segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

3ª Corrida de S. Silvestre de Lisboa - Opinião

A minha chegada com o trio Tandur (António Almeida,Vitor Veloso e Filipe Fidalgo)

Tal como já disse, gostei, em termos gerais desta Prova. É bom que Lisboa, consiga atrair tanta gente para correr, num cenário, tão bem ornamentado pelas luzes de Natal.

Também acho interessante que as atletas de elite partam com um avanço calculado para equilibrar a sua participação com a dos homens e possibilitar-lhes que seja uma mulher a chegar primeiro à meta, beneficiando dos justos aplausos do público e não estarem permanentemente sujeitas a passarem despercebidas (ou então, a que a organização chame a atenção para o facto de ” estar a chegar a 1ª atleta feminina”) no meio de um pelotão masculino. Parabéns à “nossa menina de ouro” Jéssica Augusto, que revalidou o título conquistado no ano transacto. O nome que deram a isso, de “Guerra dos Sexos” é que não me parece o mais feliz, mas…

Hermano Ferreira, apesar de estar próximo, não conseguiu neutralizar a vantagem por alguns segundos.

Gostei também que houvesse a oportunidade para que os pequeninos pudessem participar na Festa.

Gostei muito do local da chegada, com o Arco da Rua Augusta a enquadrar o pórtico da chegada e com a imponente estátua de D. José e o seu cavalo a servir-lhe de fundo.

Gostei do percurso, ainda que, nalguns pontos o piso não estivesse em muito bom estado e mal iluminado (R. Ribeira das Naus), mas a Avenida da Liberdade assim iluminada e repleta de corredores é um espectáculo indescritível.

Não gostei do local da partida. Numa prova que se dizia com 8000 (5000+3000) nunca poderia haver uma curva de 90º a 50m ! Claro que isto constituiu um forte obstáculo a uma saída rápida. Em minha opinião, o local ideal para a partida, seria na Avenida da Liberdade, lá para os lados do Marquês de Pombal. Aí sim, havia espaço para uma partida rápida e livre.

Não gostei do controlo no acesso às zonas de tempos. Não que tivesse sido prejudicado, pois sem querer, entrei numa cancela aberta e quando dei por isso, estava na zona dos sub40, embora soubesse que não faria menos de 45. Mas soube de muitos atletas que repararam que, nessa zona estava gente dos 3km ou lentos que, obviamente, levava encontrões, sujeitando-se a magoarem-se e a provocar que outros se magoassem. Torna-se imprescindível o uso de pulseiras e um serviço de “portaria” eficaz. Na Corrida do Tejo –honra lhe seja feita – esta parte funcionou bem nas vezes que lá estive.

Não gostei do abastecimento. Foi feito de uma forma tímida, em local pouco visível. Valeu o facto de a temperatura baixa não convidar muito a beber água e a prova ter apenas 10km. Muitos atletas, mas mesmo muitos, não terão tido a possibilidade de deitar a mão a uma garrafinha de água, pois ainda por cima, só havia água do lado esquerdo. Quem fosse pelo outro lado, tinha que ir “fazendo a diagonal” com cuidado e, quando lá chegasse, já não havia ninguém a dá-la.

O crescimento que esta Prova teve de 2009 para 2010, revela que Lisboa tem potencial para uma Corrida de S. Silvestre de grande nível (tem sido a mais participada do País). No entanto, não me parece moralmente correcto que a conquista desse estatuto, lhe permita marcar a próxima edição para 31 de Dezembro, a data que, pela tradição de 36 edições sempre pertenceu à S. Silvestre da Amadora, ali a dois passos. Saliento que nunca fiz a prova da Amadora, enquanto que fiz as 3 edições já realizadas desta de Lisboa. Mas acho que, antes de anunciarem esta data, seria de bom tom “concertá-la” com Amadora. Obviamente que, se isso foi feito, retiro o que disse e peço desculpa.

Por último, quero felicitar a Organização por esta magnífica prova, pois com os reparos que fiz pretendo apenas contribuir para que possa melhorar o que já tem um grande nível. É claro que só fará caso de mim, quem quiser .



17 comentários:

BritoRunner disse...

Olá Fernando

Claro que o comentário de "tantos sub 40" não me referia à tua pessoa, mas sim aos participantes na prova dos 3kms, que quanto a mim deveriam de sair na parte final.

Concordo com o reparo feito quanto à zona da partida, mas eu penso que se for feita na Av. Ribeira das Naus o problema da curva a 90 graus fica resolvido, terá é que ter mais iluminação...

De resto tudo muito bom, claro que quem organiza provas sabe que nem tudo corre conforme o planeado, mas no geral foi muito bom.

Quanto à prova ser no dia 31 no próximo ano, não acho correcto, só irá prejudicar o evento.

