quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

“Duas ou Três Coisas que Eu Sei Dele”




Se me tivessem pedido para fazer uma lista de pessoas amigas que escrevem regularmente e que nunca iriam aderir ao malfadado AO90, há um que eu colocaria no topo: JM, um amigo que tive o prazer de conhecer na net, onde contemplei os seus belíssimos e sábios escritos com quem tanto aprendi, que me incentivou a escrever os meus próprios apontamentos e que tive e tenho o grato privilégio de conhecer pessoalmente.
Fazia tempo que não visitava o seu blogue, que se transformou numa referência nacional na divulgação de uma modalidade desportiva e cultural na Natureza, em crescente expansão. Hoje fiz-lhe uma visita e fiquei “engasgado”, quando dei por mim a “tropeçar” em palavras “amputadas”, palavras com que ele trabalha de forma encantadora!
Meu querido amigo JM, tu que sempre deste provas de saber resistir à agressão, de lutar por causas justas, de não te deixares influenciar por interesses obscuros, tu que sempre foste mais fiel aos teus princípios do que àqueles que te impõem… que fizeste às palavras que tanto respeitas e que são delicadas ferramentas com que tão bem trabalhas?
Querido Amigo, sei que as tuas responsabilidades editoriais são bem diferentes das minhas e pelas “Duas ou Três Coisas que Sei de Ti”, nunca eu teria a ousadia de censurar as tuas opções, mas não resisto a fazer um reparo sincero, mesmo que inconsequente.

Um grande e forte abraço, meu Amigo.

5 comentários:

Joaquim Margarido disse...

A amizade é uma coisa muito bonita... e como eu a prezo! Amigo Fernando, há quanto tempo não trocamos um abraço? Tenho saudades, saudades dos tempos que enumeras, tempos que estão na génese do bocadinho daquilo que somos hoje. Que grande equipa ali estava, que grande equipa aqui está!
Quanto ao assunto que merece o teu "reparo", ninguém me levará a mal por ter de conviver com as tarefas de apoiar os filhotes nas lides académicas e de me ver obrigado a adaptar-me à realidade deles. Que por força das circunstâncias acaba por ser a minha também e na qual - honestamente - não vejo afronta ao meu preconceito, pressupostos ou ideais. De escrita ou de vida. Dito isto, admito que nada me move contra o acordo, uma vez que, até hoje, nunca senti que retirasse ou adulterasse o sentido àquilo que pretendo dizer. Um grande e forte abraço ao Fernando e que, no exercício da cidadania, prossiga nessa demanda de fazer mais e melhor pela causa pública.

Jorge Branco disse...

Aqui no UK não há acordo para ninguém a não ser que nos seja enviado algum texto nessa “linguagem” estranha e nós não fazemos “traduções”! Forte abraço.

contraoacordo disse...

Ui, o o tal (des)Acordo!
Quanto desconhecimento vai por este país!

Fernando Andrade. disse...

Olá, querido amigo. Gostei da tua resposta serena e suave, como é teu timbre. Calculava que o problema estivesse na escola, onde foi imposto um acordo que não existe, que obrigaram a aplicar, mas que não foi subscrito pelos outorgantes. Bem sei que com ou sem acordo, continuarás a ter o engenho e a arte de escrever coisas deliciosas. A questão não está aí. Mesmo aqueles que dão erros de palmatória, sabemos o que querem dizer. Sugiro-te que visites este grupo https://www.facebook.com/groups/emaccao/, onde existe gente muito mais apta que eu em aCção contra o AO90.
Grande abraço, amigo Margarido e...vai aparecendo.

Fernando Andrade. disse...

Amigo Jorge Branco, bem sei que o UK é feito à prova de ortografias suspeitas, tal como o cidadão. Se eu der erros que seja por minha culpa e não por seguir um padrão errado. Grande Abraço.