domingo, 2 de fevereiro de 2014

A “Reproletarização" da Corrida




Caíu-me tudo aos pés! Mesmo “tendo vendido o peixe pelo preço que o comprei”, senti-me pequenino quando  soube que tinha difundido uma notícia que não correspondia à verdade. Não tenho qualquer prazer em ser o arauto da desgraça, apressando-me a divulgar tudo quanto seja má notícia. Mas esta indignava pelas razões que expus. Confirmei uma vez, duas vezes…via o site partilhado por amigos insuspeitos (e que sei defensores do Movimento Sindical) e não via qualquer outra informação que pudesse contradizer aquela.
De raiva, escrevi o texto que antecede e logo com o primeiro comentário recebido fiquei a achar que havia coisa! Então a União de Sindicatos não sabe de nada e a Corrida do 1º de Maio é  publicitada num site, com regulamento, fotografias de pessoas insuspeitas,  logótipo…? Ná.
Minutos depois recebo a notícia de que o Regulamento da Prova ainda não fora publicado, pelo que a informação dada no texto, carecia de fundamento até que a União de Sindicatos se pronunciasse.
Fiquei contente por se tratar de um mal entendido, mas devia um pedido de desculpas quer aos Sindicatos, quer aos leitores a quem induzi em erro. Foi o que fiz e volto a fazer as vezes que forem necessárias.
Mas há uma coisa que gostaria de ver esclarecida : porque será que não se deve acreditar no tal site a que me referi “Running Portugal” ? Agora sei que se destina a angariar atletas estrangeiros para vir correr a Portugal, mas recusará algum português que desconhecendo outra via, se queira inscrever através dele?  
Nada tenho contra a actividade que o site promove, mas a clareza com que se apresenta à estranja é exactamente a mesma com que se apresenta aos portugueses. Só que os portugueses terão que ter o condão de adivinhar que aquelas mensagens só se destinam aos outros.
Dentro de poucos dias estará disponível o Regulamento OFICIAL que, certamente não fugirá muito àquele a que estamos habituados e nos permitirá fazer aqueles 15 Km de grande prazer num dia que é muito especial e muito nosso.


3 comentários:

Eugenia Do Vale disse...

Vamos então aguardar.
bj, eugénia

MANUELA FOLGADO disse...

Olá Fernando!
Assim que vi esta noticia comentei logo e duvidei da sua veracidade! Como conheço bem este pessoal não acreditava de forma nenhuma nisto.
Fui às Pag's. da USL e da CGTP e não havia nada referente à corrida, contactei um amigo que é dirigente da USL e informou-me que nada havia ainda sobre a corrida, por conseguinte tudo mentira...
Quanto ao preço para estrangeiros não sei se será a organização a beneficiar desta taxa, ou se será alguém que esteja a ganhar dinheiro com isto mas, 2ª feira já vou clarificar isto junto da USL.
Fiquei indignada e por isso é que comentei porque, havia comentários injustos e pouco dignos para a organização, desde "chulos a vigaristas" houve de tudo.
O que me espanta é que as pessoas não usam a cabeça e, ao verificarem o site das inscrições não havia nada referente ao Movimento Sindical, o que é muito estranho, quando nós sabemos que esta corrida está sempre identificada com os logotipos da CGTP e da USL e, desatam logo a ofender. Provas como as Meias da Ponte, do Tejo, Marginal à Noite, Fim da Europa, etc, etc. Não se indignam tanto, esses sim são exploradores e oportunistas.
Também fiquei admirada de ver o teu comentário e o do Carlos Lopes, porque vos considero pessoas equilibradas, honestas e justas na vossa apreciação mas, cai-se nestas coisas porque estamos fartos de ser roubados nas taxas de algumas provas, por isso mesmo me recusei a fazer o Fim da Europa...
Devia-te esta explicação, Bjinhos e obrigada Manuela Folgado

Fernando Andrade. disse...

Obrigado pelo teu comentário Manuela. Mas olha que foi mesmo por ter visto a notícia partilhada por ti e pelo Orlando Duarte, pessoas que eu muito prezo e que sei estarem ligadas ao movimento sindical, que me levou a acreditar mais naquilo. Depois, apenas fiz um texto no blogue em que, logo no 1ºcomentário, vi que a coisa poderia não ser bem assim. De qualquer modo, desmenti logo e pedi desculpa. Aqui não se trata de "não usar a cabeça" mas apenas acreditar numa informação que era dada e não desmentida. Nunca pretendi ofender os sindicatos, mas apenas estranhar que eles próprios - a ser verdade - se tivessem deixado levar pela lógica dos mercados. Aí sim, seria contraproducente. Claro que há sempre pessoas que entram pela via da provocação em vez de argumentarem de forma civilizada.
Mas sobre os exageros cometidos nas taxas de inscrição,há que fazer qualquer coisa.
Beijinho.
FA