segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

O Iconoclasta



Já poucos suportam a tua constante interferência no panorâmica político, tenhas ou não razão naquilo que dizes.  Já tiveste o teu tempo, - e não foi nada pouco – para mostrares o que valias, fazendo o que este Povo te incumbiu de fazer.  E fizeste? Lá terás feito alguma coisa boa, concerteza, mas de algumas asneiras que cometeste, muitos nunca tas perdoarão. Outros ainda te darão o benefício  da dúvida.
“-Oh Senhor guarda, desapareça!” – lembras-te desta frase a que achaste muita graça e que mostra bem o teu lado “humanista” e o respeito pela profissão de quem te protegia? Talvez conseguisse enumerar uns quantos “tesourinhos” deste quilate, que põem a nú o teu verdadeiro pensamento, mas isso poderá ficar para outra altura. Mas esta, a de hoje, foi forte! 
Tu, que o dirigiste, devias vergar-te perante quem o teu Povo se verga. Ao contrário, o que fizeste foi aviltar a memória de um Ídolo que o teu Povo adorou. Um ídolo que tu, se calhar, também pensaste que eras - e houve, certamente, quem tivesse fé em ti. Mas foste desiludindo e continuando a tapar o sol com a peneira para que,  continuassem a acreditar em ti. E que vemos hoje, da tua herança no comando dos nossos destinos? Achas que cumpriste?  Falemos agora do “Rei”.  Trasformou-se num Ídolo não por uma questão de fé, mas porque deu provas. O que ele sabia fazer, fê-lo com a mestria que o Mundo inteiro lhe reconheceu. O Povo contava com ele e ele correspondia. O Povo contava contigo e tu…desiludiste. Ao contrário,  ele nunca desiludiu. 
Sabes, Mário? Se a tua popularidade já andava pelas ruas da amargura, com esta afronta ao teu Povo, penso que fizeste um verdadeiro harakiri. É verdade que não tens ambições políticas nem precisas de demonstrar nada a ninguém, pois já  demonstraste  o que eras capaz de fazer. Mas tinhas uma respeitabilidade a manter  e não pugnaste por ela.
Entraste no templo e profanaste um ídolo só porque não eras tu. Nem os fiéis que já tiveste, te perdoarão.

4 comentários:

Nuno Sentieiro Marques disse...

Muito bem amigo Fernando.

Neste caso concreto, não interessa se é mais verdade ou menos mentira, interessa apenas a intolerável falta de respeito de alguém (sobre o qual me abstenho de opinar), por um outro alguém que como a musica diz..."é maior do que os homens".

Abraço

Eugenia Do Vale disse...

Os velhos são como as crianças não se pode levar a serio o que elas dizem, beijinho

SlowRunner disse...

Mais uma excelente prosa, Fernando.

Sabes que mais?

A inveja é uma m... coisa muito feia.

http://henricartoon.blogs.sapo.pt/750280.html

joaquim adelino disse...

Fantástico Fernando, este senhor, de forma tão simples e avassaladora foi colocado no lugar que merece, o desprezo. Mas ele não agarra vergonha, vai continuar a auto-destruir-se, muitos vão lamentá-lo, mas por mim ontem já era tarde!!!
Abraço