quinta-feira, 3 de maio de 2012

A chatice de pagar pouco


O dia era o do Trabalhador. Da exaltação da força do trabalho na criação da riqueza de um País onde as empresas têm vindo a fechar, onde tem crescido o desemprego, onde a acumulação da dívida está longe de ficar controlada. Onde o poder de compra dos que ainda vão ganhando algum salário, já começa a ter dificuldade em assegurar o básico. Mais do que nunca, se impunha gritar bem alto que era preciso inverter o rumo das coisas.


Eis que uma cadeia de supermercados, com a duvidosa intenção de ir ao encontro das necessidades de quem ganha pouco, decidiu comemorar este dia concedendo descontos iguais ao valor das compras efectuadas!

E agora? O que é que seria melhor? Ir para as “manifs” gritando os slogans que se impunham, ou arriscar umas horas de espera nas filas do supermercado, para reabastecer a despensa e poder ter um mês mais tranquilo? O dilema entre o virtuosismo idealista e a oportunidade palpável.

Surpreendentemente, aqueles que mais defendem os desfavorecidos, insurgiram-se contra esta campanha, invocando variadas razões (capitalismo selvagem, humilhação dos trabalhadores, transformar o Dia do Trabalhador no Dia do Consumidor, etc).

Aceito que a escolha da data pode “trazer água no bico”, mas também pode ser interpretada como uma forma de comemorar o dia, “duplicando” o valor dos magros salários que os trabalhadores recebem.

Aqueles que pretendem dar ênfase ao valor dos ideais, pois que o façam como sempre fizeram. Mas aqueles que dão “voltas às ideias” para conseguir dar de comer à família, não deverão ser criticados por terem aproveitado a oportunidade, independentemente do que esteja por trás dela.

Mas isto é mesmo assim: A J.M. acha que o mal que fez foi “atacar” os trabalhadores com uma campanha que lhes encheu as despensas por pouco dinheiro; Os outros acham que “com papas e bolos se enganam os tolos”.

O que é que isto tem a ver com Corrida? Tem! Porque se eu não tivesse ido para 31ª Corrida 1º de Maio (que falou mais alto) tinha ido logo cedinho ao Pingo Doce, ai não!…A selvajaria já é outra conversa.



10 comentários:

horticasa disse...

Para comentar vou usar uma anedota que ouvi há anos contada por uma colega minha que era cega e que já faleceu, paz à sua alma.
««« Um anuncio no jornal »»»»
Senhora cega do olho direito procura cavalheiro cego do olho esquerdo, para trocar impressões sobre vários pontos de vista.
É assim, ainda bem que há vários pontos de vista, beijinho

Jorge Branco disse...

Bem a resposta da “horticasa” é 5 estrelas!
Depois para falar disto teria que escrever um tratado enorme!
Há tantos pontos de vista sobre o assunto.
Posso dizer, só para abordar um lado da questão: que roubaram o direito ao feriado do 1º de Maio aos trabalhadores dessa cadeia de supermercados (que até estavam abrangidos por um pré aviso de greve) e que esses descontos não foram feitos com pena dos pobrezinhos mas tratou-se de um ataque muito bem pensado e delineado ao feriado do 1º de Maio.
Com essa medida conseguiram abrir os supermercados e dividir mais as pessoas.
Qualquer dia querem que se abram as lojas no Natal e no Ano Novo.
Depois quanto as pessoas encherem as despensas enfim... Houve muito pequeno comércio a ir fazer lá as compras para depois fazer a revenda dos produtos nas suas lojas. O Mário Lima até afirma no seu blogue que os produtos mais vendidos foram bebidos alcoólicas que não são produto de primeira necessidade.
Estou desempregado há mais de três anos e as dificuldades são mais que muitas, mas nunca coisa dessas nunca me apanham. Prefiro morrer de fome mas mantendo os meus valores e princípios.
Infelizmente houve, há e haverá, muita gente que não tem um pingo de vergonha.
Depois queixam-se que isto está mal!

Maria Sem Frio Nem Casa disse...

Eu fujo dessas confusões. As pessoas "matam-se" para aproveitar o mais barato, o que é dado, etc.

Talvez fale de barriga cheia, mas só pela quantidade de carros que vi no estacionamento (estava de passagem), se tivesse alguma intenção de lá ir - não tinha! - seria de imediato demovida da ideia! E prefiro comer 50% da minha posta de bacalhau e 1 posta dar para 2 refeições do que aventurar-me nessa odisseia para comer 1 posta de bacalhau inteira/refeição.

E - muito importante! - para além disso, o 1º de Maio deveria ser respeitado de outra forma, mas acho que ainda temos sorte de simplesmente não deixar de ser feriado, mas já estivemos mais longe... e com esta brincadeira, a mim até me dá vontade de nunca mais ir ao PD... Manias. Virem afirmar que estão preocupados com os pobrezinhos?! Mas alguém duvida que eles ganharam dinheiro com a brincadeira?! Porque de facto esse é o objectivo da empresa, como é natural, ganhar dinheiro! E é natural que assim seja. E o PD simplesmente ganhou ainda mais dinheiro nesta manobra em que usou e abusou do Zé Povo! Para mim é isto! Porque raio fez a "boa acção exactamente no dia 1 de Maio?! E o Zé Povo necessitado, deixou-se abusar, é só isto!

Anónimo disse...

Também havia aquela anedota dos jornais “O Diário” (esquerda) e “O Dia” (direita), cada um com o seu ponto de vista e que alguém os comprava e dizia que um era para olhos de cima e o outro era para limpar o “olho” de baixo…

Bom, neste caso também tenho o meu ponto de vista, e com todo o respeito pelos demais, quero dizer que concordo com o Jorge Branco, e que, de facto, esta acção não teve nada a ver com um acto social (nem tinha que ter, aquela empresa não é uma ONG) mas toda ela virada contra o Dia do Trabalhador!

Estou triste. Estou triste porque depois de 38 anos de democracia facilmente se chega à conclusão que este país evoluiu mas não progrediu... estou triste porque facilmente se chega à conclusão que é possível fazer-se as maiores tropelias e.... ninguém é responsabilizado...(agora a ASAE faz uma investigaçõezitas e tal, mas não dá em nada. Quanto muito dará uma multazita para fazer rir o Soares dos Santos) Estou triste porque em Portugal vale tudo... Não se olha a meios para se atingirem os piores e maiores malefícios possíveis e, neste caso, foi de parte a parte. Bem sei que a vida está má e tudo é difícil de se obter, porém, há uma palavra muito simples, mas que nesta altura faz toda a diferença: DIGNIDADE. Bem sei que quem fez compras, por exemplo, de 500€ ganhou 250€ em menos de um dia mas, provavelmente será uma comparação exagerada da minha parte, mas neste momento é o que me vai na alma, há por aí, infelizmente, muita mulher nas bermas das estradas a vender o seu corpo com muito mais dignidade que esta acção e se calhar não ganham 250€ num dia, porém, o que eu espero é que tenha sido tão só, um impulso e um acto irreflectido face às necessidades que o povo está a passar mas que isso não justifica tudo. Espero e desejo que esta acção seja investigada e os responsáveis da grande cadeia de supermercados sejam devidamente condenados e que, caso se volte a repetir, nós, o povo, estejamos altura e nos comportemos com a correspondente e necessária DIGNIDADE para combater estes actos miseráveis!

Um Abraço!

Orlando Duarte

António Almeida disse...

Companheiro
ainda em que foste à corrida e no fundo não acredito nas tuas últimas palavras, se quisesses tinhas tido muito tempo depois da corrida para lá ir, ou não?
Sem criticar quem lá foi critico sim os promotores da campanha em especial pela escolha do dia que acredito muito sinceramente foi uma provocação desnecessária.
Já agora essa de a "coisa" ter sido feita a pensar nos mais necessitados não pega de todo, então quem só podia gastar menos que 50 € não é necessitado?
Por mim e cá por casa é ponto de honra: pobrezinhos mas honrados e a honra essa sim é sagrada.

Mário Lima disse...

Fernando

Ia comentar no teu post da prova (que o tinha lido ontem mas que ia comentar hoje), quando deparo com este tema.

Pensei que tinha lido mal e pudesse ter interpretado o que escreveste de maneira diferente da que realmente davas a entender.

Afinal não tinha interpretado mal. Fiquei abismado. Sem querer retirar a liberdade de dizeres o que pensas, só te digo que quando ia para a prova, vi dezenas de carros (e não sabia a razão) numa fila enorme. Eu até pensei que era um casamento tais eram os carros topo de gama que ali estavam.

Pobre que vai a um supermercado comprar a metade do preço devido a problemas económicos não leva carro, vai a pé, pois o dinheiro não chega para a gasolina.

... E como aqui se disse, tinhas a tarde para o fazeres.

Para mim, bastou-me saber que durante um tempo corri a teu lado e fiquei satisfeito por isso.

Até sempre!

Anónimo disse...

De um funcionário do pingo doce..

É uma boa recompensa, sim. E no final do mês de Abril os full-times receberam um prémio de 300€ e os part-times o proporcional às suas horas de trabalho.
É o grupo que paga melhor aos funcionários no contexto dos hipermercados, em Portugal. Um part-time que trabalhe Sábado e Domingo, 16h, leva para casa cerca de 230€ por mês.

Nenhum dos meus colegas que trabalharam no 1º de Maio de queixou. Nem eu me queixaria. Foi uma 3ª feira como outra qualquer, mas com a vantagem de ganharem a triplicar, de poderem escolher um dia de folga extra (um Domingo, por exemplo, que provavelmente terá mais significado que uma 3ª feira) e vamos todos, na próxima semana, em 3 dias, usufruir com calma, stocks e paciência da promoção...

