domingo, 6 de abril de 2008

26ª Corrida dos Sinos - Mafra


A "Procissão"


Calam-se os sinos da torre da igreja
Sem que tivessem dito da razão
Nesta corrida de fazer inveja
Já não se ouve o carrilhão.

Às dez e meia soou a partida
São aos milhares a pisar alcatrão
Direito à Vila que foi preferida
Pelo magnânimo quinto João.

Frente ao convento a coluna se inverte
P’ra novo rumo, nova direcção
Quem tiver força e quiser, que aperte
Que eu vou andando no calmo pelotão.

Passa-se a Paz, os Salgados, Sobreiro
Onde se via muita animação
Na frente vinha um grupo lampeiro
Onde, por certo, estava o campeão.

E quando surge o abastecimento
Vai uma aguinha p’ra hidratação
Muitos tossiam por engasgamento
E, descuidado, eu não fui excepção.

Uma senhora aplaudia, aplaudia,
Tanto os da frente como os do pelotão
Ela gritava, incitava e sorria
A todos dava mais motivação.

Já no regresso e arrastando o passo
Algum alívio de satisfação
E, mesmo lento, revelo cansaço
Pois é pouquinha a preparação.

Já no final, a surpresa do dia
E a entrar no estádio, para conclusão
Alguém tocava a sineta e se ria
Por estar ali de badalo na mão(!?)

E no tartan, finalmente a chegada
Esboço um sorriso ( ou simulação )
P’ra que depois no foto tirada
Não desse em susto essa recordação.

Entrego o chip e entro no funil
Recebo um saco da Organização
Lá dentro um polo, bonito, baril,
E mais um sino p’ro meu carrilhão.

Dlim
Dlão
Dlim
Dlão

2 comentários:

Paulo Silva disse...

Onde está o texto dos sapatos Asics?

merecia estar neste blogue.

um abraço

Fernando Andrade. disse...

Olá, Paulo

Obrigado por ter gostado do texto e pela sugestão.Vou então fazer um past do texto referido, que tinha sido colodo no Forum mundo da corrida"-Diário"-"diz que é uma espécie de treino".
Grande abraço.