sábado, 30 de março de 2013

O Sr. Arquitecto




Partindo do pressuposto que tudo o que é publicado no fb é do domínio público, não cometerei qualquer abuso, ao trazer para este blogue, uma interessante discussão. Digo “interessante” porque o comentário que lhe deu origem era, para mim, inimaginável, ainda para mais vindo de quem veio.
Começo este apontamento com a informação de que esta foto é do arquivo de José Regalo e retirada do seu mural do facebook . 
Trata-se de uma foto, que não deixa de causar alguma nostalgia e merece, sem a menor dúvida, uma legenda adequada. Aceitam-se propostas. Arrisco algumas : “Saudades” . “No tempo em que tínhamos campeões”,  “Destes já não se fabricam”…e tantas outras , ao sabor da sensibilidade ou imaginação de cada um. Quem diz, “legenda” diz “comentários”.  

Mas agora, vejam esta “pérola” que arranjaram para “colar” à imagem :

Agora é a treta das caminhadas que está na moda... "corre-se" alegremente a 6 minutos o Km e ganha-se sempre medalha no final... E acham que todos são campeões...

Como não podia deixar de ser, por mais que desejasse a cordialidade , PASSEI-ME .
Se tiverem paciência, convido-vos a ler o desenrolar da discussão e, muitos, tal como eu, ficarão incrédulos com o que disse um “ex-alto responsável da FPA”.

