quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

23ª Maratona de Lisboa - III

Mais uma foto: com 41km no papo e uma estranha "expressão de prazer"
(foto de Joaquim Adelino)



Sobre a Organização:

Tinha um velho professor que dizia que havia doenças que se curavam espontaneamente, outras por acção da terapêutica e outras ainda, apesar da terapêutica.

A verdade é que a Maratona de Lisboa cresceu e bateu um record de participações nunca dantes visto cá pelas bandas: mais de mil! Mas gostava que esse crescimento não tivesse sido "apesar da terapêutica"!

No essencial, posso dizer que a Organização esteve bem ( e não terá sido nada fácil organizar este "4 em 1" na capital ) mas, com toda a sinceridade, haverá aspectos que precisam ser melhorados.

Cada vez mais a componente lúdica de uma maratona vai assumindo um papel decisivo na sua interacção na comunidade e na apreciação final do evento. Não faltarão, por esse mundo fora, elementos que permitam fazer a comparação entre a grandiosidade de uns e a pequenez de outros e provado foi que muito mais de metade dos participantes na Maratona de Lisboa vieram da estranja e conhecem o que, neste tipo de eventos, por lá se faz. Vale-nos o facto de a cultura desportiva dos visitantes lhes permitir ficar satisfeitos com o "essencial", relegando para segundo plano a tal envolvência lúdica a que antes me referi. Têm, em Lisboa uma cidade bonita, barata, com uma temperatura amena nesta altura do ano - logo, um destino turístico-desportivo preferencial. Gostam de correr e… havia Corrida! Era o bastante! Foram centenas que quiseram vir demonstrar aos portugueses que não existe razão para se temer a maratona. Sem eles seriam umas escassas três ou quatro centenas de "desmiolados" lusos. Mesmo que não fosse por mais nada, (e também não é que tenha ouvido qualquer tipo de queixa) penso que Lisboa deveria tê-los acolhido de braços abertos, pois aliaram ao turismo uma função pedagógica que devemos reter.

Certamente que a Organização soube lidar com a situação mas, para os portugueses atentos , não era isso que transparecia. Nós sabíamos onde levantar os dorsais : na Rua do Arsenal, no Wellcomecenter , mas a porta de entrada passava despercebida (!) pois não havia qualquer elemento decorativo assinalando a festa. E eles ? Apenas um A4 em inglês e outro em francês, colados toscamente numa prancheta de expor os menus no exterior dos restaurantes. Entrava-se e aquilo que poderia ser um local de encontro proporcionado pela entrega dos dorsais, a "Feira da Maratona", apresentava-se nu. Os dorsais eram rapidamente entregues (ponto positivo), confirmávamos o chip, tomávamos um cafezinho para fazer horas, adquiríamos uma recordação no stand de merchandising, dávamos uma olhadela pelo mapa do percurso afixado na parede e pronto… já não estávamos ali a fazer nada.
Pareceu-me demasiado pobre a feira em contra-ponto com o crescimento que a Maratona teve este ano. Outros aspectos:
Pasta Party : A tenda na Praça do Comércio até serve, para o efeito, mas fica muito dependente das condições climatéricas, sempre inseguras. Quem estava à espera na rua, em caso de chuva, "desopilaria" e iria comer massa para outro lado mais abrigado. As "simpáticas sevilhanas" animaram o ambiente, mas… estamos em Lisboa pelo que seria mais apropriado mostrarmos qualquer coisa nossa.
Guarda-roupa : Não usei, pois deixei o carro relativamente perto. Mas vi que, quando estavam a ser 9h, havia uma fila interminável de atletas para entregar os sacos que seriam guardados na tenda. Não terá havido demasiada parcimónia na recepção dos sacos ?! É que, desde que identificados com o nº do dorsal (e isso seria elementar) os sacos poderiam ser arrumados depois pelos voluntários durante a prova.
Animação : Não dei por nada. Compreendo, no entanto, que as condições climatéricas complicariam qualquer acção, mas não se vislumbrou qualquer tentativa de actuação de um qualquer grupo musical.
Meia Maratona : Para os atletas apostados num tempo próximo do meu (3,30) acho que até foi bom usufruírem da companhia de colegas mais "frescos" nos últimos km, mas compreendo que, para os que iam mais rápido, não terá sido nada agradável, ziguezaguear num pelotão compacto que lhes surgiu pela frente. Fazer só a Maratona ? Fazer a Meia em sentido contrário ? É, de facto, difícil agradar a todos! Sair ao mesmo tempo, como era dantes (ou 5 minutos depois) parece-me o melhor, pois termina a Meia e os que continuam em prova sabe-se que pertencem à Maratona e o facto de "atravessarem o deserto" sem companhia, vai sendo menos notado, dado o aumento do número de maratonistas.
Estafeta : A grande novidade do ano. Parece que resultou, havendo apenas que acautelar mais o transporte dos atletas para as zonas de transmissão.

