domingo, 23 de junho de 2013

Corrida de S. João 2013






http://vimeo.com/68822496

Uma das melhores Provas em que tenho participado. A Corrida, que voltou a chamar-se de S. João, na bonita Cidade do Porto. Foram 15 Km de prazer, na margem direita do Douro. Uma organização com a marca RunPorto, brilhante em todos os aspectos, quer no respeitante à prova principal, quer no respeitante à Caminhada, em que os milhares de participantes, à entrada na zona de partida, recebiam um martelinho de S. João, e que permitiu uma grande animação ao longo do percurso, que mereceu os maiores elogios.
Gostei muito e a prová-lo, está o facto de eu ter conseguido um dos melhores tempos dos últimos anos, pois    há muito que não baixava da 1,10 (excepção feita às Fogueiras de 2012, com 1,09). Acabei com 1,07,46, sem exagerar no esforço.
Esta Prova, sem os africanos que costumam relegar os nossos melhores atletas para lugares secundários, restituiu-lhes agora a oportunidade de conquistarem os merecidos louros da vitória, com Rui Silva e Jéssica Augusto a chegarem em primeiro lugar.
Correr neste cenário, abre muito o apetite para a 10ª Maratona do Porto que ali vai ter lugar no dia 3 de Novembro e que promete.
Todos os resultados, imagens e comentários estão aqui.
A quem puder, agende a próxima, porque vai valer a pena.


domingo, 16 de junho de 2013

Corrida de S.João - "Pontos de Vista"




Acabo de ficar meio aparvalhado, agora, ao fim da tarde, pelas razões contrárias às que me levaram a ficar também aparvalhado, hoje de manhã.
Estava eu a pensar nas palavras mais apropriadas para tentar fazer um pequeno relato sobre a grande Corrida de S. João, do Porto, em que tive o privilégio de participar , e estava até com dificuldades em adjectivar  a grandiosidade do evento, com uma Organização altamente profissional,  que o soube realizar na perfeição, dando à cidade do Porto mais uma Prova  de “grande envergadura”  a que cada vez mais pessoas vão aderindo, ganhando o hábito da Corrida. Não foram apenas os corredores que o afirmavam mas também os patrocinadores , que procuram sempre que os eventos que apoiam sejam do agrado de todos. O estado de espírito era, na generalidade, de grande satisfação.
Ora, antes de iniciar o escrito, lembrei-me de espreitar o facebook.  Não é que… dei logo com afirmações - de quem não esteve lá (!) - mas que não perdeu tempo a denegrir e a ironizar a Organização, pelo facto de ter convidado figuras públicas que, sem serem atletas, contribuem, sem a menor dúvida, para facilitar a mediatização do evento!   A organização tem toda a legitimidade para convidar quem bem entender, objectivando uma maior visibilidade do  trabalho produzido.  E quando passamos a vida a queixar-mo-nos da pouca atenção que a comunicação social tem dado à nossa modalidade, conseguirá alguém perceber que venham agora criticar a estratégia adoptada pela Organização!?
Que me perdoem aqueles que se pronunciaram ridicularizando os convites da Organização e a estratégia seguida (e se não me perdoarem, mantenho o que disse), mas fará algum sentido levantar este tipo de questão, se não for apenas pelo detestável clima de ” guerra Lisboa-Porto”, que alguns gostam de alimentar?! Isso não é bom para a modalidade. Cada um dos que gostam da Corrida, fará muito mais por ela, se a promoveram da forma que melhor a entendem. Podem até nem elogiar o trabalho dos outros, mas não precisam vir, de forma gratuita, agarrar-se a pormenores (que são opções legítimas de quem trabalha no duro para apresentar uma Prova ao mais elevado nível) para achincalhar quem tem dado o seu melhor e que tem revelado a maior competência na matéria.
Obviamente que, as questões pessoais que eventualmente existam, não devem ser transferidas para o campo desportivo.

Que cada um faça o seu melhor e… está tudo bem.

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Nos Passos de Pessoa



O grupo organizador






Fernando Pessoa, um de nós

Quando li, no próprio dia, que ia haver um treino – dos temáticos- em Lisboa, em comemoração dos 125 anos do nascimento de Fernando Pessoa,  senti um enorme impulso para estar presente.
“Os Passos de Pessoa” , assim se chamava o evento, estava aberto a quem quisesse participar e tinha sido cuidadosamente preparado por um grupo de corredores amigos, liderado pelo Paulo Lapão, José Bagina,João Campos, Luis Boleto,Miguel Heitor e Sílvio Horta, que fizeram as pesquisas e reconheceram e delinearam o percurso nas ruas de Lisboa, ao longo de cerca de 14 Km.
Juntaram-se cerca de centena e meia de corredores e corredoras, às 19,30, no Largo de S. Carlos, precisamente onde nasceu o Poeta. Após uma breve apresentação,  pés ao caminho, num roteiro turístico-cultural-desportivo que encheu as medidas a todos os participantes. O andamento era moderado, para que todos pudessem acompanhar, mas mesmo assim, eram feitas paragens nos jardins, para reagrupamento e sempre que havia qualquer coisa para comunicar sobre edifícios que tinham a “marca” de Fernando Pessoa.
Tudo ficou bem documentado nas excelentes reportagens fotográficas de José Carlos Melo e de Manuela Folgado.
Não pretendendo alongar-me em considerações sobre o Poeta e sobre o seu génio, hoje dei por mim a rever a sua biografia, a tal que, nas suas palavras,  iria ser coisa simples : “se um dia quiserem escrever a minha biografia, basta que escrevam o dia em que nasci e o dia da minha morte. Entre um e outro, todos os dias foram meus.”
Entre um e outro, digo eu, ficou uma Obra que “o vai da lei da morte libertando” .
Tiro o meu chapéu aos promotores desta iniciativa, porquanto ela constitui a demonstração de que a Corrida pode ser muito mais que correr. E nós temos a sorte de podermos utilizar a nossa locomoção natural, para percorrermos distâncias grandes (que não foi o caso) em busca de locais simbólicos, com história e dessa forma adquirir ou consolidar conhecimento.
Da minha parte, fiquei freguês. Assim continue a mesma equipa, motivada para lançar novos projectos. Um grande bem haja para esta malta.