Luís Leite Agora é a treta das caminhadas que está na moda... "corre-se" alegremente a 6 minutos o Km e ganha-se sempre medalha no final... E acham que todos são campeões...
Fernando Andrade Caro Luis Leite esta sua afirmação, ainda por cima dita por um ex-dirigente da FPA, parece-me muito infeliz, para não dizer "deselegante". O "acham-se todos campeões" é você que o diz e menosprezar aqueles que caminham ou correm devagar é uma atitude, no mínimo, revoltante para os milhares de corredores de pelotão. A conversa não era comigo mas não me passou despercebida esta sua posição e por isso tomo a liberdade de comentar. Os contributos que deu para o Atletismo, com toda a certeza, estão nas antípodas desta sua declaração.
Luís Leite Assumo claramente esta posição, que tenho defendido de forma consistente há anos. Confunde-se desporto intencionalmente desporto a sério com brincadeira descomprometida. Vangloria-se a mediocridade. O que valem 6 minutos por Km? 15s nos 100m, 60cm em altura, 10m no dardo? E com esta demagogia tem-se destruído o meio-fundo português. Os quenianos riem-se destas estranhas lesmas... O nivelamento por baixo levado ao extremo. Os da fotografia é que eram atletas e campeões!
Fernando Andrade Existem níveis diferentes de encarar o desporto. Estar a querer metê-lo todo no mesmo saco e responsabilizar um pelo insucesso do outro, é que me parece demagógico. Porque fazem marcas fracas, não têm o direito de praticar?Ninguém que corra a 6m/Km tem pretensões de ser campeão. Que os quenianos se riam ou deixem de rir talvez esteja no fim da fila das nossas preocupações. Nunca as "estranhas lesmas" impediram o aparecimento de campeões como os da fotografia. E se se sente bem manter-se numa atitude de menosprezo pelos simples praticantes, pois que continue, assumidamente, como diz. Mas tenho que lhe dizer que fico feliz por não ver o seu nome nos órgãos da FPA.
António Sousa Caros Fernando e Luis, penso que ambos estão a referir-se a coisas diferentes e no meu entender ambos tem razão. Existe lugar para todos, cada um com o seu papel bem diferente no mundo do Running, não podemos é deixar que os menos avisados confundam as coisas, como acontece com muita frequência. Os milhares de participantes que semanalmente participam nas corridas pelo mundo fora são indispensáveis nesta industria, porque consomem running. os veteranos que participam em campeonatos de turismo desportivo, os deficientes que se sentem mais integrados na sociedade através do running, os militares, os sem abrigo, etc... todos tem campeonatos, todos ganham as suas medalhas mas nunca caiam na tentação demagógica das comparar com as obtidas nas verdadeiras grandes competições pelos verdadeiros atletas de Alto Rendimento!
Mário de Sousa Mas há muita gente que quer fazer esta confusão porque lhes interessa.
Fernando Andrade Caro António Sousa, ao dizeres que ambos temos razão e relendo o teu oportuno comentário. não vejo onde é que está a parte do Luís Leite, que é claramente contra a existência de" lesmas no pelotão" que fazem rir os quenianos. Dirigentes assim, não obrigado. E tu conheces-me e sabes que eu sou das pessoas mais pacíficas que há e que gosto de tentar encontrar pontos de vista comuns. Mas com fundamentalistas de causas que estão por provar, não vejo como.
António Sousa E já agora, por favor, não cometam o erro de me "misturarem" com alguns dos ATLETAS que estão na foto, esses corriam a serio, eu apenas tive o privilegio de falar com eles... 
António Sousa
 Amigo Fernando Andrade, não pode ser fundamentalista na leitura dos comentários do Luis Leite, tente perceber o que ele quis dizer, ou que eu penso que ele quis dizer. todos que andamos aqui à muitos anos e tivemos não só o privilegio de assistir a tantos momentos extraordinários protagonizados pelas gerações de 80 a 2000, como conviver de perto com esses campeões, sentimos uma enorme tristeza pelo definhar do meio-fundo português.
Fernando Andrade Oh Sousa, o Arq. Luis Leite assumiu tudo o que disse e sublinhou claramente que a massificação da Corrida era prejudicial ao aparecimento de novos campeões como os da foto. Era até demagógico! Achincalhou as pessoas que fazem caminhadas... Eu gostava muito de encontrar aqui um fio de convergência com o pensamento dele, mas não dá. Pois que passe muito bem a fazer campeões como ele saberá, mas não venha dizer que, se não conseguir, a culpa é dos coxos. De qualquer forma, amigo Sousa, agradeço-te o esforço de conciliação. Abraço.
Fernando Andrade Oh Sousa, o Arq. Luis Leite assumiu tudo o que disse e sublinhou claramente que a massificação da Corrida era prejudicial ao aparecimento de novos campeões como os da foto.Era até demagógico! Achincalhou as pessoas que fazem caminhadas... Eu gostava muito de encontrar aqui um fio de convergência com o pensamento dele, mas não dá. Pois que passe muito bem a fazer campeões como ele saberá, mas não venha dizer que, se não conseguir, a culpa é dos coxos. De qualquer forma, amigo Sousa, agradeço-te o esforço de conciliação.Abraço.
