quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

27ª Maratona Ciudad de Sevilla



<><><><>
<><><>
O fantástico gupo
Com o Mário Gomes (Os  "Açoreanos" prontos para a função)
 
A fantástica claque

Tudo vai bem (ainda no início...)

Aos 10 (na Ponte de la Barqueta)

Aos 32  (sorriso já...fingido)
Fotos retiradas do Album da Isabel Almeida


Sai-se do estádio e apanha-se a D. Carlos III, extensa avenida em que as faixas ficam repletas de corredores em quase toda a sua extensão, num ir e voltar, onde cada um dos corredores pode ver bem a dimensão humana desta Maratona. O 1º abastecimento, dos 5km, ainda é nesta avenida. Olho para o relógio. Estava com cerca de 30 segundos de avanço dos 25 minutos e isso daria um tempo final muito abaixo das 3,30. Impossível. Este andamento era excessivo e tinha de ser refreado, embora soubesse que ele era consequência de ter saído muito na frente. Abrando. No parque de Alamillo, por volta dos 8 km ia incomodado, pois bastou vir-me à cabeça que precisava aliviar a bexiga, para que isso já não me largasse. Não é que estivesse muito aflito, mas o melhor era arrumar já a questão. Era só escolher uma árvore.

Recomposto da paragem, que também serviu para não notar que tinha metido outro ritmo, passo aos 10 na Ponte de La Barqueta, onde havia novo abastecimento, com 49 minutos. Mau, afinal, não reduzi nada! Continuava a andar abaixo dos 5/km. A continuar assim, dentro de pouco tempo e tendo em conta a preparação feita, estaria a dar o estouro. “Levanto o pé” ainda por vontade própria (que é sempre melhor do que por não poder). Nova chatice: a tripa não vai bem e obriga-me a “encolher” e a sentir-me desconfortável. 15Km: 1,14,30. Já estava mais de acordo, mas ainda acima do que devia. Não custou a adivinhar que, na próxima contagem, toda a vantagem se iria embora, pois o desconforto intestinal travava-me. Não podia ser. Abastecimento dos 17,5: vejo uma casa de banho atrás dos voluntários e decido fazer um desvio. Foram 3 minutinhos sacrificados (podia ter sido menos, mas para ficar mais descansado…) mas que valeram a pena, pois retomo um andamento agradável. Meia Maratona: quase 1,49.

Ora, descontando os 3 minutos e o abrandamento que tinha colocado, ainda ia muito bem e agora, com o espírito (e o físico) menos desgastado. Por volta dos 22km, vejo à minha frente, dobradinha em 4, uma nota de 10€(!). Será? Confirmo e, claro, apanhei-a, ai não! Mostrei-a ao atleta que ia mais perto de mim e disse-lhe :”- já ganhei o prémio!” e ele respondeu numa espanholada qualquer que não entendi bem, mas que interpretei que era qualquer coisa parecida como:.- “bueno, haverá mais?’!

Estava na altura de “meter” gel, para aproveitar a água dos 22,5 e vou esvaziando aos poucos a embalagem até perto dos 30Km. Subi bem aquela enorme recta que começa aos 29, onde, habitualmente, costumo sentir uma forte quebra. 30Km: 2,35 mas já não me preocupava com o tempo, quer ele fosse rápido ou lento. A mente –e isto é errado - começava a centrar-se na chegada. Aos 32, novo gel. Este não me caiu nada bem ! fiquei nauseado e tive de me pôr a passo, durante uns 20metros à espera que passasse. Demorou a estabilizar, mesmo depois de recomeçar a corrida, mas lá fui encontrando o meu ritmo, que ia sendo fortalecido por ir ultrapassando muitos corredores que iam bem pior que eu. Entrada no Parque. Só faltam 3. Está feita. Encho-me de genica e lá vou, decidido a não abrandar, verificando depois que fiz os últimos km ao ritmo dos primeiros. Aquela emocionante entrada no Estádio, a marca dos 42, mais uns metros e… está feita 3,40,45, a uma média de 5,14/Km.

Se clicarem e escreverem "2545", verão o  meu ondulante desempenho .

