quarta-feira, 18 de junho de 2008

À procura da rolha

O correio electrónico é, de facto, um grande invento. Fácil, barato, rápido e, espero eu, eficaz.

Já contactei diversas entidades que entendo poderem fazer alguma coisa por esta causa.

Mas a minha luta, de igual para igual (dizem os livros, que assim apresentam os cidadãos perante a Lei) mais parece a de uma lagartixa com um jacaré.

Da minha parte, a força sai-me de das entranhas, do sentir que tenho razão e da raiva de me sentir abandonado, procurando a “rolha da garrafa que me salve do naufrágio”. Da outra parte a força sai da alta finança, da bajulação, da pusilanimidade.

Oh políticos deste País, porque vacilais nos deveres que vos assistem, para dar segurança a quem não precisa dela ?

2 comentários:

Paulo Silva disse...

Espero que pelo menos as devidas autoridades tenham respondido ao correio electrónico (mesmo que seja negativamente o importante aqui é mostrar que estão a servir o cidadão comum)é o principio da democracia( http://pt.wikipedia.org/wiki/Democracia )
Também existe a chamada Democratura, uma espécie de híbrido entre Democracia e Ditadura.

Fernando Andrade. disse...

Para ser franco, amigo Paulo Silva, só tive duas respostas: da Procuradoria Geral da República (que encaminhou o processo para o Procurador Coordenador do Tribunal Adminstrativo e Fiscal de Sintra -ufff, com quem tenho mantido contacto telefónico, e que se mostrou prestável dentro do que pode fazer) e uma força política que vai levantar a questão na próxima Assembleia Municipal).
De resto...continuo à espera, mas no momento que considerar oportuno, revelarei a lista de entidades que "cagaram" no assunto.

Abraço, Paulo.