Luís Leite Eu não achincalhei ninguém. Apenas argumentei que as caminhadas e a corrida lenta não têm qualquer valor desportivo. Valem tanto como uma dúzia de amigalhaços se juntarem para jogar à bola (não Futebol) num descampado, muda aos 5, acaba aos 10. Entretêm-se e fazem algo de que gostam. Não tem problema nenhum. Antes pelo contrário. São futebolistas? Não. O que eu acho profundamente errado é existirem empresas públicas ou autarquias que gastam milhões com a malta que se diverte em eventos sem valor desportivo e com quenianos que nada têm a ver com aquilo. E com o verdadeiro Atletismo federado, nada. Se forem empresas privadas, nada contra. É como se no Estoril Open pudessem participar tipos que não acertam com a raquete na bola, juntamente com jogadores do top-ten mundial. Eu nem sou contra eventos folclóricos. Entendo apenas que são populistas e demagógicos se neles for gasto dinheiro dos nossos impostos. E não compreendo a valorização que é dada ao "correr devagarinho" ou vender dorsais de competição e entregar medalhas a quem vai fazer uma "mini-maratona" (paradoxo demagógico) a caminhar. Comparada com o desinteresse por aqueles que são verdadeiros grandes atletas. Quais são os heróis? Este país tem vindo a nivelar por baixo, com a fundamentação igualitária. Somos todos iguais. Mas há uns que são mais iguais que os outros. E não me venham com a treta da "inclusão social". Toda a gente pode fazer as actividades que quiser se assim o entender. E a prova é que os deficientes e os veteranos ganham mais medalhas que os profissionais nas grandes competições internacionais. Algo vai mal no reino da Dinamarca.
José Figueiredo As pessoas das caminhadas e corridas em passeio, fazem-no para se divertirem e conviverem, em vez de estarem na tasca.l Não sei porque serão eles a ter a culpa de não haver mais atletas de topo.Meia dúzia de amigalhaços vão fazer uma perninha a jogar ténis, como é evidente não temos jogadores de topo, por causa deles. Vamos estar todos sossegadinhos, para ver se aparecem esses atletas de alto gabarito.
José Figueiredo à certos indivíduos que melhor seria estarem calados.
Luís Leite José Figueiredo: eu nunca culpei ninguém por se querer divertir a fazer o que quer que seja. O que eu escrevi e já defendi em palestras é que a massificação da corrida lenta não tem trazido quaisquer vantagens para a modalidade Atletismo, já que os rankings estão cada vez piores. Repito: não tenho nada contra quem corre devagarinho ou anda a pé, antes pelo contrário. Na 2ª metade dos anos 70, houve uma estrondosa massificação desportiva no meio-fundo português, após as primeiras medalhas do Carlos Lopes. No Estádio Nacional, tínhamos 5 ou 6 séries de 1500m em que dezenas de atletas faziam menos de 4 minutos. Muitas vezes, tinham que se fazer 2 séries de 5000m e 10.000m e quase todos corriam para menos de 14:30 e 30:00 minutos. Isso sim, era desporto a sério. Agora, as pessoas mais jovens não estão para isso. Mantenho que correr a 6 minutos o Km não vale nada desportivamente.
Luís Leite Se o indivíduo que devia estar calado sou eu, você errou, porque eu escrevi, não falei. E já agora, já ouviu falar no verbo HAVER? Não? Não tem culpa, certamente. Você ou é analfabeto funcional do antes do 25 de Abril ou pertence a uma geração que andou na escola pública depois do 25 de Abril. A geração da Escola de Massas e do facilitismo. Desculpe dizer-lhe isto, mas você não tem nível para argumentar comigo. Boa Páscoa.
José Manuel Conceição Que pena certas pessoas com tanta sabedoria acerca de métodos de treino não incentivarem os jovens preguiçosos.
Luís Jesus Olhar para esta foto é recordar com alegria momentos inesquecíveis
Neste dia ganhou o Domingos, Guerra foi segundo e eu terceiro.
Obrigado Zé Regalo por este momento de lembrança.
Não posso deixar de vos dizer que me sinto triste pelos comentários anteriores ao meu. Sou amigo dos comentaristas anteriores com o qual me identifico em vários pontos.
Em primeiro acho que se faz alguma confusão na interpretação nas palavras do Arquitecto Luís Leite (que muito da sua vida deu ao nosso atletismo). Dizer e comparar alguém que pratica desporto com um simples praticante de atividade física…. é no meu entender completamente errado. No meu leigo entender e de acordo com o que foi dito pelo Arquitecto, nunca foi que a corrida de rua e sua massificação, era prejudicial ao aparecimento de campeões. Podemos verificar isso mesmo, olhando ao nº de atletas Campões Internacionais que começaram em provas de estrada e depois captados para a pista. Este facto não pode jamais ser confundido com NINIS MARATONAS ou algo do género, caminhadas e afins. Tudo o que é caminhar e correr algumas vezes por semana, não pode ser considerado desporto, nem agora nem nunca. É neste ponto que o Arquitecto desde á muito bate e que muitos tentam deturpar as suas palavras. As MINIS, CAMINHADAS e atividades relacionadas com a corrida, foram das melhores ideias para colocar as pessoas a viver melhor…desde já os meus parabéns a todos os organizadores e participantes. Eu neste momento faço parte deste maravilhoso grupo de milhares de pessoas que caminham e correm ao fim do dia…. Até me podia chamar desportista…. mas, era uma mentira pegada …sei o que é ser desportista, e é tudo quase parecido, mas não é a mesma coisa. Fernando, tu, tal como muitos até podem pensar que o Arquitecto está contra estas coisas de MINIS ou Caminhadas, mas eu penso que não, está contra isso sim, é que tentem passar a mensagem que caminhar ou correr de vez em quando é desporto. Sobre este projeto Nacional de Marcha e Corrida, devo dizer em primeiro lugar que tirei essa ação de formação na faculdade no Porto. Fui um dos primeiros atletas de alta competição a ir ao Porto. Os meus parabéns ao Dr. Paulo Colaço pelo êxito desta campanha, por ter colocado milhares de pessoas a caminhar e a correr pela primeira vez. Acredito que se este projeto não tivesse o logo da F.P. Atletismo, não teria o mesmo impacto, pois muitas portas estariam ainda hoje fechadas. Contudo aproveito para dizer que o mesmo logo deixa de fazer sentido, pois em nada este projeto pode ser considerado desportivo. O DESPORTO É COMPETIÇÃO. (F.P. Atletismo - O Desporto é uma atividade Física, regulamentada, de carácter individual ou colectiva, cuja finalidade é vencer lealmente em competição). A atividade física está associada à boa saúde mental, ao bom humor, a uma menor depressão e ansiedade. Aumenta assim a sensação de bem-estar. Só que não sabe o significado das frases anteriores, pode dizer algumas coisas menos boas para a modalidade e tentar arranjar intriga onde deveria existir harmonia. Não posso deixar de dizer e agradecer ao Paulo Colaço pelo empenho neste projeto, que acima de tudo, é o seu projeto para o bem estar dos todos os portugueses. Agradecer publicamente ao Arquitecto Luís Leite pelo que deu ao atletismo e ao amor e tempo que a ele ainda dedica. Por fim dizer ao António Sousa que apesar de diferentes valores que a nossa equipa tinha, tu eras um dos nossos elementos, quem um dia representou a nossa seleção não se pode sentir menos atleta que qualquer outro (um abraço). A todos os desportistas, caminheiros, atletas de fim de semana, uma boa Páscoa.
uma das coisa que mais gosto, é de poder dar a minha corridita e passar por grupos de amigos a correr ou caminhar, quando andava a treinar só, por vezes sentia tristeza e um vazio... bem vindos a todos, claro que se algum tiver jeito, sempre pode virar atleta.
Luis Domingos É no mínimo, estranho, estragar os post`s dos outros. Esta discussão. dos lentos e dos rápidos, não faz sentido. Há segmentos diferentes no Mundo da corrida. Há desporto para a saúde, desporto de Lazer, desporto pelo desporto, desporto de iniciação, desporto jovem, desporto de manutenção (veteranos), que infelizmente no nosso País querem é competir como se fossem séniores. Há espaço para todos, ninguém prejudica ninguém. Todos temos uma coisa em comum. QUEREMOS VIVER. E mostrar porque estamos vivos. Agora deixem as pessoas serem felizes. Aqui temos quatro situações diferentes Atletas de Alta competição. daqueles de Jogos Olimpicos (Fernando Couto, Juvenal Ribeiro, José Regalo, Manuel Matias, António Pinto, Joaquim Pinheiro, António Sousa (recordista da hora e tenho o prazer de ter sido eu a assinalar esse feito), Paulo Guerra e Luís Jesus). Um Ex Atleta de Alta Competição: e que não anda nessas loucuras dos MASTERS: Rafael Marques. DoisAtletas de Manutenção e q. também não entram em competição doentia dos veteranos: Reinaldo Gomes e Luís Barroso. E o José João, que chegou a fazer horas e 40 á Maratona, correu comigo na Maratona de Almeirim em 1985. Com um nìvel Médio. Portanto se neste grupo há 4 segmentos distintos, imagine-se num universo de 100 corredores. Amigos há espaço para todos, compete a cada um saber qual o seu lugar no panorama do atletismo.
Fernando Andrade " Agora é a treta das caminhadas que está na moda... "corre-se" alegremente a 6 minutos o Km e ganha-se sempre medalha no final... E acham que todos são campeões..." Quem disse isto, não acredito que tenha sido por uma força de expressão, tanto que logo a seguir tem o cuidado de "assumir" orgulhosamente essas afirmações "colorindo-as" até com imagens dos quenianos a rirem-se da nossa lentidão. Quem disse isto, feliz ou infelizmente, tem formação e experiência no dirigismo do Atletismo. Quem disse isto, gozou claramente com os caminheiros, referindo provocatoriamente, que se sentiam campeões por receberem uma medalha no final. Quem disse isto, e sem mostrar um mínimo de arrependimento por tê-lo feito, está-se nas tintas para a massificação do desporto (se entenderem que "desporto" é uma palavra forte demais para o jogging, não me choca que surja uma outra, mas sempre ouvi falar em desporto de competição e desporto de manutenção). Quem meteu tudo no mesmo saco não fui eu. E peço desculpa por ter utilizado este espaço "estragando-o", como diz o Luis Domingos, mas senti-me atingido pelo sarcasmo do arquitecto. Como estou "em casa alheia", não armo aqui mais discussão, mas porque se trata de um tema que me diz muito, irei dar-lhe continuidade noutro local. CaroLuís Jesus , desculpa o mau jeito, mas tu, como disseste, conheces bem ambos os lados da questão e, por muito que queiras apaziguar os ânimos, não consegues ver nas palavras do Sr. Arq. outra coisa que não seja prepotência e desprezo pelos praticantes. Fui.
José Figueiredo Vocês não acham que estão a dar muita importância, a um insignificante senhor. Ou estão impressionados por se dizer arq. Cursos superiores hoje em dia à muitos.

Ora aí está uma boa forma de concluir.




16 comentários:

Alvaro disse...

Ó Camarada!

Pelo título, pensei que eras tu a meter-te comigo (corredor de 6'/km) e arquitecto. Afinal, era ao contrário!

Bom, este Arqº Leite tem uma concepção muito primária do desporto, para além duma maneira muito primária do debate democrático (pelo modo de tratar o ilustre camarada José Figueiredo, pressupondo sobre ele coisas, sem o conhecer pessoalmente)...

No entanto, vejo algum mérito na intervenção dêle: No fundo, vem trazer à baila a questão filosófica do desporto. O que é o "Desporto"? Qual a sua finalidade? Qual o papel do desporto numa SOCIEDADE co "S" grande? É um negócio? É uma profissão? É um tacho?

Assim, perdoemos o Arq.º Leite pela grosseria - E perdom-me ele a mim, por, arquitecto, me meter a corredor... de 6'/km!

Abraço,
Álvaro

Alvaro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ricardo Baptista disse...

Fernando,
Estou completamente de acordo com o que dizes, faço a mesma interpretação que tu, do que aqui foi dito. Chego a achar ridículo alguns "paninhos quentes" em cima do que disse o Sr Luís Leite. Não me parece que esteja a fazer um erro de leitura e interpretação em relação ao que está escrito, aliás, parece-me até que há um certo orgulho em assumir esta posição.

Queria deixar uns apontamentos, sem pretender estragar-te o post.
Considero-me um desportista. Compito comigo próprio e isso basta-me. Apesar de correr no máximo cinco vezes por semana, sou corredor de fundo. Quando faço uma "pelada" com amigos, apesar de não saber dar um pontapé na bola, sou futebolista. Quando jogo ténis, apesar de algumas vezes nem acertar com a raquete na bola, sou tenista.
Com medalha ou não, no final, sinto-me sempre um campeão.

Em relação ao facto de não haver verdadeiros atletas campeões como os da foto: o Rui Silva, a Sara Moreira, a Jéssica, entre outros... Não percebi essa parte.

Grande abraço.
Boas corridas ou caminhadas.

JoaoLima disse...

Caro amigo Fernando, não posso estar mais de acordo com a tua posição e verticalidade.
Naquela frase não há outra interpretação e demonstra bem o que certas pessoas pensam dos milhares que correm a dar o seu melhor, sim porque para muitos 6 ao Km é mesmo uma honrosa e saborosa superação, e que vivem com paixão esta modalidade.
Somos todos nós que contribuímos para a festa que é, ou deveria ser, o desporto.

Um grande abraço

Ribas Andrade disse...

A Blogosfera tem destas coisas!!! Clique para aqui, link para acolá, e vai-se lá saber porquê, caímos numa daquelas discussões onde ainda não será desta que o sexo dos anjos será descoberto. Contudo, não deixa de ser um exercicio, ou talvez um "ensaio" interessante de seguir!!!
À luz de um qualquer humano pleno das suas faculdades e de um qualquer "atleta/praticante de desporto", descomprometido,nos quais eu me julgo inserir, a arrogância do "Sr. Arqitecto" parece de facto descabida de bom senso e, aqui, o Fernando terá toda a razão.
No entanto, um e outro parecem estar a defender coisas distintas.
O "Sr. Arquitecto" no alto da sua avidez pelo reconhecimento dos méritos, que eventualmente teve enquanto dirigente federativo, tem dificuldade em aceitar a massificação actual do "atletismo", já que este fenómeno retira verbas e enfoque à alta competição, o que entendo não ser inteiramente verdade.
No meu caso pessoal, a "tal massificação" resultou numa descida de 300 para 200 dos meus niveis de colestrol, a par de uma perda significativa de peso, ao ponto de me ter permitido participar na última edição da Meia Maratona de Lisboa a um ritmo não de 6 min/Km, mas de 4,55 min/Km, mas se fosse de 7 ou 8 não deixaria também de ser um bom ritmo, porque era o meu e eu entretanto desenvolvi actividade fisica para alcança-lo.
Neste sentido, entendo que as águas devem ser claramente separadas, como julgo que o Fernando defende, ou seja, não hei-de ser eu com o meu ritmo de 5,6,7 ou 8 min/Km que irei inviabilizar o ritmo de 2 ou 3 min/Km da alta competição.
Se me perguntarem porque é que o Sporting, o Benfica, o Porto e até o meu S.C. de Braga que tanto fez pelo atletismo nacional nas tais decadas de ouro e agora desinvestiu na modalidade, talvez encontre aí uma das respostas para o Sr. Arquitecto!!!

Jorge Branco disse...

Amigo Fernando Andrade, comecei a ler o seu “poste” e assim que li a afirmação da tal “excelência” desisti! Não consegui ler mais!
Sei que em última analise é culpa minha mas ando com muito pouca paciência para ler bestialidades!
A vida anda complicada de mais para o meu lado (e para o lado de muita gente) para perder tempo e me irritar com gente que nem merece.
Nestes casos só me apetece citar um certo primeiro-ministro já falecido: BARDAMERDA! (desculpem-me mas tinha que ser).

Eugenia Do Vale disse...

São as lesmas dos 6 ao Km que pagam os prémios dos quenianos...
Será que esse Sr não pensou nisso?? sinto-me ofendida, pronto, magoei.
Beijinho Fernando, há tanto tempo que não vinha aqui....

SlowRunner disse...

