sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

"Requiem" - Fim da Europa

Assim, vazia, a Estrada da Pena não é a mesma coisa...



Foram anos e anos a subir
Serra acima em cenário queirosiano
Para depois descer sempre a sorrir
Que a Corrida não deve causar dano.
Mas a surpresa estava para vir
Fruto de um “traumatismo troikiano”
Sofrido p’lo edil em tão má hora
Que pôs os corredores dali p’ra fora.


-Senhor! - disseram todos a uma voz
- Nós só q’remos correr, ficai tranquilo;
Nem um tostão queremos, nem arroz,
Porque teimais em acabar com “aquilo”?
Não temeis vir a ser o nosso algoz
Mas temeis pela troika algum vacilo.
Sem piedade, retirastes toda a “tropa”
Deixando-nos a sós no Fim da Europa.

4 comentários:

Carlos Lopes disse...

confirmo aqui, atleta que faz das suas passadas, palavras que soam a vitorias...

Mário Lima disse...

Fernando

Contra o jugo da troika e aos submissos que baixam a serviz áquilo que lhes é ordenado iremos correr.

Tivessem vontade e nós estaríamos lá sem apoios, sem 'fanfarra', sem sacos, sem medalhas, sem farnel.

Estaríamos lá pelo prazer de lá estar.

Resistir é vencer, nós faremos a ligação entre onde a terra acaba e o mar começa e ninguém nos impedirá!

Estarei lá!

horticasa disse...

Pois eu também lá quero ir.
Mas não vou só.
Levo comigo o meu húngaro.
Isto não rima mas juro que é verdade.
Nós iremos, é só combinar hora e dia certo.

Carlos Castro disse...

Não estará a obscura crise a ser desculpa para muita coisa... pouco clara?