domingo, 2 de fevereiro de 2014

O Mar de Ovar




O mar é lixado. Por vezes encanta-nos com a sua imensidão,  permite-nos estender o olhar até ao horizonte, espairecer as ideias, retemperar os ânimos, criar empatia com a mãe natureza, fazendo-nos sentir uma pequena partícula do planeta e do universo.
Outras vezes, quando enfurece, torna-se medonho, assenhoreia-se do espaço, ceifa vidas, transpõe a costa, varre tudo o que encontra.
Quem se sentia encantado por estar perto dele, sente-se aliviado se estiver longe.
Em pouco tempo, por duas vezes, o mar enfureceu-se e galgou a costa. E fez das suas, como que a dizer que todos aqueles que têm ganho a vida à sua custa, também poderão perder o que ganharam quando ele bem entender.
Incerta é a relação que se pode ter com ele.
Vi na televisão, há momentos, que na Praia do Furadouro, em Ovar, enormes blocos de cimento que delimitavam a praia, foram arrastados a 200m, pelas ondas que inundaram as ruas da povoação. Que força é esta, amigo?
Imagino-me a correr a Meia Maratona de Ovar e, ao passar pelo Furadouro, ser “contemplado” por uma onda destas, que arrastaria todo o pelotão sabe-se lá para onde e com que consequências!
Quando lhe salta a tampa, ele, o mar, faz o que lhe dá na real gana e sem olhar a quem, mostra o seu poder imenso e lembra-nos que somos pequeninos sempre e não só quando nos sentimos  a tal partícula do universo ao abeirarmo-nos da sua imensidão durante a calmaria,  expiando os nossos males e revigorando o nosso espírito.
Um abraço solidário a toda aquela forte gente vareira que vai ter muito trabalho para repor a situação.


Sem comentários: