terça-feira, 5 de agosto de 2008

Raide Melides-Tróia 2008 - Conclusão

As grandes lições a tirar

1 –Esta é óbvia: Sem treinos adequados, em ambientes idênticos, não pode esperar-se grande desempenho. Estive no Raide, sabendo disso, mas tendo presente que não poderia apontar para grandes objectivos. Concluí-lo, dentro do tempo que nos era dado, satisfazia-me perfeitamente Estive lá porque, desde a primeira vez, lhe reconheço características que ainda não encontrei noutras provas. “Puxa” muito por nós e ajuda a “descobrir-nos”.

2 – Protector solar : num dia cheio de sol, como este, foi fundamental a aplicação de protector . Sem ele, hoje estaria “bem passado”.

3 - Calçado: tem sido uma preocupação constante. Livremente, a Organização deixa que cada um leve o calçado que entender, mas com muita frequência, se chega à conclusão que não se tomou a opção certa. Que o digam os/as socorristas da Cruz Vermelha, a quem não faltou pés com bolhas para tratar. No meu caso, as meias de neoprene que usei se, por um lado, tiveram a grande vantagem de não permitir a entrada de areia, por outro, para quem não está habituado a correr descalço, sentiria a falta de protecção na planta do pé e os impactos, às tantas, começavam a incomodar. A água que entra, se, de vez em quando, a tirar-mos, não é o problema, mas acho que não voltarei a usar. No final, enquanto não troquei de calçado, estava aflito dos pés, principalmente do esquerdo , que foi o que “aguentou” com maior carga. Quando as tirei, tinha os pés branquinhos, que pareciam “mãos-de-vaca” prontas a cozinhar. No dia seguinte, senti dores onde habitualmente não sinto : tendão de aquiles, mas à direita ( ao contrário do que estava à espera).

3- Mochila : Acho que não volto a levá-la! Acabo por enchê-la de “coisas-que-podem-fazer-falta” e só servem para ir carregado. É desconfortável e, “aquece” muito as costas. Só é prática por causa do tubinho para bebermos água, mas ela aquece e fica sem graça nenhuma. Parece-me que o cinto é preferível, conclusão a que muita gente já chegou e que tem tirado bons resultados.


E a Organização?

Em termos de Organização não vi nada que possa ser desfavorável à atribuição de uma nota máxima. Um trabalho que já está “mecanizado” e que revela grande eficiência.Uma boa comunicação com os atletas e vê-se o cuidado que revela em ouvi-los, registando as observações que são feitas. Um bom acompanhamento durante a Prova (com moto-quatro), fazia-nos sentir em segurança. Cinco estrelas.

O único reparo que faço ( senão também não tinha graça ) é o fazerem-nos ir buscar o lanche lá looooooonge. Para ser franco, eu estava disposto a abdicar do lanche, por um naco de melancia, mas como calhava em caminho para apanhar o barco, lá fui. Já não deu foi para voltar para trás e assistir à entrega dos prémios. E não foi que não tivesse tempo, pois fartei-me de esperar pelo barco.

Só mais uma coisinha : andaram, andaram e retiraram por completo o nome de Raide (que em 2007 ainda mantiveram como subtítulo). Mas a mim... não me "apanham" a dar-lhe outro nome.

Falta só enviar um forte abraço a toda a Organização e felicitá-la por mais um grande sucesso.

2 comentários:

António Almeida disse...

Caro Fernando

parabéns pelo Raide e pelo excelente relato (como sempre).
Uma boa recuperação e grande abraço.

Fernando Andrade. disse...

Obrigado Amigo António Almeida.
Bons treinos, que cá o espero em S. J.Lampas.

Grande Abraço.
FA