sexta-feira, 1 de maio de 2009

28ª Corrida Internacional 1º de Maio (II)



Maio maduro Maio
Quem te pintou
Quem te quebrou o encanto
Nunca te amou
Raiava o Sol já no Sul
E uma falua vinha
Lá de Istambul

Sempre depois da sesta
Chamando as flores
Era o dia da festa
Maio de amores
Era o dia de cantar
E uma falua andava
Ao longe a varar

Maio com meu amigo
Quem dera já
Sempre depois do trigo
Se cantará
Qu'importa a fúria do mar
Que a voz não te esmoreça
Vamos lutar

Numa rua comprida
El-rei pastor
Vende o soro da vida
Que mata a dor
Venham ver, Maio nasceu
Que a voz não te esmoreça
A turba rompeu

Zeca Afonso

____________________
Isto foi para assinalar a data.

Para falar da Corrida é agora :

Não gosto de ser “má língua”, mas acho que esta Prova merece muito mais. Já no ano transacto teci algumas considerações sobre isto e não vislumbrei qualquer mudança (nem, obviamente, eu tinha a presunção de esperar que fizessem caso de mim). Não vi ninguém queixar-se, antes pelo contrário, só vi gente satisfeita e isso, no fundo, é o bastante
Mas o 1º de Maio é Festa! É ou não é? E o que é que se viu da Festa a não ser a boa disposição de quem ali confraternizava e um carro que no Estádio 1º de Maio lá emitia algumas cantigas alusivas à data ?
Quase já não há prova que não tenha a partida identificada com um pórtico insuflável, ou, pelo menos, uma faixa transversal . Havia apenas um traço marcado na estrada (que muita gente nem viu);
Os km ao longo do percurso, só os comecei a ver a partir do 8º (admito, no entanto, que tenha sido por distracção minha);
O encurtamento da distância tradicional (15km) para 14400m, -esta a falha mais grave- embora tendo sido comunicado previamente, não deixa de decepcionar os participantes. Bastaria terem compensado a volta à Praça do Comércio (interdita por causa das obras) por uma “chicane” qualquer ao longo do percurso. Pode dizer-se, com algum a propósito, que “em casa de ferreiro espeto de pau”. É que o Director da Corrida, de quem sou amigo e por quem tenho uma consideração especial, é o Presidente da CNEC, entidade que certifica as distâncias das Provas em Portugal. Não entendo porque terá sido considerado pouco importante a manutenção da distância.Uma prova com 28 anos de historial, merece ter nos seus anais, elementos que permitam aos participantes, comparar os seus tempos. Assim, não dá.Poderão dizer que esta era uma Corrida sem pretensões, só para o pessoal se distrair numa manhã desportiva. Sim, mas não são todas isso?!
À chegada havia cronometragem pelo chip, mas não vi o relógio indicando o tempo de prova. Deram-nos um saco com uma t-shirt, a medalha, uma garrafa de água e uma caneta (aqui, tudo bem).

Bem sei que os tempos são de crise, mas o que disse não me parece ser consequência disso.

Por mim, independentemente das críticas que fiz (que só pretendem ser construtivas) enquanto puder, virei sempre à Corrida do 1º de Maio, pois gosto muito de correr em Lisboa e este percurso é excelente. E se digo estas coisas é porque gostava que, no futuro, ninguém as dissesse .

6 comentários:

joaquim adelino disse...

Amigo Fernando, parabéns pela prova realizada e pelo excelente tempo conseguido, muito bom e depois de à poucos dias ter feito a Maratona de Madrid.
Gostei de o voltar a encontrar mas o raio do tempo disponível é sempre escasso nem dá para trocar dois dedos de conversa.
Partilho algumas observações, e não críticas, que aqui faz esperando que elas possam num futuro próximo terem tido algum sentido em melhorar esta belíssima prova em honra dos trabalhadores portugueses.
Abraço.

Adolfo disse...