Quanto à tua prova, parabéns.

Bom 2011

Anónimo disse...

Olá padrinho
claro que a organização só terá a ganhar em ouvir os atletas e no teu caso em particular também de organizador.
Grande festa a nossa, foi uma honra ter feito parte da guarda de honra.
Abraço,
António Almeida

Anónimo disse...

Tal como o Fernando nunca fiz a São Silvestre da Amadora,mas não me parece de bom tom, nem trás nada de bom ao atletismo a realização de duas provas no mesmo dia com tão pouca distância a separá-las.
1 Abraço
A. Beijinha

NK disse...

Pois é Fernando,

Não posso deixar de concordar pois no meu posta já tinha referido todos esse factores.

Um bom 2011!

JoaoLima disse...

Olá Fernando.
Também concordo que o termo "guerra dos sexos" não é o mais feliz por ter uma palavra odiosa como guerra numa competição tão saudável. Tanto quanto sei, foi adaptado do que se faz no estrangeiro, mas o termo guerra poderia ser substituído por competição ou similar.
Mas o conceito é que é muito bom e, tal como refere, permite ser uma mulher a primeira a cortar a meta. Eu, apesar de ser homem, ou talvez por isso, torço sempre é que sejam elas a ganharem. As nossas meninas de ouro bem o merecem!
E este conceito permite outra coisa. Será que a Jéssica e o Hermano teriam feito o tempo que efectuaram sem esta competição? A Jéssica ficou, inclusive, a escassos 17 segundos do record nacional de estrada da nossa Rosinha, feitos em 1987, há 23 anos!

Um abraço e, se não falarmos antes, um 2011 com tudo do melhor!

luis mota disse...

Olá Fernando!
Renovo os meus parabéns pela participação na São Silvestre de Lisboa, com boa companhia.
Esta é uma prova quase perfeita e como todas podem melhorar. Concordo com o que escreves e acrescentaria o que considero ser o mais importante a corrigir: A partida dos invisuais.
Para mim, após a partida das senhoras, deveriam correr os invisuais e seus guias, para não terem barreiras humanas. Eles partiram junto da elite, sujeitos a empurrões de quem partiu atrás de si.
Depois chamaria “O sexo mais forte” à competição, para apimentar a coisa!
Um bom ano para ti e para todos os que visitam o cidadão
Luís Mota

Carlos Lopes disse...

Olá Fernando

Parabens pelo texto e pela prova.

Anónimo disse...

Bom, quanto à S. Silvestre de Lisboa não posso comentar nada porque não fui lá.

Quanto à data de 31 de Dezembro para a próxima edição, posso dizer o seguinte:

Salvo melhor opinião, acho que estão a laborar num erro; do meu ponto de vista a S.S. que poderá ser mais prejudicada é… a própria S. Silvestre de Lisboa.

Reparem, apesar da S. S. Amadora, a dada altura, não ter muito em conta os atletas de pelotão:

1984---824 Classificados, recorde da prova
1985---665
1986---644
1987---612
1988---472
1989---426
1990---294!!! Recorde negativo até hoje.

Em 1995 a participação volta à casa das seis centenas, mantendo-se por aí até 2003, para em 2004 entrar na casa das sete centenas com 722 classificados.
2005---700
2006---754
2007---781
2008---669
2009---695

Nestes últimos anos tudo tem feito para manter os seus “clientes”. Claro que todos nós sabemos que a SSA “vive” do extraordinário ambiente popular ao longo dos seus dez kms, e é isso que vai continuar a “prender” aquelas seis, sete centenas de atletas.

Por outro lado, no dia anterior, nos Olivais, sem grandes brindes ou ambientes festivos ou extraordinários, capta todos os anos mais de mil atletas.

2006---969
2007---1078
2008---1026
2009---1052

Recordo que há limite (1200) de inscrições nesta prova e todos anos esgota.

Porquê? Precisamente por causa da data. Muitos atletas moradores na região de Lisboa não podem correr no dia 31 face à necessidade de se deslocarem para outros locais por causa da passagem de ano. E é por este pormenor de um dia, que estou convencido que a grande prejudicada com a simultaneidade vai ser a própria São Silvestre de Lisboa. Não por causa da S. S. da Amadora, não por causa da S. S. dos Olivais, mas sim pela data!

Anónimo disse...

Faltou a assinatura na mensagem anterior:

Orlando Duarte

JoaoLima disse...

Caro Orlando, excelente ponto de vista!
Se me permite uma pequena correcção, os Olivais em 2008 teve 1.117 classificados e não 1.026. Neste ano fizeram 2 classificações separadas pelo género, sendo que a masculina teve 1.026 e a feminina 91.
Um abraço e boas corridas!

Fernando Andrade. disse...

