terça-feira, 10 de junho de 2008

10 de Junho




Para ti, Luis Vaz


O dia em que partiste, amargurado,
Consagrou-to a pátria que foi tua!
E ao seres da lei da morte libertado
Pões a Nação em festa, pela rua.
O teu espólio é o mais rico legado
Com que o resto do mundo se habitua
A ver tão estranha gente com o respeito
Com que a cantou teu sábio e experto peito.

.
Mas hoje, bom Luis, se aqui estivesses
Neste aflitivo tempo, que é moderno
Talvez outros poemas tu fizesses
A tão confuso mundo e seu governo.
Mesmo q'rendo teu fado que sofresses
Em vida o vil degredo, no inferno,
A brava gente que tão bem cantaste
São hoje, os bimbos, por cruel contraste.

.

"Os Bimbíadas"

.
Os bimbos deste canto, desmandados
Por quem lhes merecera a confiança,
Já c’os bolsos vazios, endividados,
(A grande maioria sem fiança)
Sem emprego, conforto e esfomeados,
Tudo tão diferente da esperança,
Já só querem que os astros, seus amigos
Não venham infligir-lhes mais castigos.

Procuram pôr de lado a coisa triste
Saboreando, enfim, a côdea dura
Dando valor ao pouco a que se assiste
Que tão distante está do que se augura.
Como é que tanta gente assim resiste
Passando a felicidade a amargura
Sabendo que a riqueza produzida
Está cada vez mais mal distribuída?


.
...E por aí fora, por aí fora...


Sem comentários: