terça-feira, 1 de maio de 2012

31ª Corrida do 1º de Maio -Lisboa


 Com o João Veríssimo (Foto António Melro)

 Na recta final (Foto Isabel Almeida)


Finalmente (Foto Zé Gaspar-AMMA)

Já de saco às costas (Foto Zé Carlos Melo)

1º de Maio. Habituei-me a celebrar esta data histórica, carregada de significado para todos aqueles que trabalham ou que gostariam de trabalhar mas que não lhes é permitido. Dizia eu que me habituei a celebrar a data, participando nesta Prova que começa e termina no renovado estádio 1º de Maio (lembro que, ainda em Dezembro, quando da Maratona de Lisboa, estava ele virado de pernas para o ar, com montanhas de chão onde hoje se encontra um belíssimo relvado sintético). Foram 1500 atletas que fizeram como eu, percorrendo 15 Km numa Lisboa quase deserta, não sei  se por causa dos pingos de chuva, (que eram pacíficos), se por causa dos pingos doces (que deu… em chapada em muitos casos).

Desta vez, a prova teve início no interior do Estádio, dando-se uma volta à pista, com a espectacularidade de uma bela moldura feita de uma multidão colorida e em movimento. Ganhou pontos com esta novidade.

Saí no terço traseiro do pelotão e os primeiros quilómetros foram feitos debaixo de chuva fria, que me gelou as mãos, até que o calor gerado pela corrida (e pelo fim da chuva) as normalizou. Sabendo eu que aqueles 3Km da Almirante Reis não eram pêra doce, tratei de gerir a coisa de forma a que, quando lá chegasse, estivesse em boas condições para a enfrentar. Por isso, tive que me conter nas agradáveis descidas da Fontes Pereira de Melo e Av. Da Liberdade. No Martim Moniz, então, ensaio um ritmo mais vivo e vejo que me dou bem com ele. Por isso, mantenho-o e vou subindo enquanto reparo que vou ganhando posições.

Areeiro: 12Km. Agora, as dificuldades do percurso já estavam para trás, mas preferi não insistir num andamento crescente, com receio de entrar no Estádio em quebra, o que seria desagradável.

Lá consegui chegar, em “bom estado”, embora não saiba quanto tempo fiz (os resultados ainda não estão disponíveis "Tenho o acesso bloqueado",eheheh), mas pelos tempos de amigos que chegaram por aquela altura, deverá ser qualquer coisa parecida com 1,10.

Quanto à Organização. Pareceu-me bastante bem, embora o traçado da Corrida não tenha sido exactamente igual ao que foi certificado. Daí que ficou encurtado em duzentos e tal metros, que pode ter sido chato para quem queria aferir a sua marca aos 15Km, mas que não teve importância nenhuma para quem estava ali pela Festa. E sei que foram praticamente todos. Por isso, é com total merecimento que dou os Parabéns à Organização e agradeço o facto de nos ter proporcionado participar nesta excelente Corrida.

Nota: Afinal já sei o resultado: 1,10,20 (561º). O resto está aqui.

3 comentários:

Jorge Branco disse...

Qual Almirante Reis, qual carapuça! Com a lebre de luxo que eu tive hoje aquilo foi sempre a ultrapassar gente! Até a subida para o Areeiro eu gostei! Com uma lebre assim até uma Raposa fica menos manca!

Maria Sem Frio Nem Casa disse...

Se disser que não fazia esta Corrida há 10 anos, não devo estar muito longe da verdade. Por nenhum motivo especial, mas nunca mais calhou nesta última década. Hoje, voltei lá e adorei! Acho que vou adoptar a sua forma de comemorar o 1º Maio nesta corrida. Gostei imenso! E para o ano, e o outro e o outro, quero lá voltar a correr. E pode ser que se vá até à Praça do Comércio e pode ser que tenha 15 km... ;) E pode ser que eu esteja melhor e sonhe em fazer 1h10m,ou menos, claro :)

Jose Xavier disse...

olá Fernando;

Isso é que é celebrar o 1o de maio hein!!, nem o Pingo(s) te param!! .

Parabéns......

dos Xavier's