quinta-feira, 10 de maio de 2012

Corrida pela Selecção


Embora sejamos unânimes em reconhecer os exageros nas mordomias que são prestadas ao futebol em detrimento das outras modalidades, acho que não devemos ser fundamentalistas.


É bom não nos esquecermos que, no fundo, a Corrida não é uma modalidade mas a base de quase todas as modalidades. Logo, a Corrida pode viver sem o futebol, mas o futebol não pode viver sem a Corrida (reparem que escrevo futebol com minúscula e Corrida com maiúscula). Só que, de uma maneira geral, a esmagadora maioria dos que correm também gostam do seu joguito de futebol, também têm o seu clube preferido, também gosta que os seus símbolos sejam bem visíveis. A Selecção de futebol é um símbolo que muito contribui para a coesão nacional, fazendo-nos esquecer o que nos divide e exaltando o que nos une. E não será apenas a selecção de futebol, bem entendido, mas todas as selecções.

Penso que o alvo do nosso descontentamento não estará na genialidade dos jogadores que nos representam, mas na comunicação social que os promove até à exaustão (mais as namorados, os filhos, as férias, os carros), esquecendo-se da tremenda injustiça que comete em relação aos grandes valores que temos noutras áreas, nomeadamente, no Atletismo, onde se atingiu o cume do prestígio mundial e o que surge na imprensa sobre esses grandes feitos, não passam de notícias envergonhadas.

Esta Corrida pela Selecção, na minha óptica, não deverá ser vista como uma intrusão do futebol na Corrida, mas sim como uma “massificação” ou como um “prolongamento” dos vinte e tal jogadores, a todos os desportistas nacionais. Ao suarmos as camisolas estamos imbuídos do mesmo espírito que os nossos craques (o que eles recebem por isso já é outra conversa).

Também não vejo que esta Corrida pela Selecção seja uma espécie de vuvuzela, de tão má memória.

Ora bem: nós gostamos é de correr, verdade? Então, o facto de surgir mais uma Corrida é motivo de satisfação, ainda por cima quando o “rei futebol” inclina perante nós um pouco da sua majestade.

13 comentários:

nuno cabeca disse...

Fernando!
Obrigado pela sinceridade, quando vi uma campanha no facebook contra esta corrida pensei que algo de errado se passava comigo por achar uma boa iniciativa.

Abraço,

Jorge Branco disse...

Pois eu mantenho o que escreveu o Victor Dias e o João Lima.
Desde que me deram o prospecto da prova que torci o nariz!
Sou radical? Talvez seja mas é se calhar por sermos um povo tão "manso" que estamos nesta situação desgraçada!
Não estou a ver os pobres a participar num evento para apoiar os ricos.
Depois o futebol profissional é um espetáculo pago a peso de ouro e cheio de mafias e contradições.

Maria Sem Frio Nem Casa disse...

Olhe Fernando, à 1ª vista, a minha reacção foi também de aversão: mas então vou correr e pagar para apoiar quem já é mais que apoiado?! (o Futebol)

Mas depois, interessei-me só um bocadinho e até descobri que o valor integral das inscrições vai para a Associação Novo Futuro, que apoia crianças e jovens em risco...

então? será tão errado assim venderem a ideia de apoio à Selecção? Afinal só vou correr, ganho uma t-shirt até bem gira, e ... que mal tem?! Se é de "apoio" simbólico à Selecção, aos Tigres da Malásia, à Pêra Rocha, ao Lobo Ibérico, aos Pastéis de Belém, ou a outra coisa qualquer, mesmo que não seja ninguém "desprotegido" como é o caso da Selecção? O dinheiro será bem usado, o nosso apoio é um apoio moral... não me importo. Se o deviam fazer para apoiar atletas portugueses de outras modalidades? Claro que sim!!!! Mas não o devemos deixar de fazer só porque é Futebol, certo? Afinal é a NOSSA SELECÇÃO, e eu apoio (q.b, desde que não me vão ao bolso); assim como apoiaria qualquer outra iniciativa do género.

Não sei se vou, mas sinceramente não vejo a Corrida sob essa óptica radicalista a cheirar até a algum fanatismo bizarro por parte de quem entra e agita esse movimento anti-corrida da Selecção.

Beijinho Fernando

Fernando Andrade. disse...

Obrigado Nuno. Afinal trata-se de Corrida. Porquê estar contra?

Grande Jorge Branco
Foquemo-nos no que essencial (Corrida) e deixemos para lá o acessório (apoio à Selecção).Quem não concorda com o apoio à Selecção, corra, divirta-se. Acho que o boicote é como que "marcar golos na própria baliza).

Viva, Ana.
O seu ponto de vista é exactamente o meu e fico contente por tê-la do meu lado, face a um movimento que respeito, mas que me parece prejudicial. É o futebol que está a vir até nós. Escorraçá-lo só porque os príncipes da Selecção são pagos a preço de ouro, não me parece boa ideia. Quantos são os outros milhares de futebolistas que jogam por amor à camisola? Ou que jogam e não recebem (vide o caso do U.Leiria). A nossa revolta não é contra o futebol, mas sim contra quem o vê como única modalidade que merece destaque e que se escusa a informar o povo sobre as outras modalidades, para que possa fazer a sua escolha livremente.
Conto ir até Oeiras nesse dia. Pela Corrida. Pela coesão nacional.

Grande abraço.

Anónimo disse...