Embora eu não seja a melhor pessoa para comentar - conforme o meu nickname o indica - acho simplesmente que há lugar para todos.

Para a malta que - como eu - corre pura e simplesmente por prazer, pelo prazer de correr, pelo prazer de participar numa corrida e, muito principalmente pelo prazer de chegar ao fim, a medalha ou o tempo feito é aquilo que menos interessa.

A medalha para muitos de nós que corremos a 6 min./km é aliviar-nos o stress, ou baixar o colestrol como já aqui alguém falou, ou ter sido a cura para um vício que só não levou à morte porque a cura - correr a 6 min./km - veio felizmente a tempo.

Como disse a Dª Eugénia - e eu subscrevo - "São as lesmas dos 6 ao Km que pagam os prémios dos quenianos..."

Permite-me, Fernando, embora entenda a tua revolta, que te trate por tu, e que te diga duas simples palavras... CAGA NISSO!

Um abraço, e até (espero) ao 1º Trilho das Lampas!

Pedro Carvalho disse...

O Amigo Fernando vai-me desculpar, mas o que esse "senhor" precisava era um bom par de lambadas na tromba.
E além de ofender a corrida e os praticantes toca também num ponto que me diz respeito, o futebol.
Joguei futebol durante 20 anos, em vários escalões e divisões e gostava que esse "senhor" me dissesse na cara que, lá porque "só" cheguei à 2ª divisão, não fui jogador de futebol.
É triste mas foi importante que trouxesse a público esta estranha maneira de ver o atleta de pelotão.

Forte abraço deste ex-futebolista e actual atleta de pelotão, dos tais que muitas vezes correm a 6'/Km.

Nuno Sentieiro Marques disse...

Fernando amigo, aqui o rapaz está contigo ;).

Não vou tecer qualquer comentário sério a este tema, que mais parece uma brincadeira de mau gosto, tal foram as "alarvidades" que li.

Um dos problemas desta coisa das redes sociais, é a falta de capacidade de quem escreve em assumir de forma séria os Seus escritos.
É fácil escrever quando não se tem que dar a cara e justificar as Suas palavras.

Gostava de me sentar, frente a frente e olhos nos olhos, com algumas pessoas e conversar... ouvir o que realmente têm para dizer, contrapor e voltar a ouvir e voltar a contrapor...mas normalmente a coragem para falar cara a cara das pessoas ditas "importantese escribas" está longe da coragem em usar a arma chamada "caneta".
Mas é o que temos, talvez um destes dias seja convidado para uma das palestras sobre a matéria e possa ouvir e posteriormente contrapor ;)
Abraço

Joao disse...

Sr. arquitecto: em que berço nasceu?

Maria Sem Frio Nem Casa disse...

Correr a 6'/km...

Ser desportista...

Ser campeão...

Vencedor...

O valor da marca...

Valorizar o Maratonista que termina em mais de 4 horas...

Como alguém disse, nem vale a pena tecer comentários sérios sobre a visão tão tacanha do "Desporto". Desporto será só bater marcas? O resto será... o quê? E esse o quê, que o sr. arqº até nem tem nada contra, diz algures, o que tem a ver com o facto de hoje haver mais ou menos campeões a fazerem grandes e fantásticas marcas?

:) Rir é o melhor remédio...e se aqui é facílimo fazer-se más interpretações, é nítido e claro o desprezo com que o sr. arq. refere os atletas/lesmas/cócós que correm a 6'/km. como se de facto o incomodassem :) Temos pena amigo! Felizmente a sociedade em geral cada vez mais pratica mais desporto! Sim, Desporto!!!! D-E-S-P-O-R-T-O. Seja a jogar atrás de uma bola num campo de terra, seja numa estrada a arrastar-se ...ah ah ah... este senhor até me fez rir Fernando. há coisas que já não levo a sério, mas o Fernando tem toda a razão. O homem, que parece que até tem ou teve um papel que deveria de ser importante em relação ao Atletismo, é triste que tenha esta visão sobre o DESPORTO para todos! Até para as lesmas. Oh, pá se o homem me conhecesse, proibia-me de participar em provas, onde até pago para participar, poque agora, muitas vezes os 6 min nem chegam para correr 1 Km... Isto não é Desporto, dirá o senhor. E eu digo: ok ok homem, leve lá a bicicleta, afinal o problema é na palavra e no seignificado que cada um lhe pode dar: desporto, atleta, campeão, vencedor... pronto, as lesmas são nada para si, já entendemos. Também o senhor será menos que isso para muita gente... e agora?

