sexta-feira, 2 de julho de 2010

UTSF-Memorial Sálvio Nora...a brincar!





Otília e Adelino, quando o sol nascia

O António Pereira "a quatro"



O Adelino e o Jorge "no banho"




O "Abutre "Vitorino (Ah valente!!!) para os mil metros finais, aproveitando o incentivo do Adelino
.../...(então vamos ao resto)

Vou-me à água, lavo as meias
P’ra lhe tirar as areias
Que me lixam o andar
Ponho as pernocas de molho
E contente com o que escolho
Sinto-me revigorar.

Antes vi gente a passar
Com bastões p’ra se apoiar
Tornando o corpo ligeiro
Achei boa solução
Apanhei uns paus do chão
E lá vou eu mais lampeiro.

Ia começar a “farra”
E já lá p’ro meio da Garra
Vai um gel p’ra ver se anima
Começa a fazer efeito
Sinto força e encho o peito
E eis-me já lá em cima.

Vem então estradinha lisa
Como prémio a quem a pisa
Depois de tanto penar
Mas no último moinho
O maroto do Moutinho
Faz-nos desmoralizar.

Tinha dito p’ro Adelino
Que sem algo repentino
Os 40 tão no papo
Depois a gente decide
Sem que ninguém se suicide
Nem chegue feito farrapo

O tempo ia controlado
Mas um troço inesperado
Tornou tudo bem mais feio
Descer a desviar mato
Foi o bocado mais chato
Em dois km e meio.

Ao ficarmos abalados
Esfarrapámos os cromados
Até à Póvoa das Leiras
Impossível ir depressa
Porque ainda se tropeça
Na descida traiçoeira

Lá chegámos, finalmente
Onde estava tanta gente
Que ali tinha desistido
Só esperavam por transporte
Pois o resto era de morte
E isso pôs-nos em sentido.

Resignados, encostámos
E o tempo que gastámos
Era mais que o permitido
Mas também nós nos vingámos
Descansadinhos ficámos
E acabou-se o pé dorido.

Mas S. Pedro, não gostou
Que a gente, quando parou,
Tivesse abancado ali
Manda, então uma caldeirada
E uma forte trovoada
Mas eu não me arrependi.

Depois, saímos da aldeia
De carrinho, de boleia,
Para o Parque de Campismo.
A banhoca e o almoço
E ver o último troço
De escalada e montanhismo.

Todos chegavam já fartos
E com cobras e lagartos
Referiam-se ao Moutinho
E este sem se incomodar
Pois já estaria a contar
Que surgisse borburinho

Dizia ele, contente
Que esta Prova é bem diferente
Vira as outras do avesso.
Ver atletas dizer mal
Tem nisso o melhor sinal
De que a Prova foi sucesso.

E quando ouvi comentado
Que por ter abandonado
Tive um acto de coragem.
A mim isso não consola,
Só se fosse cobardola
Quem cumpriu toda a viagem.

DNF, assim constou
Na folha onde se anotou
Meu nome classificado
Mas para o ano voltarei.
Volto a desistir, já sei,
Mas sou “rei” por um bocado.

Ufff.

8 comentários:

Joaquim Antunes disse...

Brilhante Fernando!!! Li todas as aventuras do pessoal que fez esta prova, e esta foi de longe a que mais me impressionou ao ponto de já a ter lido 3 vezes. Está ESPETACULAR!
Já vi que em breve vamos ter as FRETÍADAS.

Grande Abraço
JAntunes

ana paula pinto disse...

Uau!
Nem outra coisa seria de esperar, deste poeta bem-humorado e com pernas de atleta!
Para o ano também serei "rainha" por um bocado. Pode tomar nota:-))

Beijnhos

Dona D disse...

Quem diria ler o relato de uma aventura em forma de poesia! Gostei muito!

Uma bela aventura!

Um abraço do Basil!

Maria Sem Frio Nem Casa disse...

Não desfazendo das restantes, espectacular a foto do António! Espectacular!

Assim como espectacular está a sua estória da prova Fernando. Rei por um bocado... bem bom!

Um grande beijinho
Ana Pereira

elis disse...

parabéns!!!
tô com o joaquim antunes: em breve, "as fretíades"!
é de deixar homeros enciumados;)

adorei!

Fernando Andrade. disse...

Meu caro amigo Antunes
Obrigado pelas palavras. Sendo duas realidades tão diferentes ( a areia e a montanha), como é possível ficarmos "apanhados" por ambas!?
Grande abraço e vê lá se recuperas rápido, que 1 de agosto está quase aí.

Olá Paula
Muito obrigado pelas suas palavras.
Mas a melhor rima que encontro para "poeta" e "atleta" é "da treta" eheheh. Mas divirto-me tanto nos versos, como na corrida. É o que vale. Foi um grande prazer ter partilhado consigo esta aventura. Para o ano, na Freita -ainda bem que concorda - seremos "reis" enquanto tivermos pernas.
Grande beijinho, Paula

Dona D
Muito obrigado pela sua visita e pelas simpáticas palavras. Apareça sempre.
Beijinho

Olá Ana
Sei que gostaria de lá ter estado na Freita, mas a sua opção pelas Fogueiras foi menos pretenciosa e bastante mais adequada. Na Freita a corrida teria pouca, embora houvesse outros atractivos que compensavam. Parabéns pela excelente corrida que fez em Peniche.
Beijinho

Oi Elis
Obrigado. Sobrou para mim a "frauta ruda" em vez da "cítara de homero". Mas como estamos fartos de vuvuzela...
Beijinho

FA

tutta disse...

Sensacional Fernando.
Parabéns, não só pela prova, mas pelo maravilhoso texto referente a ela.
Magnífico.
Abraço e tudo de bom pra você.


tutta

Fernando Andrade. disse...

Oi, Tutta

Obrigadão pelas palavras e pela sua sempre agradável visita.
Este Ultra Trail Serra da Freita, é mesmo para super-heróis. Eu, como não passo de um simples mortal, fiquei-me pela metade e com a sensação de missão (possível) cumprida, ao cabo de 9h e 26m de de prova.
Mas valeu a pena!? claro que valeu a pena...
Grande abraço.
FA