Já decidi não participar nessa corrida. Não é por não gostar de futebol, que até gosto. Não é por não gostar da selecção, que até gosto e vibro muito com a suas vitórias, mas enquanto praticante de corrida não me sinto bem apoiar, não a modalidade futebol, porque esta até é praticada por muitos portugueses comuns como eu, mas sim um segmento altamente profissional e elitista que nunca teve um gesto de solidariedade (como agora se quer dar a eles) para com qualquer outra modalidade olímpica!

Quanto à receita. Sou de opinião que se deve olhar aos meios (e esses já expliquei atrás) e não só aos fins. Reparem, vou exagerar para passar melhor a minha opinião: se alguém me quiser vender droga ou alguma coisa roubado dizendo que a receita reverte totalmente para a melhor ou mais carente instituição de solidariedade social, este forte argumente não me vence e muito menos me convence!

Por fim dizer que sou sócio de duas associações humanitárias de bombeiros (Lisboa e Caldas da Rainha) e contribuo regularmente para várias instituições de solidariedade social.

Um Abraço!

Orlando Duarte

Fernando Andrade. disse...

Tô lixado contigo, Orlando.
Então? Gostas ou não gostas de correr? Esquece o resto, pá.Se os fins são altruistas, se são para apoiar quem não precisa...
É a Corrida que está em causa. O resto é conversa. E porque é que havemos de renegar aquilo que gostamos? Vamos deixar de correr se soubermos que há ladrões no pelotão?
Abraço. E faz favor de aparecer em Oeiras.

Anónimo disse...

Quando recebi o email a anunciar o evento apenas reparei no local e na data... o preço, claro está, não era caro (que isto de realizar provas não é barato :))) e então lancei-me de caras . Gosto de futebol e de ver a selecção , mas não vou lá para apoiar a selecção e muito menos o BES e os seus camaradas, vou proque gosto de correr na marginal e de preferência com um monte de gente... estou a ser conivente? talvez, mas quero lá saber . prefiro gozar do que ser gozado eheh
abraços,
Diogo

Vitor Veloso disse...

Fernando,
Já estou inscrito, eu e mais a minha “malta”!! Nem pensei na seleção, mas na Seleção de Atletas para apoio e solidariedade para quem necessita!!
Vamos lá companheiros!!
Abc

Fernando Andrade. disse...

É isso aí, amigos Diogo e Vitor.
O importante nisto é que se trata de uma Corrida. Apoia a Selecção? Claro que será essa a intenção dos promotores, mas não será também um apoio à Corrida? Se nos queixamos dos apoios ao futebol, porque havemos de estar a queixar-nos desta iniciativa, que mediatiza a nossa modalidade e contribui para a captação de mais corredores?
Por mais nobres que sejam os princípios dos que preferem o boicote, entendo que isso é dar tiros no pé e nos retira poder reivindicativo. É que o caminho para que o nosso povo adquira a cultura desportiva desejável, é longo e esta Corrida pode ser um primeiro passo.

Pedro da Silva disse...

Obrigado pelas palavras caro Fernando. Eu fui participar na Corrida, independentemente do nome, até participava se fosse para apoiar a Selecção do Quénia! A minha mensagem para a Nossa Seleçcão é muito simples: "Façam como eu, suem a camisola!" e a minha bem que estava suada, lol

Pedro da Silva disse...

Eu de inicio também estava relutante em relação a esta Corrida .... fui porque gosto de correr e antes do nome "apoio à Selecção" está o nome "CORRIDA"!

Henriqueta Solipa disse...

Fernando... concordo e subscrevo:

"Ora bem: nós gostamos é de correr, verdade? Então, o facto de surgir mais uma Corrida é motivo de satisfação..."

... pelo menos no meu caso é assim creio que para a maioria das pessoas que participou!

Já tinha referenciado ao nosso amigo Jorge Branco, é mais uma corrida e ainda por cima não é cara... num local como a Marginal que toda gente gosta...

Não vejo aqui qualquer intrusão ao atletismo e sim, isso sim, uma grande maquina de marketing comercial... somente isso!

Se fosse mais popular andar de barco ou de bicicleta seria esse o objectivo ...

Tudo de bom!

Fernando Andrade. disse...

Caros amigos Pedro e Henriqueta.
Muito obrigado pelos vossos comentários e por estarem "em sintonia" com o que penso acerca disto. A Selecção, embora tratada principescamente e de forma provocatória em relação aos sacrifícios que se pedem ao nosso Povo, é um simbolo nacional.
Mas depois dizem..."e tal, porque é que não fazem Corridas de apoio às selecções de outras modalidades?" Calma!-digo eu. É sempre preciso dar-se um primeiro passo. Pode ter sido este. Conforme já escrevi em qualquer lado,se a Corrida era de apoio à Selecção, valeu "zero" face ao resultado com a Turquia umas horas depois. Mas a Corrida foi boa, foi bastante mediatizada, deu bem para ver a sua verdadeira dimensão. E essa já ninguém nos tira, independentemente do resultado do futebol. Esta Corrida serviu para que o futebol se vergasse um pouco diante de nós. E estou convencido que o patrocinador, face ao sucesso da Corrida, sentirá vontade de apoiar outros eventos semelhantes. Recusarmos esta possibilidade, por nos sentirmos maltratados ao longo dos tempos, seria mau.
Ter sido apoiante desta Corrida não quer dizer que se seja apoiante de todo o esbanjamento que está inerente à Selecção. Foi por isso que surgiu a polémica, mas não era disso que estávamos a falar.
Abraço.