terça-feira, 9 de dezembro de 2008

23ª Maratona de Lisboa -II

Aos 20 Km, na Rua da Prata
(Espiralphoto)

Aos 40 Km (+/-) com o "rebocador" J.Adelino (Um,dois, Pára, não pára;um, dois...)
(Espiralphoto)


Tinha ido para Lisboa com o Carlos Neto e com o Manuel Faísca, que acabei por "perder de vista" depois que fui ter com os meus colegas de equipa, para a foto de família .
Em prova, no primeiro km chega-se a mim o Helder Francisco que, há duas semanas tinha feito a Maratona de Bangkoke (onde ele se encontra a trabalhar) e que me contou uma particularidade cuiriosa dessa prova: é disputada às duas da manhã (para evitar problemas de trânsito e fugir à poluição). Não está mal pensado, não senhor. Passo pelos meus colegas de equipa Tam Afonso e Virgílio Madeira, que iam mais à cautela". Estávamos a andar a 4,45 e, nisto, passa por nós o Luis Sousa, dizendo que assim dava para terminar em 3,16 ! é lá!!! ... e as contas até eram capazes de estar certas, mas sabia que seria um andamento "suicida". O Helder ficou, mas eu fui continuando pois sentia-me bem. A Maratona deve ser feita num andamento muito próprio sem a preocupação de nos regularmos pelo dos outros. Mas há sempre momentos em que nos parece que um corredor que nos acaba de ultrapassar, afinal até vai num ritmo bastante confortável e lá se fazem 2 ou 3 km "na cola" até que se toma a noção de que é capaz de ser "muito" e o melhor é não ir ao engodo. Após o retorno dos 10km aparece junto de mim o Venceslau Jesus, do Machada Runners, que ia num bom ritmo. Ainda fui com ele até aos 17km, mas deixei-o ir embora, pois vi que "era muita fruta". Entretanto já tinha passado o António Belo, em passo curto mas rápido que só dá para "ver ao longe" ( e acabou em 3,15!!!).
Aos 25 km.avisto o Luis Sousa que estava em forte quebra e deixou-me seguir. Com o retorno dos 27 km aumentavam as dificuldades, pois voltávamos a ter o vento de frente.
Eis que sou novamente "caçado" pelo Helder Francisco que soube dosear o esforço muito melhor que eu. Alí para as bandas do Cais do Sodré, cerca dos 35km passo o José Valentim que, ia mais lento. Em sentido contrário, vinham uma série de altetas que apontavam para as 3h, empenhadíssimos e concentrados, que nem respondiam ao meu grito(Herculano Araújo, Jorge Serra, Nuno Espírito Santo, Luis Mota) . Chego então ao desejado retorno dos 37km, na esperança que o vento desse uma ajudinha. E deu! pouca, mas deu! Vou vendo, agora, os que iam atrás de mim. Uns a ganharem-me terreno outros nem tanto. Eis que aos 39km (conforme disse no post anterior) aparece ao pé de mim o Joaquim Adelino, decidido a "fazer-me forte" para não claudicar nos últimos metros. Tirou-me o retrato e tudo (que ainda não consegui copiar do seu blogue ).Um pouco mais de esforço e …a entrada triunfal na Praça do Comércio.
Depois... acabou.

4 comentários:

Mark Velhote disse...

Olá Fernando,

Excelente resultado! Muitos parabéns pela prova e pelo relatos que faz de todos os eventos em que participa!
Venha a próxima que esta já passou!

abraço

joaquim adelino disse...

Amigo Fernando
Meticuloso como sempre. Relato de encantar, até parece que correu a Maratona para depois a contar com a maior das simplicidades e divertida, não fosse as duas medalhas ganhas e a máscara de esforço que eu vi e acreditaria que sim.
Vou postar a sua foto no meu blogue para poder copiar, eu depois retiro. Depois avise.
Um abraço.

MPaiva disse...

Sentir o apoio de amigos na parte final da prova deve ser muito importante. Na única maratona que fiz (no Porto, em Outubro), custou-me imenso ter de fazer os últimos 5 Km sempre sozinho.
Mais uma vez, parabéns por mais uma maratona a embelezar o curriculum!
MPaiva

Maria Sem Frio Nem Casa disse...

Parabéns Fernando.

E um beijinho
E desculpe as palavras serem curtas, mas são as possíveis
Um beijinho
Ana Pereira