Um abraço Fernando, e é assim mesmo: o que achamos injusto, gritante e grave, é trazer a público!

Já agora a definição de DESPORTO é:

s. m.
1. Divertimento, recreio.
2. Qualquer exercício corporal ao ar livre (para recreio, ou demonstrar agilidade, destreza ou força).
3. Desenvolvimento físico.

CDQ disse...

Boa noite a todos, amigo Fernando Andrade e a todos os que lerem este poste.

Desporto, versus deporto de competição e de Alta Competição. A prática salutar da actividade física permite que a população possa melhorar a sua saúde, pode ser ou não na vertente da competição. Percebo aquilo que foi dito no inicio mas de forma menos conseguida. Eu fui um dos que percorreu milhares de kms com alegria e cheguei por vezes a níveis de competição que nunca chegou a Alta-Competição por causa da Altura (apenas tenho 1,74 m), nada disso não tinha talento ou capacidade para mais mas muitas vezes ouvi que o meu lugar não era ali pois existiam os campeões!
Treinei muitas vezes com os grandes campeões e ainda existe passados estes anos um trato especial, Luis Jesus, Paulo Guerra, Ezequiel Canário... etc! Eu era um campeão igual a eles mesmo eles terminando primeiro e agora quando vou a competição a 6 minutos e tal não sou o mesmo que corria abaixo de 2´40 aos 1000?

Épa algo está mal escrito ou eu li mal o inicio.

correrporprazer disse...

Será que os "campeões", nasceram assim e nunca foram "lesmas"?
Ou será que algumas "lesmas" não se transformaram em fantásticos "campeões"?

Décio Henriques disse...

Boa tarde,

Este comentário realmente é triste do srº arquitecto. O desporto ( running ) já é um modo de vida e tem salvo muitas vidas e a minha mudou para melhor.
Eu corro a 6 min/km e o srº para ele é como se fosse a andar lol
Podemos fazer uma experiencia, deixarmos todos de ir a provas seja como participante ou espectador durante 1 ano e veremos se o desporto de competição avança para a frente, depois no final tiramos as conclusões ...

Continuação de boas corridas para o pessoal ou "caminhadas" para alguém !

Fernando Andrade. disse...

Caros Amigos, muito obrigado pelos vossos pertinentes comentários sobre uma situação caricata.

Recebi ainda um outro comentário, do nosso amigo Jorge Teixeira, que "anda destreinado" dos blogues e redes sociais e me pediu que o publicasse.

Muito obrigado, Jorge.

Aqui vai:

Caro amigo Fernando, esta referência do dito cujo ex-dirigente não merece qualquer comentário, apenas porque, se não fossem as caminhadas, hoje não haveriam corredores como há, e não haviam patrocinadores, esse ex-dirigentes federativos que arruinaram a Federação com viagens e mais viagens, etc, etc, não merecem qualquer consideração, têm mente tacanha, e ainda bem que vão tendo algum tempo para exprimir as suas parvoíces.
O que seria da Meia Maratona de Lisboa se não tivesse a MINI?, Provavelmente este e outros senhores já não iriam tomar o pequeno almoço na zona VIP, sim porque de VIPS não têm nada, tomavam-no em casa, e às suas custas.
E siga a vida.................




Jorge Teixeira
Runporto.com