quinta-feira, 19 de março de 2009

"Pobreza franciscana"


Sempre admirei este homem!
Caíu-me em graça, não só por ser um excelente comunicador, conseguindo levar “a mensagem” ao coração dos homens, mas, sobretudo por ter aderido à Ordem dos Franciscanos e, consequentemente, prestado voto de pobreza.
Pressupõe este voto, no pacato entendimento do cidadão comum, despojar-se dos bens materiais, abdicar de tudo quanto não seja o essencial para viver com um mínimo de dignidade, atento àqueles que nos rodeiam e que estão a passar necessidades maiores.
Veio hoje a público que o Padre Vitor Melícias, que eu tinha colocado num pedestal, afinal, recebe de pensões 7.450€ mensais !
Custou-me a acreditar, mas, ao que tudo indica, é verdade, pois os vários cargos importantes que desempenhou, dão-lhe direito às pensões indicadas. Vendo bem, comparado com os valores milionários que recebem certos gestores com responsabilidades na situação a que o País chegou, o Padre Melícias recebe uns “trocos”. Pois sim, mas não acham que para um “pobre” a “esmola” é demasiada ?
Obviamente, caíu por terra, a razão da minha admiração por este padre.
Assim, também eu quero ser “pobre”! ...E talvez tenha mais direito, pois não fiz qualquer voto que me proiba enriquecer, embora saiba que “alguém” o terá feito por mim.

4 comentários:

joaquim adelino disse...

Pois é amigo Fernando, de desilusão em desilusão vamos todos, mas todos, perdendo referências (embora esta para mim nunca o tenha sido)até que um dia não saibamos mais em quem acreditar.
Vão restando poucos exemplos e mesmo esses estão cada vez mais difíceis de descortinar.
Contudo eu ainda não perdi a esperança, porque ainda vão existindo por aí muitos homens e mulheres que considero como sérios.
Um abraço.

Ricardo Baptista disse...

Isto dos votos de pobreza tem muito que se diga, deixo este pensamento de Séneca para se refletir um pouco nisto:
"Pobre não é aquele que tem pouco, mas antes aquele que muito deseja."

Não sei nada da vida, nem da obra, deste padre, porém o que eu penso, caro amigo Fernando, é que não devemos ligar tanto à "esmola" que ele recebe mas sim ao que ele faz com essa esmola. E acho que é com este balanço que ele deve ser julgado.

José Alberto disse...

Amigo Fernando,

Pois é... pois é.

Aqui bem se aplica aquele ditado popular que diz mais ou menos isto: "Bem prega Frei Tomás, olha para o que ele diz, não olhes para o que ele faz".

Com amizade
José Alberto

João Meixedo disse...

he he, lapidaar!