Olá Brito
é claro que eu tinha percebido que a "boca" não era para mim, mas como eu sabia que tinha transgredido, só tinha era que "enfiar a carapuça". Quanto à R.Ribeita das Naus para a partida, o princoipal inconveniente que lhe vejo é ser demasiado estreita. De uma forma ou de outra, espero que a Organização reveja o problema.
Abraço.

Grande António

Foi muito agradável a surpresa da vossa companhia na parte final. Obrigado.
Abraço.

Caro Beijinha
É pena que, por razões pouco esclarecidas, se criem rivalidades em vez de complementaridade. Acredito que o bom senso, ainda venha a imperar.
Abraço.

Grande Nuno
estamos de acordo e não seremos só nós mas muitos outros, não com o objectivo de denegrir o excelente trabalho da Organização -pois não é fácil pôr de pé uma prova destas - mas sim de deixar umas anotações que a possam melhorar.
Abraço.

Caro João
o nome "guera dos sexos", apesar4 de feio, ainda será o menos, pois o importante é a "fórmula" que, ao que sei, não existe em nenhuma outra prova. Bem "enjorcado".
Abraço.

Grande Luis.
Ainda te gritei quando vinhas a descer a Av. da Liberdade, mas não deste por isso. A partida dos invisuais, de facto, poderia ser numa posição intermédia e de certeza que haveria menos riscos.
Como sempre, fizeste uma excelente Prova. Parabéns.
Abraço.

Obrigado Carlos Lopes.
Gostei de te ver lá na frente, com muito poucos atletas à tua frente. Sim senhor. Sempre ao mais alto nível. Parabéns.

Abraço.

Grande Orlando.
Assim que comecei a ler o teu comentário "adivinhei" logo que eras tu, pois aquelas análises estatísticas são a "tua praia" (desculpa usar uma expressão que já enjoa).
Concordo que a data de 31 de Dezembro, mais do que prejudique aa Amadora, prejudicará Lisboa. É pena não se ter "pesado" bem os prós e os contras antes de se decidirem por uma coisa destas.
Cá pelas "Piratarias", ao menos, não chateamos ninguém e isto, para o ano, vai ser novamente de arromba.
Grande Abraço.

A todos um Excelente 2011.
FA

Filipe Fidalgo disse...

Olá, "Padrinho" Fernando Andrade.
Eu digo sempre, ouçam o cidadão pois o Homem tem razão. E ou também muito me engano ou para o ano a SS de Lisboa irá sair prejudicada pela alteração da data.
Quanto à prova, foi magnifica a festa que fizemos ao percorrer aqueles últimos km´s juntos com a guarda tanduriana a escoltar o grande Fernando. Aquela chegada a 4 lado a lado será certamente motivo de muito orgulho para toda a blogosfera corredora, pela mensagem de amizade e desportivismo ali demonstrada.
Um Grande Abraço e votos de um Excelente 2011.

Fernando Andrade. disse...

Olá Filipe
"afilhado" maratonista. Obrigado pelas palavras aqui deixadas e pela satisfação, que também é minha, de termos terminado a prova irmanados do espírito de amizade de cultivamos nos nossos blogues.
Grande Abraço
FA

JoaoLima disse...

Bom dia caro Fernando

Pois está muito bem enjorcado mas não é mesmo invenção nacional. Lá fora já se tem feito, e com esse nome, e foi numa prova que a Jéssica foi no ano passado, penso que na Irlanda, que o seu agente e organizador da São Silvestre de Lisboa, Hugo Miguel Sousa, ao ver o sucesso dessa fórmula se lembrou de fazer o mesmo aqui.

Um abraço e boas corridas!

Fernando Andrade. disse...

Obrigado pelo esaclarecimento, João
É bom que se importem os bons exemplos e que se deixe por lá ficar o que não não nos serve para nada.
Grande abraço.
FA

Mário Lima disse...

Fernando

Li o teu tema e os reparos feitos. Não há nada a fazer. Bem ouvi o homem do megafone a alertar as pessoas que iam correr os 3 km para ficarem no fim, mas em Portugal há um problema de audição, nestas provas são todos "surdos".

Embora o local seja mais em conta que o do ano passado por mais largo, a falta de iluminação própria da época fez-me nostalgia da partida do ano passado. Enfim... Não se pode ter tudo.

Um acabar em cheio com a equipa Tandur. Para quem, como eu, correu sozinho foi linda a tua festa "pá".

:)

braços e Bom Ano 2011

Fernando Andrade. disse...

Obrigado pelo teu comentário, Mário. Tive pena de não te ter visto, nem sequer a cruzarmo-nos.
Para ti e para os teus, desejo um ano de 2011 cheio de saúde, vontade de correr e as outras coisas boas que tu é que sabes.
Gramnde abraço.
FA