domingo, 26 de janeiro de 2020

1ª do Ano - 30ª Corrida Fim da Europa




Cara da mau (não tinha visto o Ventura, aos 8km))

Cara de Mau (não tinha visto o Carlos Ferreira, na Azoia)
Mas o Carlos Ferreira gritou-me e...pronto, muda-se logo de cara)

Finalmente

É com esta carismática Prova que tenho iniciado o meu ano de corridas. Chova ou faça sol; tenha ou não treinado é presença que considero obrigatória. Mesmo quando não se realiza (!)-vide 2012.
Sobre a Corrida Fim da Europa já disse tanta coisa, que me falha o palavreado.
É uma Corrida LINDA. Difícil, mas linda e que mal acaba nos deixa com vontade de voltar.
O tempo esteve muito agradável do princípio ao fim da prova e a nortada, tão amiga do Cabo da Roca, desta vez fez gazeta e deu lugar a uma brisa suave que mal se notava.
Saí logo na 1ª leva, depois do habitual aquecimento comandado pela boa disposição do Caravaca. Não havia nada que enganar : atravessar a Vila Velha, entrar na Rampa da Pena e seguir em frente, cumprindo as oscilações do percurso que, como é sabido, tem o seu ponto alto aos 10 Km. Depois é sempre a aviar, descida fora. Haja pernas. Ainda fiz um km em 4.07, pois a descer dá para fazer grandes tempos, eheh. (Porque será que vim logo falar nisto e não comecei por falar que, a subir, houve alturas em que estava a andar a 7,30 ? - Hein? Vaidades, é o que é!).
Mas é delicioso subirmos a serra, serpenteando-a pela estrada ladeada de paredes de musgo e arvoredo (que já foi mais, mas a doença das árvores, os temporais, ou falta de escrúpulos dos homens,  abriu clareiras onde antes só havia verde e sombra).
Fabuloso. Ainda hei-de ver quantas das edições desta prova fiz, mas, se falar só das últimas 14 (que foram 15) apresento-vos um quadro das minhas participações:

Todos os resultados desta 30ª Edição estão aqui.

Parabéns à Câmara Municipal de Sintra  pela parceria efectuada com a Pódium pelas novidades que apresentou. Grandes melhorias em termos de imagem  tanto na partida como na chegada e pela medalha no final. Finalmente, foram ouvidas as nossas "preces" e espero que seja para continuar e não por se tratar de uma 30ª edição.
Em termos de crítica, que é apenas com o intuito de levar à reflexão, tal como já referi no ano passado, julgo que as duas partidas não é bom, pois o segundo pelotão, às tantas, ficará dissolvido no primeiro
dificultando a compreensão das performances dos atletas. Os computadores resolvem isso, mas os humanos ficam um bocadinho "à nora". Bem sei que são muitos os atletas e a estrada é estreita. Mas, se se estabelecerem caixas de tempos, cada atleta será posicionado segundo o andamento que consegue, pelo que não haverá atropelos. Poderia também ser impedido o estacionamento na faixa esquerda da Vila ao Largo do Victor que, isso sim, mesmo com 2 partidas, deixa disponível uma faixa que é estreita para tanta gente. Libertando o estacionamento desse troço e feitas as caixas de tempos, estou convicto que a Prova ganhava com isso, apresentando uma coluna única de atletas a encher a Serra.
Bem, mas sugestão é apenas sugestão e em nada belisca o sucesso que mais uma vez a Corrida do Fim da Europa conseguiu e que  se deseja que fique, porque afinal, "dificilmente haverá corrida mais bonita". Vale a pena investir nela.