Mas o que envolve a organização de uma Maratona é todo um mundo de preocupações, do qual elenquei apenas alguns aspectos que me chamaram a atenção e que, se não se tivessem verificado teriam tornado o evento mais rico. Não sabemos o que a Organização terá para nos dizer acerca do sucedido. Certamente haverá razões que o justificam: orçamento escasso, dificuldades de pessoal. A minha dúvida é se terá havido um forte empenhamento da Organização, para suprir as lacunas apontadas. Se houve e não conseguiu, aplaudo o esforço como se o tivessem conseguido. Se não houve, parece-me que são pontos a merecer uma maior atenção no próximo ano. De qualquer das formas, manter este evento e fazê-lo crescer é merecedor de conversas de estímulo e não de desânimo, mas os louvores devem ser sinceros. É mais útil uma crítica honesta e bem intencionada do que elogios hipócritas.

"Apesar" do que disse a Xistarca está de Parabéns porque não falhou no essencial e o acessório… é acessório.

Perguntam-me agora, se com esta conversa, eu seria capaz de fazer melhor?! Não,não era! Por isso calo-me já.

5 comentários:

José Capela disse...

Caro, Fernando

Parabéns por mais uma maratona no seu vasto 'curriculum'!

E ainda teve direito a duas medalhas! (rsrsrsrsr)

Quem faz relatos como os do meu amigo, talvez merecesse ainda outra!

Boa recuperação.

Abraço

José Capela

joaquim adelino disse...

Amigo Fernando
Bonita e construtiva análise ao evento desportivo em redor da Maratona de Lisboa. Estou convicto que alguém ligado a este evento vai ter ouvidos de ouvir e irá ter a preocupação de na próxima edição as coisas corerem de forma diferente. Até porque esta Maratona deixou água na boca a muita gente, não por ter chovido, mas porque começa a ser cativante para alguns começarem a aceitar este desafio, eu sou um deles, e isso deve-se à persistência de uns quantos que têm andado a puxar a carroça e que com o seu exemplo têm desmonstrado que é possível fazer aqui também algo de grande e cativar aqueles que ainda receiam enfrentar a distância da Maratona. Um abraço.

Jorge disse...

--------\\\\|/-------
--------(@@)-------
-o--oO---(_)--Ooo--
Meu amigo Fernando obrigado pela msg, mais também digo que vc está em alta performance, parabéns pela maratona de lisboa, o relato ficou rico em detalhes parabéns amigo.

Um abraço camarada e bons treinos.
Valeu...

JORGE CERQUEIRA
www.jmaratona.blogspot.com

MPaiva disse...

Fernando,
Não tendo estado em Lisboa, fico com uma doa imagem do que lá se passou, fruto do seu detalhado e lúcido relato.
Se eu fosse da organização agradeceria imenso comentários comos os que deixou, pois é com este tipo de apreciações que se consegue fazer evoluir as organizações.
abraço
MPaiva

António Almeida disse...

Olá Fernando
julgo saber que hoje é aniversariante, muitos parabéns e muitos anos de corridas.
Abraço,
António Almeida