quarta-feira, 28 de abril de 2010

O Ocaso







Em 1 de Abril de 2008, coloquei aqui no blogue, um texto nostálgico a que chamei "A Agonia do Velho Moinho".


A propósito das celebrações do Dia dos Moinhos, ocorrida há dias, lembrei-me dele, desarquivei-o e achei que se o tornasse público no Jornal de Sintra, seria uma boa forma de prestar homenagem ao Vitor Hugo, o moleiro resistente, velho amigo, a quem a idade e a saúde, lhe tinham colocado um ponto final no ofício de muitos anos.


A falta de espaço, atrasou a sua publicação para outra edição do semanário, conforme me informaram. Quase ao mesmo tempo, informaram-me também que o Vitor Hugo, que eu não via há alguns meses, estava a ser sepultado!


Descansa em paz amigo. E que as velas do moinho "apanhadas" por ti, possam, em tua memória, voltar a segurar o vento, girando ao som dos búzios do cordame. Assim surjam mãos sábias como as tuas.


4 comentários:

André disse...

Conheço bem o moinho. Foi-me apresentado pelo Vítor Hugo em 2005, numa tarde primaveril quente e luminosa...
que tristeza.

José Alberto disse...

Olá Fernando,

Enquanto alguém se lembrar do moínho e do Victor Hugo, O Victor Hugo não morreu.

Grande abraço

José Alberto

Ricardo Hoffmann disse...

Bela homenagem amigo. Que os ventos não calem isso.

EVB disse...

Gostei muito! Abraço