terça-feira, 21 de janeiro de 2020

Carta Aberta a Carlos Lopes


Caro Carlos Lopes

Ouvi dizer (aqui) que tu, o melhor atleta português de sempre, o percursor da vontade de experimentar a Corrida para todos – e eu fui dos que alinhei logo - vieste a terreiro dizer que o “running” está a ser mau para o Atletismo! Se fosse o implicar com a palavra “running”, tirava-te o chapéu. Mas não. Vieste dizer que isso é “bonito por ser bom para os médicos e fisioterapeutas e que é bonito para os organizadores que se enchem à conta dos que pagam para correr.”
Com todo o respeito que me mereces e continuando a considerar-te no mais alto patamar do Desporto Nacional, acho que, talvez querendo dizer outra coisa, não estiveste bem no que disseste.
Um Ídolo não deve rir-se dos que o idolatram nem deve rir-se dos organizadores que promovem as reuniões onde uns e outros podem partilhar, na estrada, nos trilhos, onde quer que seja, o gosto comum pela prática da Corrida. Nem amesquinhá-los.
Não te fica bem. Não tens que ridicularizar os que te seguiram os passos, ainda que mais devagar. Não são os “runners” (já que estamos nesta) que se põem em bicos de pés reclamando um estatuto de atleta. Haverá necessidade de desvalorizar essa condição ?
No teu tempo, todos sabemos, esforçavas-te estoicamente, treinavas no duro para conseguires ser um dos melhores do mundo. Conseguiste e tiveste um País a teus pés. Os “runners” só querem sentir-se bem, serem felizes correndo livremente, sem pressões. Não têm que se esforçar para serem os melhores do mundo. E também têm consciência de que aquilo que fazem em termos de performances desportivas vale zero.
Talvez aches que seria melhor termos uma população sedentária a aplaudir meia dúzia de grandes atletas ao invés de não termos grandes atletas mas termos uma população activa que em vez de se limitar a assistir aos feitos dos outros, vive, ela própria, o Desporto tornando-o parte da sua vida.
E quanto aos organizadores? Não te esqueças que também o foste – ou alguém por ti - e, pelos vistos, não achaste “bonito”, pois não fizeste futuro com isso. Aliás, entraste em acção nesse domínio, interferindo e levando ao cancelamento da 2ª Maratona de Abril em Lisboa, recordas-te (?) para comemorar os 25 anos da Maratona Olímpica, num percurso entre Cascais e Lisboa. Essa prova, apesar dos prémios apetecíveis acabou por não ter grande adesão. E esses prémios eram também para “runners”, pois eu que acabei com a modestíssima marca de 3,33 nem me passava pela cabeça vir a ser contemplado, por ser o 1º do meu escalão. Era um prémio de 400€ que eu sei que não merecia e, talvez por isso, nunca mo foi entregue. (Mas isso é só uma “picadinha” que te estou a dar e que não vem ao caso).
Como bem te recordas, andaste pelas escolas a falar da Corrida e das suas virtudes aos miúdos e tenho a certeza que não lhes andaste a dizer que correr era bom, mas que se não viessem a ser campeões o melhor seria parar porque se não a Corrida só seria “bonita” para os organizadores e para os médicos que encheriam os bolsos à custa dos pagantes corredores”.
A outra questão que colocas é a da separação dos “runners” dos “atletas a sério”. Concordo, em teoria, mas agora faz lá isso na prática. Crias uma espécie de 1ª Divisão à qual acedem quem tem determinadas marcas e uma 2ª para quem as não tem? Crias uma maratona onde só participa quem tem menos 2,30 e paras uma cidade para teres 20 atletas a correr? Depois, perguntas aos organizadores a qual das divisões se deve destinar o evento que organizam.
Talvez defendas que em vez dos “runners” estarem tutelados pela FPA deveriam estar tutelados por uma hipotética FPR. Olha que até nem é má ideia, mas não te esqueças que a FPA não acharia graça nenhuma.
Caro Carlos Lopes, para terminar, eu, que vibrei com as tuas conquistas, te admirei com a simplicidade que demonstravas, que te coloquei no altar dos ídolos, não gostei do que disseste. Não te esqueças que o teu sucesso foi um dos primeiros responsáveis por se ter criado o gosto pela Corrida. Mas olha que demorou muitos anos até que as pessoas achassem que, mesmo sem serem tão bons como tu, valia a pena correr. E isso não é bom? Que mal é que isso tem? Os bons dão qualidade à Corrida; os “runners” dão-lhe substância e sustentação. A Corrida é dos poucos desportos em que os virtuosos e os menos dotados podem comungar o mesmo evento. Pelos vistos, por enquanto.
Quanto à tua Escola de Atletismo, desejo que saiam dela muitos campeões.

Um Abraço.

quinta-feira, 2 de janeiro de 2020

Um ano - 20 corridas em imagens



"Três corpetes, um avental, sete fronhas e um lençol..."
Que é como quem diz:
3 maratonas, 4 Meias, 1 de vinte, 3 de quinze, 7 de dez , 1 de 12, 1 de 17
.... "que a freguesa deu ao rol".

E foi assim o meu 2019 no que a Corridas diz respeito. Agora em imagens. Trilhos? Pois é...este ano não consegui fazer nenhum, mas em 2020 penso retomar o contacto com a terra.

Prova nº 1- Corrida Fim da Europa

Prova nº 1 - Corrida Fim da Europa
Prova nº 2 - Meia Maratona de Cascais

Prova nº 2 - Meia Maratona de Cascais

Prova nº 3 - Meia Maratona de Lisboa- P.25 Abril

Prova nº 4 - Corrida dos Sinos
Prova nº 5-  20 Km da Marginal

Prova nº 5 - 20 Km da Marginal
Prova nº 6 - Maratona de Aveiro

Prova nº 6 - Maratona de Aveiro


 Prova nº 7 - Corrida 1º de Maio

Prova nº 8 - Corrida de Santo António

Prova nº 8 - Corrida de Santo António

Prova nº 9- à falta de foto...