Fernando

Foi primeira vez que participei naquela prova, sou novata nestas coisas. Se comparada com outras provas, reconheço a sua "simplicidade", mas achei que seria propositada. Uma prova simples para gente simples que se dispõem a correr. A linha de partida, sem qualquer "ostentação" foi, para mim, a coisa de maior simbolismo intencional: apenas uma linha discreta, basta para juntar multidões, ou seja, um motivo de partida para uma jornada de esforço, entendido por quem comunga dessa motivação. Possivelmente sou eu que sou "lírica":))) e tento ver as coisas assim. :))
Agora os quilómetros, isso foi mesmo distracção...eu, que os conto um a um, não vá o diabo tecê-las e eu não aguentar, posso dizer que os vi.
Nesta prova, quanto a mim, do que mais senti falta, foi do calor do público. Apenas alguns turistas e muito pouca da "nossa" gente reagia à nossa passagem. Os incentivos, as palmas, as brincadeiras, são do que mais gosto...

Gostei muito de o rever, embora ao longe. Queria dar-lhe pessoalmente os parabéns pela Maratona da semana passada. E falar um pouco consigo, "bebendo" da sua boa disposição e sabedoria destas andanças das corridas.
Ficará para a próxima.
Um beijinho amigo
Ana Paula Pinto

António Almeida disse...

Olá Fernando
parabéns pela prova, muito boa depois de Madrid.
A família ainda o viu, eu é que nada de "cidadão".
Como disse no blog da Ana Paula porque não para o ano fazermos o aquecimento na pista do estádio e com isso conseguirmos os tais 2 dedos de conversa de que o Joaquim fala.
Continuação de boas corridas.
Abraço.

Fernando Andrade. disse...

Amigo Adelino
Obrigado pelas palavras. De facto, foi pena não nos termos voltado a encontrar, mas o importaznte é que ambos pudémos disfrutar de um grande momento.
Grande Abraço.


Ana Paula

Foi um prazer revê-la, ainda que fugazmente.
Gosto da apreciação (benévola) que aqui faz desta Corrida do 1º de Maio. Os trabalhadores estão sempre conotados com a "simplicidade". Por isso, se quisermos, "simples" é o movimento da Corrida e isso é o bastante para proporcionar a satisfação a quem se habituou a contentar-se com pouco.
Mas quando falei que esta Corrida "merecia mais" ´
foi a pensar no "merecimento" dos corredores presentes.
Tenho consciência de que talvez me tenha "alargado com a língua" quando tenho "telhados de vidro". Normalmente não critico as organizações e quando o faço é com espírito colaborante. Fico sempre contente quando vejo sinais de melhoria e procuro compreender quando há coisas que não correram tão bem quanto o esperado. Mas quanto mais "consolidada" se encontra uma corrida (e esta tem 28 anos!), maior é a exigência esperada.
Oh Paula, será que um pórtico na partida será também "um cuidar que ganha em se perder?" Os trabalhadores são "simples" mas "dignos".
Claro que estou só a divagar, Paula! Percebo bem a sua observação.
Grande Beijinho.
FA

Olá António
De facto, foi pena não o ter visto mas não faltarão oportunidades. Essa ideia das "blogovoltas" de aquecimento parece-me excelente e assim, sempre haverá 10 ou 15 minutos para trocarmos umas impressões.
Grande Abraço.
FA

Paula Pinto disse...

Não Fernando, não se alargou com a língua e entendi o que quis dizer. A sua perspectiva é correcta e tem a visão do ponto de vista organizativo. Todos os contributos com vista à melhoria serão de agradecer e, ainda para mais, válidos e pertinentes como são sempre os seus, pela experiência acumulada ao longo de tantos anos.
E que os corredores merecem provas EXCELENTES, lá isso merecem...
:))) (são sorrisos amigos)

Beijinhos
Ana Paula Pinto

Duarte Gregório disse...

boas,
este ano nao participei em nenhuma prova, pois para alem de estar lesionado ainda tive de trabalhar (um mal nunca vem só,hi,hi,hi)
bom Domingo