sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Era uma vez uma petição com 41.000 assinaturas



Hoje foi um dia decepcionante. Disse bem: "decePcionante". Custa-me muito a entender que, as "mentes brilhantes" que se apanharam a representar-nos no hemiciclo, se tenham revelado tão casmurras e sem a menor vontade de corrigirem um erro cujas consequências são difíceis de imaginar.
Alguns, da bancada da maioria que, cá fora,  diziam ser frontalmente contra o AO90 e que iriam apresentar uma proposta para que Portugal se desvinculasse desse empecilho, tendo a apoiá-los 41 mil cidadãos. 
Porém, na hora da verdade, alguém lhes fez má cara e eles foram riscando, riscando, riscando, até que a proposta que apresentaram (só por vergonha de a retirar) foi de que o governo crie um "Grupo de Trabalho para o Acompanhamento da Aplicação do AO90". De temíveis tigres passaram a gatinhos inofensivos . "Acompanhamento"! Olálá . Mas com a advertência prévia de que a maioria "nunca viabilizaria nada que pudesse retardar a aplicação do AO". E um tal Enes, orgulhoso, chamando a si os louros de ter sido no seu "reinado" que se fizeram os primeiros avanços na matéria. Um Correia arrogante, dizendo que seria irresponsabilidade voltar atrás, pois havia muito investimento feito por parte das editoras (olha a novidade!- mas não achou irresponsabilidade que aquilo fosse aprovado à pressa e sem ouvir quem deviam ouvir).
De nada lhes serviu as razões apresentadas e que davam substância à gigantesca petição, pois as razões deles obedeciam a outra lógica, que não a da sabedoria e do conhecimento. Por estarem onde estão, acham-se no direito de vir junto dos seus mestres, dizer-lhes que, agora são eles que  mandam e que lhes dizem como é que hão-de escrever.
Mendes Bota esteve bem. Miguel Tiago também. Honra lhes seja feita.
Seremos objeCtores. Continuaremos a ter projeCtos, a escrever aCtas e a ser pessoas de aCção. 
Entretanto, pela graça do governo, teremos direito a "acompanhantes".

1 comentário:

Jorge Branco disse...

No UK não há acordo para ninguém!