Prova nº 10 - Corrida das Fogueiras

Prova nº 11 - Corrida MTBA
Prova nº 12 - Maratona de Lisboa

Prova nº 13 -Corrida do Sporting (descaracterizado por motivo de força maior)

Prova nº 14 - Maratona do Porto


Prova nº 15 - Meia Maratona da Nazaré ("descaracterizado" por motivo de força maior)

Prova nº 16 - Meia Maratona Descobrimentos (o dedo apontava para alguém)

Prova nº 17 - S. Silvestre Almada

Prova nº 18 - S.Silvestre Lisboa

Prova nº 18 - S.Silvestre de Lisboa


Prova nº 19 -S.Silvestre Olivais


Prova nº 19 - S. Silvestre dos Olivais
Prova nº 20 - S. Silvestre Amadora
Prova nº 20 - Mais perto, que é para acabar em "grande".
Resta-me agradecer a quem teve a pachorra de acompanhar estes registos. Grande abraço e até à próxima, numa Corrida por aí que, a ser como tem sido, será a Corrida Fim da Europa, a 26 de Janeiro.

quarta-feira, 1 de janeiro de 2020

Balanço das minhas Corridas de 2019





Aí está um ano em Corridas, Foram 20.
Ficam as estatísticas, a manta de dorsais e as medalhas, a maioria de metal, algumas de madeira e de acrílico e o inconfundível sino a juntar ao meu carrilhão.
Para os que ficaram a fazer contas, lembro que não houve medalha na Corrida Fim da Europa, na 1º de Maio, na Fonte da Pipa e na da Corrida de Stº António, sendo aqui substituída pelo tradicional manjerico.
Falta mostrar-vos a "secção têxtil".
Vamos ver como será 2020.

20ª Prova de 2019 - 45ª S.Silvestre da Amadora


Foto de A Natureza Ensina
Depois de tanto ouvir falar bem dela, experimentei-a em 2018. Gostei e fiquei fã, de tal forma que,  desta vez, até me pareceu que corri bem, tendo deixado escapar os 50' por escassos 8''.
Tudo estava excelente: o saco (que curiosamente incluía o champanhe e as passas para mais logo) além da tradicional t-shirt. Até uma caixinha com rebuçados do Dr.Bayard para ajudar a prevenir alguma tosse se não nos conseguíssemos defender convenientemente da noite fria que se estava a preparar. Sim senhor. Nota máxima neste particular.
Depois vem a partida. Excelente a ordenação e o controlo das caixas de entrada. Parti nos sub-50 (espero que aqueles 8 segundos) não me impeçam de ali estar na próxima edição).
Depois da partida, uma outra maravilha a valorizar: o Público, com P grande!  Fantástica a interacção com os atletas, estando em ambos os lados da estrada, aplaudindo, incentivando com palavras de estímulo, acarinhando e desejando bom ano,  vivendo a Prova intensamente. E numeroso ! A minha vénia para este Público 5* da Amadora, que faz jus à fama que esta S. Silvestre  foi adquirindo ao longo de 45 anos de história.
Outro elemento que não se pode deixar de assinalar: a animação ! Muito boa mesmo. Parabéns para todos os que estiveram envolvidos nisto.
Quanto à minha prova, como disse, deixou-me satisfeito: venci as subidas e deixei-me embalar nas descidas, sem me entusiasmar em demasia.
Cheguei em 817º (entre 1806), com 50,08  e 8º do escalão (em 42).
Todos os resultados aqui.
Parabéns à Amadora pela excelente organização.
E assim encerro o ano de 2019, com 20 provas realizadas, conforme o balanço que hei-de fazer a seguir.
Para todos os que têm tido a paciência de ler as linhas que aqui vou escrevendo, quero desejar tudo de bom neste ano novo de 2020, pois o velho de 2019, se teve algumas coisas boas, teve outras que magoaram. E muito. Feliz ano novo.


19ª Prova de 2019Antes : 31ª S.Silvestre dos Olivais


Antes

Durante

Após (com a Lizete Duarte e o Fernando Celestino)


Mais uma bela Prova de S. Silvestre, a clássica dos Olivais. Um bocadinho dura, mas como na véspera tinha ficado alguma coisa de reserva, até se fez mais ou menos e acabei por ficar feliz com o desempenho: 534º (em 1176 chegados) e 10º do escalão (em 27), com o tempo líquido de 50,35.
Todos os resultados aqui.
Só falta uma para que 2019 fique aviado.