Segue-se o ritual da toalhinha pelos ombros e a palavra de felicitações pelas simpáticas voluntárias; a retirada do chip; a água, as laranjas; a medalha; o saco do reforço alimentar; o guarda-roupa; o banho; a cervejinha; a passagem pelo estádio, vendo alguns que ainda iam chegando.

Estava a levantar-se vento. O excelente tempo que fez durante a prova ia mudar, para dar lugar à chuva, conforme as previsões.

9 comentários:

Carlos Castro disse...

"FELICITACIONES"!
Grande relato e enorme prova, Fernando! Aqueles km finais devem ter destroçado o pelotão completamente, a julgar pelo gráfico (o nº a inserir é 2545)!
79º no escalão é muitíssimo bom, com a ida às "boxes" e tudo o resto...
Parabéns!

MPaiva disse...

Fernando,

Muitos parabéns pelo resultado final que, vistas as incidências da prova, se pode considerar excelente.

abraço
MPaiva

Fernando Andrade. disse...

Amigo Carlos
Obrigado pelas "felicitaciones" e pela correcção que fez ao meu dorsal. Esta é uma boa maratona, altamente recomendável para a "internacionalização" dos nossos maratonistas.

Olá Miguel

Obrigado pelas tuas palavras. Andas a apontar para uma maratona em Abril, de que já falámos, mas desta também tenho a certeza que irias gostar. Tem um percurso muito plano, adequado a grandes tempos.
Quanto aomeu desempenh...olha, sem ser excelente, foi bom dados os imprevistos e a falta de preparação.

Abraço a ambos.

JoaoLima disse...

Valeu bem a pena a espera pela 2ª parte deste grande relato que nos faz ver e sentir toda a prova.
Obrigado Fernando pela partilha.

No gráfico está bem patente o óptimo ritmo final.

E com o insólito bónus dum prémio em forma de nota a meio da prova!

Um abraço

Fernando Andrade. disse...

Obrigado João.
Esta coisa de acabar rápido, tem um nome : - "andar na ronha" mas é assim que eu gosto de andar: desfrutar do passeio e do prazer da Corrida. Isso do ir depressa, já estou como o meu amigo João Lima, não quer dizer nada, pois o meu ponto de vista é o de que ganha quem andar mais tempo a correr, eheheh.
Abraço.

Mário Gomes disse...

Olá Fernando,
Muito bem pelo comentário "prontos para a função"!
Belas fotografias.. e a seguir está ai, Paris para mim e Madrid para ti á porta..
Um abraço,
Mário Gomes

José Xavier disse...

olá Fernando;

Parabéns pela numero 40 das tuas maratonas.

A descontração foi tanta, que até deu para ver a nota de 10 euros a andar ali perdida, de um lado a outro no meio dos martonistas hein!!
Gostei deste pormenor.

Um abraço amigo dos Xavier's

BritoRunner disse...

Parabéns Fernado pela 40ª

Isto realmente há pessoal com muita sorte... correr uma Maratona e achar 10€, só mesmo em Espanha aqui em Portugal só se fosse 1€...heheheh

Gostei de te ver, embora tivesse sido por pouco tempo, mas a tua experiência dá sempre bastante confiança a novatos como nós.

Abraço

Fernando Andrade. disse...

Olá Mário.
Sevilha foi um excelente teste para Paris. Aí vais arrasar. Boa prova.

Xavier
Obrigado pelas palavras. Então e Roterdão, aí à espreita, hein? Sei que a preparação tem sido intensa. Sendo certo que quem prepara a sua 1ª maratona tem uma carga de ansiedade acima da média, não é menos certo que, quando se faz o trabalho de casa (embirro um bocadinho com esta expressão que vai estando gasta, mas agora dá jeito) o corredor deve colocar a confiança e a prudência num mesmo patamar de comando das operações. Nada de stresses, pois se um lingrinhas como eu, sem ser dotado de grandes atributos e sem fazer grande preparação, consegue s "proeza", também tu conseguirás.
Grande abraço.

Olá Brito.
Como vês, não é só a natureza que nos brinda enquanto corremos nos trilhos de que tanto gostas (e eu também). Desta vez, até o asfalto, de tão má fama, me quis compensar pela minha fidelidade à Maratona de Sevilha, eheheh e "deu-me" um bonus de 50% no valor da inscrição,eheh.
Abraço.