quarta-feira, 12 de junho de 2013

O Praticante e o 1º Trilho das Lampas



Fiquei todo contente quando vi que o 1º Trilho das Lampas mereceu 3 páginas da Revista o Praticante, com fotos geniais de quem lá esteve e um texto não menos genial de quem viveu intensamente uma primeira experiência no mundo encantado dos trilhos.
Figurar ao lado de outros grandes eventos, já de renome, é um orgulho muito grande e que, na qualidade de membro de uma equipa que se abalançou a organizar em pouco mais de 2 meses, este  1º Trilho, devo manifestar uma enorme gratidão a todos aqueles que o tornaram possível.
De uma forma voluntária, que muito me sensibilizou, a Revista O Praticante associou-se ao evento, manifestando a sua disponibilidade para fazer eco dele. 
Generosamente e com a maior prontidão e boa vontade, tive quem desse o seu testemunho  escrito e fotográfico, que constituem a totalidade do artigo publicado.
Paulo Pires e o Ventura Saraiva são os autores das  excelentes fotos publicadas  que ilustram o belo e convidativo texto da Ana Pereira.
Porém, certamente por algum lapso ocorrido, foram omitidas a autoria das fotos. Lamentavelmente.
Sendo a Organização do 1º Trilho das Lampas, beneficiária sortuda desta grande reportagem sobre o evento,  sente-se na obrigação de pedir desculpa pelo facto, aos autores das fotos, a quem publicamente agradecemos a colaboração. Obrigado Paulo Pires. Obrigado Ventura Saraiva.  Obrigado também, Ana Pereira, embora lhe tenha sido respeitada a assinatura do texto.

Estou convencido que a Revista O Praticante também lamenta o sucedido, pois tem todo o interesse em fazer justiça com aqueles que lhes fornecem os conteúdos com que se presta a informar, de forma sublime, os amantes da nossa modalidade.  Todos saberemos reconhecer o seu importante papel.

terça-feira, 11 de junho de 2013

Corrida do Ambiente- Sintra




Foi uma bonita Corrida organizada pelo CCD da Câmara de Sintra. A distância era curta (7,20 Km) e o horário (21,00H) permitia assistir ao anoitecer enquanto se davam as duas voltas ao percurso.
Antes, tinha havido provas para os escalões de formação, numa atitude que deve sempre ser sublinhada, pois é com ela que se pode introduzir na miudagem,  o gosto pela Corrida.
Pois, eu tinha vindo da Corrida de Santo António, em Lisboa, 3ª etapa do BESRUN  (onde fiz o tempo de 45,34) e vinha com o propósito de fazer uma prova descontraída, não saindo da zona de conforto. 35 minutos seria um tempo muito bom. Foi isso que tinha dito aos Happy Brothers  Nelson e Telmo, com quem fui de boleia.
Afinal, acabei por terminar a prova com 32,21 e eles com 31 e picos. Muito bom.
Quanto à organização esteve muito bem:  inscrições gratuitas, boa animação, com um PT a comandar o aquecimento, oferta de t-shirt no final, boné, um livro, água e bebida energética sportnutrition.
As classificações, a cargo da Jesus Events foram imediatas: à saída do funil, os atletas recebiam um talão, com a classificação geral e no escalão e o tempo aproximado. Aqui é que me parece pouco fiável, pois o tempo que se está parado no funil fica incluído no tempo final. No meu caso, foram 5 minutos que foram somados ao tempo de prova.
Mas, quem vinha à prova apenas para marcar presença, sem objectivos de tempo… já está a reclamar da cronometragem? Desculpem, mas saiu-me.

O que fica, sublinho, é uma excelente organização do CCD Sintrense que se espera, continue por muitos anos.

segunda-feira, 10 de junho de 2013

BESRUN 3


Foto: José Sousa



Do triplo desafio que o BES lançou,
A falta ao de Cascais me mortifica.
Optei  p’la que mais alto me falou
Que foi a grande Prova do Benfica.

Mas depois, já em Sintra, não faltei:
Subi, desci, no seio da multidão
E foi nesta segunda, que notei
Que esta Prova era de outra dimensão.

Finalmente, p’los Santos Populares
Lá vem Lisboa e cheio está o Rossio,
Com cheiro a manjerico pelos ares,
Fecha com chave de ouro o Desafio.

Em cada uma das três, uma lembrança:
-Frase forte gravada no metal-
Que juntas, vão formar uma aliança.
… E eu sem ter o segmento inicial…