é um verdadeiro Manual da UMA.
Vou guardá-lo para quando tiver pernas para enfrentar tal feito. :D

1 abraço e Parabéns
Mark

Anónimo disse...

Olá companheiro
pois eu fui um dos que se converteu muito por sua culpa como lhe disse em Melides no último domingo.
Como eu sigo (ou segui) as suas 6 lições:
1ª)Há muito que estava decidido o que usar, basicamente o mesmo do anterior ano, não inventei e dei-me bem, a inventar (senti-me tentado várias vezes) seria no calçado.
2ª)Não usei mas concordo que o devia ter feito ainda que não tenha apanhado nenhum escaldão.
3ª)Aqui estou no polo oposto, usei e continuarei a usar para o ano.
4ª)Também aqui errei (foi onde eu sentia que devia ter inventado), só passei a correr descalço a partir dos 21 kms.
Para o ano será aqui que farei a minha principal alteração.
5ª)Esta estava bem estudada e até o Carlos Coelho quando me apanhou aos 8 kms disse que eu ia na "ronha".
6ª) Como matemático só posso dar razão ao mestre Pitágoras.
Abraço companheiro e até sábado,
António Almeida

MPaiva disse...

Fernando,

Belo manual este que nos deixa, o que servirá para decisões a tomar no futuro.

abraço
MPaiva

Vitor Dias disse...

Viva Fernando

Os teus relatos são autenticas odes à corrida. Ler os teus relatos dá vontade de largar a secretária, calçar as sapatilhas e arrancar sem destino.

Obrigado por tudo o quanto tens feito pela motivação de quem te lê.

1 grande abraço.

Vitor Dias

Fernando Andrade. disse...

Olá Elis
Obrigado pelo comentário, mas olhe que eu ao escrever estas "lições" não pretendia ensinar nada a ninguém. Eram apenas para registo e "consumo interno". Mas se servirem para ajudar outros, fico feliz com isso.
Felicidades para a sua maratona na praia.
Beijinho.

Caro Luis
As tuas opções foram acertadíssimas, mas a tua forma física foi o que mais sobressaíu na tua prestação. Grande prova a tua. Parabéns.

Caro Filipe
Obrigado pelo comentário e creia que muito gostaria de o ver neste areal imenso. Se influenciar alguém a participar, fico orgulhoso com isso.

Caro Mark
O meu amigo tem pernas de sobra para esta Prova. Parece uma coisa do outro mundo mas está ao alcance de qualquer mortal minimamente preparado. E olha que deve haver poucos que lá vão com menos treinos que eu...

Amigo António
Alguns dos pontos poderão serr comuns, outros não. Cada um terá de se adaptar a si mesmo. Essa é que é a grande verdade. Mas a mochila...hum....

Amigo Paiva
Este "manual" precisa de ser muito, mas muito acrescentado. E, tal como disse ao António, é com a experiência individual que cada um poderá fazer o seu "manual". E deve fazê-lo com tempo e ponderação, para cometer o mínimo de asneiras que, diga-se, acabamos sempre por cometer.

Amigo Vitor
Obrigado pelo teu simpático comentário e, se consegui "despertar-te" para esta prova, fico feliz e espero que em 2011 possas estar presente. Fala com o Pedro Amorim, quando treinares com ele, que ele te dirá do que passou.

A todos muito obrigado pelas palavras amáveis e um grande abraço.
FA