Os funcionários do pingo doce não se importavam nada de trabalhar um dia por mês nestas condições...

Agora só porque alguém pensa diferente pensa errado... tem muito de pseudo moralidade ..

Parabens pela capacidade de ser sincero e honesto.

Ricardo Baptista disse...

Eu tb não pude ir à promoção...
De qualquer maneira não vejo com maus olhos a promoção. Pode ter sido uma provocação a data, mas suponho que qualquer data ia alimentar polémicas destas. Dia do trabalhador, mas há pessoas que não se importam de trabalhar neste dia e temos que as respeitar, como escreve este funcionário do Pingo Doce: eles não se queixam de ir trabalhar.
Quanto a mim: não condeno quem foi, nem quem não foi, nem quem acha bem, nem quem acha mal.
De qualquer maneira achei este artigo bastante interessante:
http://expresso.sapo.pt/ui-ui-o-pingo-doce-e-sempre-desumano=f722943
Eu não fui, porque estava a chover... mas se houvesse promoções em artigos de desporto...

Um abraço,
Boas corridas.

Vitor Veloso disse...

Amigo,
Acho que foi um dia menos bom!!!
Oportunismo total e falta de dignidade dos “poderosos” para os mais necessitados, desigualdade total, tenho quase a certeza que houve famílias que queriam “aproveitar” a promoção por falta de euros não o fizeram. Isto faz-me lembrar o filme “Ricos e o Pobres” os que tem capital aproveitam-se das fragilidades dos necessitados.
Abc
VV

Anónimo disse...

De um funcionário do pingo doce..

“É uma boa recompensa, sim. E no final do mês de Abril os full-times receberam um prémio de 300€ e os part-times o proporcional às suas horas de trabalho.”

Era bom que informasse qual o vencimento dos full-times e qual a carga horária mensal para obterem a tal recompensa…

“É o grupo que paga melhor aos funcionários no contexto dos hipermercados, em Portugal. Um part-time que trabalhe Sábado e Domingo, 16h, leva para casa cerca de 230€ por mês.”

16h = 230€ = 14.37€/hora, valor hora muito bom, digamos que é de nível quadro superior! Ou é sábado e domingo, 16h x 4 = 64h/230€ = 3.60€/hora e é um valor banal, sobretudo se o resto da família folgar ao fim-de-semana e andar em contra ciclo com o parente…

“Nenhum dos meus colegas que trabalharam no 1º de Maio se queixou. Nem eu me queixaria.”

Hoje como está o mercado de trabalho quem é que tem o direito a queixar-se, protestar ou fazer (a desejada, mas impensável) greve…

“Foi uma 3ª feira como outra qualquer, mas com a vantagem de ganharem a triplicar, de poderem escolher um dia de folga extra (um Domingo, por exemplo, que provavelmente terá mais significado que uma 3ª feira) e vamos todos, na próxima semana, em 3 dias, usufruir com calma, stocks e paciência da promoção...”

Com papas e bolos se apanham os tolos… daqui a dois ou três anos, se não for antes, e já não haver feriado no 1º de Maio, nem três, nem dois, nem um dia suplementar ganham

“Os funcionários do pingo doce não se importavam nada de trabalhar um dia por mês nestas condições...”

Diz bem, nestas condições… O problema é que com a passividade destes funcionários zelosos e anónimos e de corte em corte de cedência em cedência, não há-de tardar muito e estão a trabalhar 50h por semana com o ordenado mínimo… Mas todos contentes e agradecidos a Soares dos Santos por lhes dar trabalho… E este, com a sua conta bem recheada na Holanda, também contente, não vai ser ingrato e agradece…

“Agora só porque alguém pensa diferente pensa errado... tem muito de pseudo moralidade”

Naturalmente quem pensa diferente de mim, na minha perspectiva, pensa de modo errado. Mas isso não quer dizer que eu não respeite a opinião de cada um. Assim como cada um deve respeitar a minha opinião. E na minha opinião toda a acção foi negativa de parte a parte. Sou de opinião que se deve olhar e considerar muito bem os meios para se atingir os fins, mesmo que se esteja muito necessitado… Já algumas vezes fui abordado para comprar objectos, muito provavelmente furtados, por 1/10 do valor e nunca negociei com esse tipo de pessoas. Neste caso, e bem visto pelos protestos dos pequenos e médios produtores, grande parte dos produtos não foram furtados, mas quase… Por fim, é notório e evidente que o principal objectivo era político e, infelizmente, foi plenamente atingido!
..

“Parabens pela capacidade de ser sincero e honesto.”

Nalgum ponto havíamos de estar plenamente de acordo!


Com os melhores cumprimentos,

Anónimo mas com assinatura, Orlando Duarte